de 2015
Manchetes
Back
A OPÇÃO CERTA
29/01/2015
Após anos de reconhecido êxito, o cirurgião confidenciou ao colega: “profissionalmente me considero realizado, mas não sei se isto rima com felicidade”. Quem sabe, ponderou, para se sentir-se realizado e feliz, ao mesmo tempo, deveria residir numa mansão.
Construiu seu castelo. E a felicidade não habitava no castelo. Vai ver, concluiu, meu nome deve figurar nas páginas de revistas científicas, nos anais das associações médicas internacionais. Assim aconteceu. O coração, porém, ansiava por outras celebrações.
Neste período de anseios recebeu um convite para participar do Cursilho da Cristandade. Cursilho?! Se algo não constava na sua agenda, eram tais encontros religiosos.
Hesitou, mas acabou cedendo ao convite do amigo, mais por curiosidade que por interesse. E, na sua casa de retiros, encontrou o que o coração buscava: a felicidade. A felicidade plena em Deus. Compreendeu que a praia da ventura estava na outra margem do rio: na paz de espirito, no amor partilhado. Santo Agostinho tinha razão: “O coração humano anda inquieto enquanto não descansar em Deus”. Felicidade, pois, rima com opção acertada.
Embora não tivessem pescado nada, Pedro confiou em Jesus: “por tua palavra lançarei as redes”. E o resultado, como nós cristãos sabemos, foi uma pesca milagrosa. A barca era de Pedro, as redes eram de Pedro, o trabalho era de Pedro, o milagre, porém, foi e é de Jesus. E Jesus falou a Pedro: de hoje em diante serás pescador de homens (Lc 5,1). E os rudes pescadores, Pedro e André, Tiago e João, deixaram tudo e seguiram o Mestre. Esta opção valeu o início do colégio apostólico.
Os dois filhos de Zebedeu, Tiago e João queriam na verdade, participar do comando e do poder. Ora, a maneira certa de estar à direita e à esquerda de Jesus é servir à direita e à esquerda. Servir sempre e a todos - eis a opção.
Não é fácil conviver com os critérios anunciados pelas bem-aventuranças! Há gente, inclusive, que as acusa de utopia sem a menor lógica. Um governante europeu pontificou numa assembleia internacional: “hoje em dia seria impossível administrar um Estado baseado no decálogo das Bem-aventuranças”. Deixou claro, assim, que as normas anunciadas por Cristo pregam outros valores que não seja o “ter”, o “poder” e o “prazer”. Um proceder cristão, afinado com o espírito das leis de Deus, destoa dos critérios incensados pela sociedade moderna. Quem não conhece ricos infelizes e pobres felizes? Isto comprova que não são os bens materiais os arautos da felicidade ou da infelicidade. Deus não é a favor da pobreza, mas do pobre. Deus não é contra a riqueza conquanto gere a vida, conquanto compartilhada. O pobre é bem-aventurado porque tem mãos abertas para receber. O rico é infeliz porque tem as mãos fechadas, não espera nada. Aquele que não espera nada, que não espera ninguém, não tem razão para viver. A opção é ficar de mãos abertas.
Uma igreja, em Belém, chama atenção do visitante por uma particularidade: tem uma meia-porta. Para ultrapassá-la é preciso abaixar-se. Traz um nome singular – “agulha” (daí deve vir a comparação de Jesus: “é mais fácil um camelo passar pela agulha do que um rico entrar no reino dos céus” (Mt 19,24)). A dimensão reduzida da porta visava impedir a entrada com camelos. Nosso sonho, nossa opção, é entrar no céu, nem que seja por uma meia-porta.
O jovem rico da Bíblia confessou a Jesus: “Mestre, observei todos os ensinamentos evangélicos. Que mais devo fazer”? Jesus o fitou com carinho e deu a recomendação final: vai, vende tudo, e segue-me”. O diálogo terminou aqui. O jovem deu as costas porque, diz a Bíblia, tinha muitos bens. Tomou a opção errada.
Os caminhos da verdadeira felicidade são dois; mas o caminho seguro é um só. Ressalta La Fontaine: “nenhum caminho de flores leva à glória”. Não se pode errar na escolha. A vida é curta demais para ser trivial. A bem da verdade, não existe caminho digno de ser palmilhado se não for calçado de amor, amor por Deus e pelos homens – esta é, entre todas, a opção mais segura.
Reinoldo Back

Reinoldo Back é assinante e colunista do Jornal Correio do Povo

Últimos Posts Back
 
Início | Quem Somos | Comercial | Redação | Direção | Sugestões | Trabalhe Conosco | Publicaçôes | Fale Conosco | Política de Privacidade
Jornal Correio do Povo :: Rua Cel. Guilherme de Paula, 880 Fone: (42) 3635-2944 CEP 85.301-220 - Laranjeiras do Sul - PR