Letras - Tatiane Patricia Babinski
Atenção aos distúrbios da tireoide: conheça os sintomas

Quando a tireoide passa a trabalhar mais ou menos provoca uma série de alterações no organismo. Poucas pessoas sabem que os hormônios produzidos por essa glândula são responsáveis por regular diversos processos metabólicos em nosso corpo.

Os distúrbios da tireoide ocorrem quando a glândula para de funcionar corretamente. Existem quatro tipos principais da doença: Hipertireoidismo (excesso de hormônio da tireoide); Hipotireoidismo (redução de hormônio da tireoide); Nódulos e Bócio benignos da tireoide (não cancerígena); e Câncer da tireoide.

 

Fique atento aos principais sintomas que são:

- Insônia;

- Diarreia;

- Perda inexplicável de peso;

- Suor excessivo;

- Ruborização da pele;

- Olhos saltados;

- Taquicardia (mais de 100 batimentos por minuto);

- Ansiedade, irritabilidade ou nervosismo;

- Hiperatividade;

- Alterações no ciclo menstrual.

 

Mantenha seus exames em dia e cuide da sua saúde!

Ácido fólico: por quê é importante?

Vitamina é fundamental para a saúde de todos e não somente das grávidas

 


Também conhecida como folato, metilfolato ou vitamina B9, o Ácido Fólico é fundamental para diversas funções do corpo - a síntese e reparação do DNA, divisão e crescimento celular, produção de novas proteínas, formação de hemácias, para a saúde cardiovascular e do sistema nervoso. Já para as gestantes a vitamina contribui para o desenvolvimento fetal e para a formação do tubo neural.

O exame de Ácido Fólico busca avaliar se há deficiência de ácido fólico no sangue, principalmente em gestantes e usuários de medicamentos que inibem o folato. Na maior parte das vezes a falta do folato é assintomática. Em casos graves pode haver fadiga, falta de ar após esforço leve, dor de cabeça e feridas na boca.

Valores baixos no exame podem levar à chamada anemia megaloblástica, na qual glóbulos vermelhos se tornam grandes, imaturos e disfuncionais, causando perigo principalmente para gestantes. Para as gestantes, a ausência desta vitamina pode fazer com que o feto tenha malformações neurológicas.

Suor excessivo: descubra como controlar o problema

Verão, sol, calor intenso e por consequência mais suor. Quem sofre com excesso de suor sabe o quanto o problema pode afetar a autoestima. Para reduzir o desconforto listei alguns truques que podem reduzir a transpiração excessiva.

 


Confira:

- Escolha um desodorante que tenha maior porcentagens de princípios ativos que diminuem a sudorese, como os derivados de alumínio;

- Reaplique o desodorante antitranspirante durante o dia para minimizar suor e odores;

- Opte por um produto que atenda a sua necessidade (suor intenso, estresse ou hiperidrose);

- Prefira roupas de tecidos leves, que podem ser de algodão, por exemplo. Esse tecido permite que a pele respire, evitando a transpiração;

- Evite alimentos apimentados, pois eles estimulam mais produção de suor;

- O consumo de bebidas alcoólicas e cigarro também pode colaborar para a sudorese.

 


Hiperidrose

Quando o suor acontece de maneira abundante é preciso procurar um dermatologista, pois pode ser Hiperidrose. O problema, geralmente, acomete pontos específicos como axilas, mãos e pés.

Algumas opções de tratamento são: toxina botulínica, lasers e desodorantes dermatológicos adequados. Mas, é importante passar por uma avaliação médica para identificar os motivos.

 

 

 

Confira os benefícios de uma boa noite de sono

Repor as energias, revigorar o corpo e a mente – essas são algumas funções do sono, que serve como um alimento para o nosso organismo. É durante essa pausa que o corpo fortalece o sistema imunológico, faz a liberação de alguns hormônios e consolida a memória, além de outras funções importantes.

Outros benefícios de uma boa noite de sono são:

1. Reduzir o estresse;

2. Controlar o apetite;

3. Melhorar o humor;

4. Estimular o raciocínio;

5. Rejuvenescer a pele.

Cada pessoa tem a sua necessidade própria de horas de sono. Mas, de forma geral, o ideal é dormir oito horas por noite, sem interrupções.

 

Alerta para o verão

Redobre os cuidados e evite a proliferação do Aedes Aegypti

Além do sol e calor, o verão apresenta as condições climáticas ideais para a reprodução do Aedes Aegypti - transmissor da dengue, chikungunya e zika. As doenças são transmitidas pelo mesmo mosquito, mas apresentam sintomas bem diferentes.


Confira:


Dengue

Causa febre, dores no corpo, dores de cabeça e nos olhos, falta de ar, manchas na pele e indisposição. Em casos mais graves, a dengue pode provocar hemorragias, que podem ocasionar óbito.


Chikungunya

Também causa febre e dores no corpo, mas as dores concentram-se principalmente nas articulações. Alguns sintomas duram em torno de duas semanas; porém, as dores articulares podem permanecer por vários meses. Casos de morte são muito raros, mas a doença, em virtude da persistência da dor, afeta bastante a qualidade de vida do paciente.


Zika

Febre mais baixa que a da dengue e chikungunya, olhos avermelhados e coceira característica, são alguns dos sintomas. Normalmente a zika não causa morte, e os sintomas não duram mais que sete dias. É importante ressaltar que a doença se relaciona com uma síndrome neurológica que causa paralisia, a Síndrome de Guillain-Barré, e também com casos de microcefalia.

 
Portanto, redobre os cuidados e elimine os focos do mosquito. Lembre-se: mantenha seu quintal sempre limpo e deixe em dia a limpeza de piscinas e caixas d’água.

Câncer de Colo do Útero: saiba mais e previna-se

O câncer de colo do útero, causado pela infecção persistente de alguns tipos de HPV - Papilomavírus Humano, é o terceiro tumor que mais atinge mulheres, ficando atrás apenas do câncer de mama e do colorretal.

O problema afeta principalmente mulheres jovens e tem uma evolução lenta. Portanto, quando tratado precocemente a chance de cura é de quase 100%. Importante: a infecção pelo HPV é comum e nem todos os tipos de vírus causam câncer. Mas, em alguns casos, ocorrem alterações celulares que podem evoluir para a doença. É possível identificar essas alterações através do exame preventivo (Papanicolau). Por isso, visite seu ginecologista com frequência.

 

Previna-se

A melhor maneira de evitar o câncer de colo do útero está na prevenção da infecção por HPV. A medida mais eficaz é o uso de camisinha, já que a maior parte das transmissões desse vírus são sexuais.

Outra forma de prevenir a doença é por meio de vacinas – existem dois tipos aprovados e registrados na ANVISA. A quadrivalente, que confere proteção contra HPV 6, 11, 16 e 18. A outra opção é a vacina contra HPV bivalente, que confere proteção contra HPV 16 e 18.