Perto de Deus - Padre Wieslaw
Ovelha Perdida

Uma vez Jesus Cristo contou uma parábola muito comovente sobre a ovelha perdida. Comovente, pois se trata do amor misericordioso. Nós todos somos sensíveis ao amor misericordioso.

“Todos os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar.  Os fariseus e os escribas, porém, murmuravam contra ele. “Este homem acolhe os pecadores e come com eles”.  Então ele contou-lhes esta parábola: “Quem de vós que tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la?  E quando a encontra, alegre a põe nos ombros e, chegando em casa, reúne os amigos e vizinhos, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’  Eu vos digo: assim haverá no céu alegria por um só pecador que se converte, mais do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão.”  (Lc.15.1-7)

Bonita e animadora é esta parábola. Nós seres humanos temos muitos problemas na nossa vida. Quem de nós não chorou por causa destes problemas? Só vou enumerar alguns: em nossas doenças, as doenças dos nossos familiares, a convivência difícil na família, as dificuldades no trabalho, as perseguições da nossa pessoa, as fofocas sobre a nossa pessoa, as rixas com várias pessoas, o namoro cheio de espinhos, as inimizades, etc.etc. O que estas situações e acontecimentos nos causam?  Causam a depressão que em muitos casos precisam de tratamento médico. Na vida espiritual causam: desespero, raiva, desgosto de si mesmo e nos casos extremos a tentação de cometer o suicídio.

Quando uma pessoa chega para eu com os problemas pedindo a ajuda espiritual, no primeiro instante constatando que não é o caso médico, convido a pessoa a refletir comigo a parábola da ovelha perdida. Esta parábola em primeiro lugar nos ensina, como nós pessoas humanas somos muito importantes para Jesus Cristo. Todos podem nos abandonar, podem nos rejeitar, podem nos desprezar. No entanto existe alguém que nos valoriza, que nos acolhe com amor, que tem saudades de nós, que nunca nos esquece, que nos procura dia e noite, que nunca nos deixará para perdição, é Jesus Cristo, que por nos até deixou-se crucificar.  E assim eu estou mandando a pessoa ler dez vezes por dia todo o mês a parábola da ovelha perdida. Pois quando o amor por Jesus Cristo toma a conta do nosso coração, a nossa vida toma outro rumo, o ruma de santidade de Jesus Cristo.  Queremos ser santos e santas. Isto aconteceu na vida do Apóstolo São Paulo.

“Quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação, angústia, perseguição, fome, nudez, perigo, espada?...Tenho certeza de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem as potências,  nem a altura, nem a profundeza, nem outra criatura qualquer será capaz de nos separar do amor de Deus, que está no Cristo Jesus, nosso Senhor.”  (Rm.8.35-39)

Meu Bom Jesus! Me ajude a sempre lembrar que sou muito amado pelo Senhor e que não me convém cometer o pecado grave e trazer a vergonha ao Senhor. Que isto nunca aconteça! Melhor seria, que eu morra do que peque gravemente! Amém.

 

O amor aos inimigos

Uma vez Jesus Cristo falou de um assunto que é muito difícil aceitar por nós pessoas comuns. Jesus Cristo falou do amor aos inimigos. Muitos de nós acha que este mandamento se refere as pessoas que querem ser santas. Mas para nós, pessoas simples, que queremos só ganhar o Céu, não é necessário guardar este mandamento. Pois é muito difícil esquecer os desaforos e os prejuízos que os inimigos nos causaram e muitas vezes estão causando. E agora os perdoar e fazer bem a eles, isto está acima das nossas forças. Mas isto exige Jesus Cristo.  A exigência dele é sem restrição. Amar e ponto. Ele é muito radical. Ele quer, que sempre e em todas as situações amemos os inimigos. Como Jesus quer que nós praticamos este amor?  Então vamos ler a explicação dele.

“Ora, a vós que me escutais, eu digo: amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam.  Falai bem dos que falam mal de vós e orai por aqueles que vos caluniam... Se amais somente aqueles que vos amam, que generosidade é essa? Até os pecadores amam aqueles que os amam.  E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que generosidade é essa? Os pecadores também agem assim.  E se prestais ajuda somente àqueles de quem esperais receber, que generosidade é essa? Até os pecadores prestam ajuda aos pecadores, para receberem o equivalente.”

Jesus Cristo sabe, que cumprir o mandamento do amor aos inimigos não é uma moleza. Custa uma negação de si mesmo. Mas Ele não faz exceções. Incentiva a nós todos a praticar o amor aos inimigos. Para nos encorajar a praticar este amor Ele promete uma grande recompensa. Sim, promete uma grande recompensa. E sim, teremos no Céu um destaque como os filhos do Altíssimo.  Vale a pena refletir sobre este amor aos inimigos e começar pratica-lo para não perder a grande recompensa, mas ganha-la pois ela vai nos acompanhar por toda a eternidade.

“Amai os vossos inimigos, fazei o bem e prestai ajuda sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande. Sereis filhos do Altíssimo, porque ele é bondoso também para com os ingratos e maus.  Sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso. (Lc.6.26-36)

O Meu Bom Jesus! O Senhor fez uma revolução nos costumes humanos. Nunca ninguém nos ensinava a amar os inimigos. O Senhor não só ensinou, mas nos deu exemplo deste amor, quando na cruz rezou pelos seus carrascos: “Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem!”  (Lc.23.34) Quero de todo o coração cumprir a tua ordem de praticar o amor aos inimigos. Me ajude a superar o ódio e a vontade de vingança. Que o amor fraterno seja vitorioso na minha vida e no mundo inteiro! Amém.        

 

 

 

Leis humanas

Os homens querem substituir os mandamentos de Deus pelas leis humanas. Era assim nos tempos de Jesus Cristo e continua nos nossos tempos. Contrariando o mandamento “Não matar” legalizaram o aborto. Contrariando o mandamento de Deus “O que Deus uniu, o homem não separa” introduziram o divórcio. Contra o matrimonio instituído por Deus entre homem e mulher introduziram matrimonio entre pessoas do mesmo sexo, homem com homem, mulher com mulher.

Uma vez Jesus Cristo conversou com os fariseus, “piedosos” judeus a respeito das leis humanas e divinas, porque os judeus substituíram algumas leis divinas com as leis humanas.

“Os fariseus e os escribas perguntaram a Jesus: “Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas tomam a refeição com as mãos impuras?”  Ele disse: “O profeta Isaías bem profetizou a vosso respeito, hipócritas, como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. É inútil o culto que me prestam, as doutrinas que ensinam não passam de preceitos humanos’.  Vós abandonais o mandamento de Deus e vos apegais à tradição humana”. E dizia-lhes: “Sabeis muito bem como anular o mandamento de Deus apegando-vos à vossa tradição. De fato, Moisés ordenou: ‘Honra teu pai e tua mãe’. E ainda: ‘Quem insulta pai ou mãe, deve morrer’. Mas vós ensinais que alguém pode dizer a seu pai e à sua mãe: ‘O sustento que poderíeis receber de mim é ‘corban’, isto é, oferenda’.  E já não deixais tal pessoa ajudar seu pai ou sua mãe. Assim anulais a palavra de Deus por causa da vossa tradição, que passais uns para os outros. E fazeis ainda muitas outras coisas como essas!”  Mc.7.5-13)

 Os fariseus lavavam as mãos e as vários utensílios por motivos religiosos não de higiene. Eles achavam que a “lavada” os livrará da contaminação com os pecados. Jesus Cristo criticou os atitudes deles. Mostrou, que inventaram tradições humanas para anular as leis de Deus. Por exemplo, inventaram uma lei, que, se um judeu declarava, que a comida em sua casa é uma oferenda feita a Deus “corban”, então ninguém podia comer esta comida, nem o pai, nem a mãe, só ele que fez esta comida. Em vez ajudar os pais, os judiavam. Assim os pais passavam fome e assim a lei de Deus “Honrar pai e mãe" era desrespeitada. 

Mesmo que algumas leis humanas permitem contrariar as leis de Deus e viola-las, nos católicos não devemos fazer isso. Nunca esqueçamos, que nos espera o julgamento divino. E queremos que este julgamento seja vantajoso para nós, que Deus nos convide com estas palavras: “Servo bom e fiel...vem participar da alegria do teu senhor!” (Mt.25.21)

Meu Bom Jesus, me perdoe, se eu procurei justificar a minha violação das tuas leis. Que isto nunca mais aconteça. Ao contrário eu quero fielmente guardar as tuas leis custe que custar, para de Ti receber os elogios e por fim a Vida Eterna no Céu. Amem.

 

 

Não julgar

A religião de Jesus Cristo é a religião do amor fraterno, pois Ele solenemente declarou: “Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros.”  (Jo.13.14) Este mandamento, formulado deste jeito, no primeiro momento nos assusta. O Antigo Testamento exigia a amar o próximo como a si mesmo (Lv.19.18). Jesus Cristo é mais radical. Ele manda amar o próximo mais do que a si mesmo. E deu um exemplo disso, pois Ele deu, o que é mais precioso, a vida por nos seus amigos. E isso se fez de  modo muito cruel, pois deixou-se crucificar. Ele quer que nós demos, se precisar, a vida pelos irmãos. Deste modo Jesus Cristo mostra como Ele muito valoriza o amor fraterno. Seguindo este caminho do amor fraterno Ele deu um conselho: “Não julgueis, e não sereis julgados.  Pois com o mesmo julgamento com que julgardes os outros sereis julgados; e a mesma medida que usardes para os outros servirá para vós.  Por que observas o cisco no olho do teu irmão e não reparas na trave que está no teu próprio olho?  Ou, como podes dizer ao teu irmão: ‘Deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando tu mesmo tens uma trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu próprio olho, e então enxergarás bem para tirar o cisco do olho do teu irmão.”  (Mt.7.1-5) Este conselho é muito sensato. Nós nos criamos numa comunidade. Vivemos e trabalhamos numa comunidade. Vivendo sozinho não nos sentimos bem. E Jesus Cristo está dando o conselho de como nós devemos nos comportar na nossa comunidade, como praticar o amor fraternal com todas as pessoas. Assim Jesus Cristo aconselhou, para que não julgássemos os outros. Pois os julgamentos estragam o amor fraterno. E o amor fraterno é a essência da religião de Jesus Cristo. “O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.” 

São Paulo Apóstolo é muito apegado ao amor fraterno e toda a religião de Jesus Cristo ele resume numa frase:  “Não fiqueis devendo nada a ninguém… a não ser o amor que deveis uns aos outros, pois quem ama o próximo cumpre plenamente a Lei. De fato, os mandamentos: “Não cometerás adultério”, “Não cometerás homicídio”, “Não roubarás”, “Não cobiçarás”, e qualquer outro mandamento, se resumem neste: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. (Rm.13.8-9)

E por isso o Novo Testamento dedica toda atenção ao amor fraterno. Jesus Cristo prometeu um prêmio generoso para quem se cuidar e não julgar o próximo. Se nós não usamos  julgamentos severos, Jesus Cristo não vai usar os julgamentos severos em nós. Ele não vai dar se ultrapassar em bondade por nós.

 “Nisto conhecerão todos que sois os meus discípulos: se vos amardes uns aos outros”. (Jo.13.15) Nesta frase Jesus Cristo nos ensina como evangelizar o mundo. Isto se faz pelo amor fraterno. Os seguidores de Jesus Cristo devem se destacar pelo amor fraterno. Sempre dispostos a ajudar. Sempre ter palavras animadoras. Sempre elogiar os outros. Sempre exaltar os outros. Sempre em nossos julgamentos destacar o que é bom na outra pessoa. Sempre omitir o que é negativo nas pessoas. Se nós deste modo vamos tratar as pessoas, Jesus Cristo vai nos tratar igualmente. Vai omitir os nossos pecados e vai só destacar as nossas qualidades. E assim o Céu será garantido.

O meu Bom Jesus! Me ajude a não esquecer de tratar bem as outras pessoas e falar bem delas que elas  se sintam bem comigo e queiram também praticar o amor fraterno, que tanto agrada a Ti, Meu Bom Jesus. Amém.

Paz Divina   

“Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, os discípulos estavam reunidos, com as portas fechadas por medo dos judeus. Jesus entrou e pôs-se no meio deles. Disse: “A paz esteja convosco”. (Jo.20.19)
É interessante, que no primeiro encontro com os seus discípulos, depois da sua ressurreição, Jesus Cristo fala sobre a paz. Jesus Cristo os assegura, que a paz esteja com eles. Varias vezes Jesus Cristo falava da paz. 
 “Mas o Defensor, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito.  Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. Não é à maneira do mundo que eu a dou. Não se perturbe, nem se atemorize o vosso coração.” (Jo.14.26-27)
Será que a notícia de que Jesus Cristo traz a paz para os seus seguidores é importante? Não há dúvida, que sim. A paz em todos os sentidos, é indispensável para a nossa felicidade. A pessoa humana quer a paz com todas as pessoas, especialmente com aquelas, que a acompanham. Pois a falta de paz está onde existe a guerra. É insuportável viver em guerra permanente com os vizinhos. A situação de guerra causa muitas doenças, tira a vontade de viver mais. A vida sem a paz se torna uma desgraça. A pessoa em guerra quer sumir deste mundo.
Também é insuportável a vida sem a paz no interior da nossa alma. Vários pensamentos, desejos, aflições nos deixam inquietos, perdemos o sono. A vida sem a paz é um martírio.     
Ao contrário, a vida na paz interior e exterior é uma alegria e uma grande felicidade. Da  vontade de se abraças com todos. 
Analisando bem o assunto da paz com facilidade constatamos que ela é insubstituível na vida feliz. Agora é fácil entender Jesus Cristo, por que Ele avisa em primeiro lugar que com Ele chega a nós a paz. Ele quer nos ver felizes e para isso quer, que alcancemos a paz. E Ele garante, que não é qualquer “paz”, mas a paz dele.  Pois não há verdadeira paz  onde ela é  imposta com força. A paz de Jesus é a paz motivada pelo amor fraternal de todos os seres humanos. “Vi então um novo céu e uma nova terra. Pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, descendo do céu, de junto de Deus, vestida como noiva enfeitada para o seu esposo.  Então, ouvi uma voz forte que saía do trono e dizia: “Esta é a morada de Deus-com-os-homens. Ele vai morar junto deles. Eles serão o seu povo, e o próprio Deus-com-eles será seu Deus. Ele enxugará toda lágrima dos seus olhos. A morte não existirá mais, e não haverá mais luto, nem grito, nem dor, porque as coisas anteriores passaram”. (Ap.21.1-4)
No novo mundo vai reinar a paz. Mas podemos alcançar a paz e neste nosso mundo. Vivendo com Jesus Cristo no coração se vive na paz. Vale a pena evitar o pecado grave para não expulsar Jesus Cristo do meu coração e não perder a paz. 
“Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus.” (Mt.5.9)
Jesus nos incentiva a semear a paz. Ele garante o Céu para estas pessoas que semeiam a paz, pois chama estas pessoas “filhos de Deus”.
Meu Bom Jesus, Te imploro, fique comigo sempre, para que eu tenha a paz no meu coração, pois já experimentei a vida sem paz. Viver sem a paz só nos faz chorar. Jesus Cristo, meu Querido Irmão imploro, poupe as minhas lagrimas. Ajude, que eu viva na paz. Amem.  

Pureza interior e exterior

Jesus Cristo usava em seus ensinamentos a linguajem e os termos populares. Ele quis que o povo com facilidade entendesse os seus ensinamentos. Mas os ensinamentos de Jesus eram uma novidade para o povo. E o povo tinha dificuldades para entende-los.  

Uma vez Jesus ensinando a multidão disse:  “Escutai-me, vós todos, e compreendei!  Nada que, de fora, entra na pessoa pode torná-la impura. O que sai da pessoa é que a torna impura.  Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.'  Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe faziam perguntas sobre essa parábola.  Ele lhes disse: “Também vós não entendeis? Não compreendeis que nada que de fora entra na pessoa a torna impura, porque não entra em seu coração, mas em seu estômago, e vai para a fossa?” Assim, ele declarava puro todo alimento.  E acrescentou: “O que sai da pessoa é que a torna impura.  Pois é de dentro, do coração humano, que saem as más intenções: imoralidade sexual, roubos, homicídios, adultérios, ambições desmedidas, perversidades; fraude, devassidão, inveja, calúnia, orgulho e insensatez.  Todas essas coisas saem de dentro, e são elas que tornam alguém impuro.”  (Mc.7.14-23)

Jesus Cristo quer transformar a nossa alma em alma santa. Como fazer isto? Santificar a nossa vida pelos pensamentos puros, pelas palavras carinhosas e comportamentos respeitosos. Temos que tornar a nossa alma na morada de Deus, a morada perfumada pelas boas obras e pensamentos. Os fariseus, mestres em ensinamentos religiosos, não entendiam isso, pois eles se preocupavam com as aparências externas, por dentro eram ruins. Assim Jesus falou deles:  ”Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Limpais o copo e o prato por fora, mas por dentro estais cheios de roubo e cobiça.Fariseu cego! Limpa primeiro o copo por dentro, que também por fora ficará limpo.  Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Sois como sepulcros caiados: por fora parecem belos, mas por dentro estão cheios de ossos de cadáveres e de toda podridão!  Assim também vós: por fora, pareceis justos diante dos outros, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e injustiça.” (Mt.23.25-28)

Será que os fariseus levaram a sério as palavras de Jesus Cristo e se converteram? Nada disso. Ao contrário, se mostraram orgulhosos, se acharam já perfeitos e não gostaram da proposta de Jesus Cristo  de fazer a correção de suas atitudes. E pior, decidiram assassina-lo. “Saindo daí, imediatamente os fariseus, com os herodianos, tomaram a decisão de eliminar Jesus.” (Mc.3.6)

Ó meu Bom Jesus! Me ajude com as suas graças para que eu tenha forte disciplina  e com a eficácia domine os meus pensamentos, para deixar pura a minha alma.  Amém.

Os falsos profetas

“Cuidado com os falsos profetas: eles vêm até vós vestidos de ovelha, mas por dentro são lobos ferozes. Pelos seus frutos os conhecereis. Acaso se colhem uvas de espinheiros, ou figos de urtigas?  Assim, toda árvore boa produz frutos bons, e toda árvore má produz frutos maus.  Uma árvore boa não pode dar frutos maus, nem uma árvore má dar frutos bons. Toda árvore que não dá bons frutos é cortada e lançada ao fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis.” (Mt.7.15-20)

Jesus Cristo nos adverte sobre os falsos profetas. Os verdadeiros profetas que a Sagrada Escritura apresenta são as pessoas chamadas por Deus para que em nome dele ensinassem o caminho da salvação.  Essas pessoas não são equipados por Deus em riquezas materiais, só em poderes divinos. Os falsos profetas, ao contrário, se apresentam como as pessoas ricas. O dízimo é colocado no topo da sua religião e dizem que Deus os abençoou e portanto prosperam bem. São seguidores da teologia da prosperidade. Dizem, que quem seguir a religião deles vai ficar bem de vida. Em outras palavras praticam a religião pois ela está dando lucro material, boa vida. Rezam a Deus com esta restrição, que eles vão parar de praticar a religião, se Senhor lhes não dá prosperidade material. Assim Jesus Cristo adverte as pessoas com esta mentalidade: “ Mas, ai de vós, ricos, porque já tendes vossa consolação!  Ai de vós que agora estais fartos, porque passareis fome! Ai de vós que agora estais rindo, porque ficareis de luto e chorareis!  Ai de vós quando todos falarem bem de vós, pois era assim que seus antepassados tratavam os falsos profetas.”  

São Paulo Apostolo lamenta sobre aqueles que só querem a vida boa neste mundo material. “Se é só para esta vida que pusemos a nossa esperança em Cristo, somos, dentre todos os homens, os mais dignos de compaixão.” (1Cor.15.19)

 Nestas crenças para os mártires não tem lugar, a cruz é desconhecida. A frase dos evangelhos que fala da cruz é ignorada:  “Jesus disse aos discípulos: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar sua vida a perderá; e quem perder sua vida por causa de mim a encontrará.  De fato, que adianta a alguém ganhar o mundo inteiro, se perde a própria vida? Ou que poderá alguém dar em troca da própria vida? “ (Mt.16.24-26)

A religião de Jesus Cristo é religião da salvação eterna e não para enriquecer-se materialmente. Jesus Cristo ensina como  ganhar  a Vida Eterna no Céu. A pessoa tem que enfrentar várias dificuldades e tentações do mal.  Jesus Cristo avisa: “Se alguém quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome sua cruz, cada dia, e siga-me.” (Lc.9.23)

Óh! Bom Jesus, me ajude, para que os falsos profetas não me iludam com a sua prosperidade. Ajude, que eu não tenha medo de carregar a cruz da tua religião custe que custar, pois assim chegarei contigo ao Reino Celeste para viver na alegria contigo, com o Pai Celeste, com o Espírito Santo, com Maria Mãe Santíssima e com todos os anjos e santos. E finalmente encontrarei na grande felicidade com os meus queridos pais, parentes e amigos, e com  todos por quais rezo. Amém.                              

As crianças

“Ide, pois, e ensinai a todas as nações, batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.  Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo.”  (Mt.28.19-20)

Jesus Cristo deu aos Apóstolos a ordem de ensinar para todas as nações   o caminho da salvação.                                                                                                  

E é fato, que todas as pessoas que creem em Deus querem, ganhar o Céu. Mas não é fácil. São Paulo Apóstolo enumera alguns pecados que impedem a salvação e levam as almas para o Inferno. Esta enumeração assusta. “São bem conhecidas as obras da carne: imoralidade sexual, impureza, devassidão, idolatria, feitiçaria, inimizades, contenda, ciúmes, iras, intrigas, discórdias, facções, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Eu vos previno, como aliás já o fiz: os que praticam essas coisas não herdarão o reino de Deus.”  (Gl.5.19-21)

Um meio para receber o perdão dos pecados e ganhar o Céu, Jesus Cristo deixou em amor pelas crianças. Que crianças? Em primeiro lugar em suas próprias crianças. Então o pai e a mãe como devem tratar as suas crianças?  Se Jesus Cristo se identifica com a crianças então devemos tratar as crianças com o amor.  Várias vezes por dia lhes dar abraços e beijos. Várias vezes dizer que você as ama. Reserve um tempo para conversar com elas, para com elas passear, para as ensinar bons costumes, junto com elas rezar, conversar com elas sobre Deus, ler junto com elas os evangelhos. Nunca bata nas crianças. Se a criança se comportou mal, chore, mas não bata. Também ajude as crianças abandonadas.  Lembre-se, que você ajudou uma criança, então você ajudou o próprio Jesus Cristo. Pois Ele falou: “Quem acolhe em meu nome uma destas crianças, a mim acolhe. E quem me acolhe, acolhe, não a mim, mas Àquele que me enviou.”  (Mc.9.37) O bom tratamento das crianças é um favor feito ao próprio Deus. O pagamento divino deste favor é sempre a salvação eterna. É impressionante como Jesus Cristo tem um grande amor pelas crianças.

 Até Ele quer, que nós adultos tenhamos as atitudes das crianças. Pois as boas crianças se caracterizam pela simplicidade, não complicam as coisas, são sinceras, não mentem, não contradizem, tem amor pelos pais, querem agradar em tudo aos pais, querem viver na amizade com todo o mundo. “Deixai as crianças virem a mim e não as impeçais, pois a pessoas assim é que pertence o Reino de Deus. Eu vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança não entrará nele.” (Lc.18.16)

A Sagrada Escritura apresenta uma frase que nos anima: “Sobretudo, cultivai o amor mútuo, com todo o ardor, porque o amor cobre uma multidão de pecados.”  (1Pd.4.8)

Amando as crianças os nossos pecados começam sumir e se abre para nos a porta do Céu.

Se no mundo as pessoas vivessem praticando o amor fraterno, seria um paraíso na terra. Não teria guerras, brigas, assassinatos, roubos, calúnias, mentiras. Todo o mundo seria bem-educado, solidário em dificuldades, ajudando os mais fracos, sendo alegres e simpáticos etc.

O! Bom Jesus, nós amamos as crianças, as ajudamos a se alimentar, vestir e estudar. Como recompensa perdoe os nossos pecados e nos aceite entre os salvos no Céu. Amém.

Raça Humana

Deus criou o homem e a mulher para que eles administrassem a Terra com todos os seus recursos. Criou-os a sua imagem e semelhança pois lhes deu um dos seus atributos mais importantes a INTELIGÊNCIA.  E Deus fez o homem e a mulher respectivamente do sexo masculino e feminino tornando os macho e fêmea. Com que finalidade Deus deu lhes sexo?  Estas finalidades eram bem pensadas. Elas são:

1)que eles gerassem filhos;

2)e manteassem entre si a união para criar os seus filhos.

Para realizar estas finalidades, Deus atribuiu ao sexo um grande prazer. O prazer que o sexo causa, é dado por Deus para compensar a labuta em criar os filhos e manter o casal unido. Ele é um grande presente de Deus. O sexo tem um imenso poder, pois está com grande força atraindo homem á mulher e mulher ao homem.   Portanto, como nos ensina a história do mundo, ele era e é considerado como uma   coisa sagrada. Não pode ser tratado como uma brincadeira. O sexo é permitido para usá-lo dentro do matrimônio. Usá-lo pelos solteiros e pelas solteiras antes do matrimônio ou pelos casados e casadas fora do matrimônio é pecado grave. 

“Deus disse: “Façamos o ser humano à nossa imagem e segundo nossa semelhança, para que domine sobre os peixes do mar, as aves do céu, os animais domésticos, todos os animais selvagens e todos os animais que se movem pelo chão”.  Deus criou o ser humano à sua imagem, à imagem de Deus o criou. Homem e mulher ele os criou.  E Deus os abençoou e lhes disse: “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a! Dominai sobre os peixes do mar, as aves do céu e todos os animais que se movem pelo chão”. (Gn.1.26-28)

A vida sexual une com o seu prazer os casais e dá a vontade criar filhos como o fruto do seu amor conjugal. Por isso são Paulo Apóstolo regula a vida sexual dos casais com clareza para manter a união do casal e evitar os pecados de traições.

“Entretanto, para não cair em imoralidade sexual, tenha cada qual a sua mulher, e cada mulher, o seu marido.  Cumpra o marido o seu dever conjugal para com a esposa, e a esposa, do mesmo modo, para com o marido.  Não é a mulher que dispõe de seu corpo, mas o seu marido. Do mesmo modo, não é o marido que dispõe de seu corpo, mas a sua mulher. Não vos recuseis um ao outro, a não ser de comum acordo e por algum tempo, para vos entregardes à oração. Voltai depois à convivência normal, para que Satanás não vos tente, por vossa falta de domínio próprio.” (1Cor.7.2-5)

Existem muitos abusos sexuais no mundo. E muitas vezes por causa deles o homem e a mulher sofreram e sofrem castigos. Para manter a virtude da castidade tem que treinar a auto dominação e ter a devoção a Virgem Maria.

Ó, Bom Jesus! Tenha piedade de nós homens e mulheres que temos dificuldades para guardar a virtude de castidade e cometemos vários pecados contra castidade, assim dê nos mais graças para resistirmos aos pecados sexuais.  Maria Virgem Santíssima, ajude que sejamos puros e santos como a Senhora.  Amém.

Chamados

Jesus Cristo, o Filho de Deus, que recebendo de Maria o corpo humano se fez o homem, veio a Terra para realizar a redenção da humanidade. “Pois Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele.” (Jo.3.17)

Para realizar esta missão da salvação Jesus Cristo pediu o auxílio dos homens. Os Evangelhos com carinho descrevem este evento. Comparam a salvação das almas com a pesca dos peixes.  “Caminhando à beira do mar da Galiléia, Jesus viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam jogando as redes ao mar, pois eram pescadores. Jesus disse-lhes: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”.  Eles, imediatamente, deixaram as redes e o seguiram. Prosseguindo adiante, viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam no barco, com seu pai Zebedeu, consertando as redes. Ele os chamou.  Deixando imediatamente o barco e o pai, eles o seguiram.” (Mt.4.18-22)

Sem dúvida é um grande privilégio ser um auxiliar de Jesus Cristo para a salvação do mundo. “Naqueles dias, Jesus foi à montanha para orar. Passou a noite toda em oração a Deus.  Ao amanhecer, chamou os discípulos e escolheu doze entre eles, aos quais deu o nome de apóstolos.” (Lc.6.12-13)

Jesus Cristo equipou os Apóstolos para esta batalha pela salvação das almas com os poderes divinos. Os principais poderes são: o batismo, a confissão e a Eucaristia.

 Pelo batismo a pessoa humana se torna o filho ou a filha de Deus e assim tem a salvação eterna garantida.  “Com efeito, vós todos sois filhos de Deus pela fé no Cristo Jesus.  Vós todos que fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo.” (Gl.3.26-27)

O Sacramento da Penitência nos garante a salvação pois nos livra dos pecados que são a causa da condenação para o Inferno.  Jesus Cristo falou para os Apóstolos: “... soprou sobre eles e falou: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, serão perdoados; a quem os retiverdes, lhes serão retidos”. (Jo.20.22-23)

O Sacramento da Eucaristia nos transforma na imagem de Jesus Cristo, pois o nosso corpo humano se mistura com corpo de Jesus e o nosso sangue humano com o sangue de Jesus. Assim nós tornamos outro Cristo e assim o nosso lugar da permanência é junto de Jesus no Céu.  “Jesus disse: “Em verdade, em verdade, vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós.  Quem se alimenta com a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.  Pois minha carne é verdadeira comida e meu sangue é verdadeira bebida. Quem se alimenta com a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim, e eu nele.” (Jo.6.53-56)

E que não falte a Eucaristia Jesus Cristo deu aos Apóstolos na Última Ceia o poder de transformar o pão e o vinho em seu corpo e seu sangue quando deu lhes esta ordem: “Fazei isto em memória de mim.” (Lc.22.19)

Ó, Bom Jesus! Como o Senhor é muito bom, como o Senhor quer muito a nossa salvação. Por isso o Senhor preocupado com a nossa salvação chama dentro de nos homens pecadores ajudantes para serem padres. E os padres equipados em poderes divinos ajudam o Senhor a  salvar  cada vez mais e mais   almas. Por isso o Senhor nos aconselha rezar para que não faltem os padres: “A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi, pois, ao Senhor da colheita que envie trabalhadores para sua colheita!”. (Mt.9.38) Obrigado Senhor! Amém.