Perto de Deus - Padre Vieslau
Mais Amor

“Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos! Se o mundo não nos conhece, é porque não conheceu o Pai. Caríssimos, desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é.”  (1Jo.3.1-2)

 Nós homens e mulheres nos preocupamos muito com a nossa aparência. Gastamos muito dinheiro para comprar roupas bonitas, sapatos bonitos, perfumes bem cheirosos, cosméticos de todos os tipos, gostamos de cabelos bem arrumados, etc. Acontece, que tem pessoas que passam fome pois gastam de modo exagerado o dinheiro para aparecer bonito ou bonita. Queremos que todas as pessoas olhem para nós e admirem a nossa aparência.

Nos Céus quem vai ser mais bonito entre os homens e os anjos, sem dúvida é  o Filho de Deus Nosso Senhor Jesus Cristo. É obvio, que ninguém vai se gabar que é mais bonito e melhor vestido. E são João Apóstolo na sua carta nos avisa, que nos Céus vamos ser muito bonitos pois vamos ser parecidos com Jesus Cristo: “...seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é.”

Os três Apóstolos Pedro, Tiago e João tiveram o privilégio de ver nesta vida um pouco do esplendor celestial de Jesus Cristo. “Seis dias depois, Jesus levou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os fez subir a um lugar retirado, numa alta montanha.  E foi transfigurado diante deles: seu rosto brilhou como o sol e suas roupas ficaram brancas como a luz.”   (Mt.17.1-2) 

A grandeza da beleza e do esplendor que os salvos vão experimentar nos Céus não da para expressar aqui na terra em nenhuma língua e em nenhuma imaginação. “...o que Deus preparou para os que o amam é algo que os olhos jamais viram, nem os ouvidos ouviram, nem coração algum jamais pressentiu”. (1Cor.2.9) Lendo este texto tenho um forte desejo de morrer e ir para os Céus. Este texto me mobiliza a levar uma vida fiel aos ensinamentos de Jesus Cristo, uma zelosa prática de receber os santos sacramentos e rezar sem cessar como aconselha são Paulo Apóstolo. “...Orai sem cessar.” (1Ts.5.9)

O Meu Maravilhoso Amigo, o Meu Amoroso Irmão, o Meu Amado Salvador! Obrigado! e obrigado! e obrigado! pela tua Generosidade comigo. Tu me elevasses nas alturas da Divindade, eu sou Filho de Deus, sou muito importante. Nos Céus todos os anjos vão com grande respeito me cumprimentar pois isso se deve ao filho de Deus, ao Príncipe do Reino de Deus. Amém.  

De novo Amor

Uma vez em um curso chegou a hora dos participantes responderem as perguntas. Eu fiz esta pergunta: “O que você mais pede em suas orações?” As respostas eram variadas. A maioria pedia saúde. Alguns pediram: paz na família, bom emprego, boa amizade, solteiras pediram para ter um bom marido, etc. O que chamou a minha atenção foi a resposta de um rapaz. Ele confessou: “Eu peço o amor na família. Que os pais se amem, que eles amem os seus filhos, que os filhos amem os seus pais, que os filhas se amem mutuamente.” Ouvindo esta resposta aconteceu que todos os participantes pararam respirar, ficaram de boca aberta. Depois de algum tempo de silêncio alguém falou: “Você acertou no número dez.” É verdade, o amor na nossa família é a solução para todos os problemas da nossa vida.  Com esta resposta nos olhos de muitos apareceram as lágrimas. Sim, do amor derivam todas as qualidades da vida neste mundo. Convidei um dos participantes para ler um trecho do texto da primeira carta de são Paulo aos Coríntios: “O amor é paciente, é benfazejo; não é invejoso, não é presunçoso nem se incha de orgulho; não faz nada de vergonhoso, não é interesseiro, não se encoleriza, não leva em conta o mal sofrido; não se alegra com a injustiça, mas fica alegre com a verdade. Ele desculpa tudo, crê tudo, espera tudo, suporta tudo. O amor jamais acabará.”  (1Cor.13.4-8)

 Escutando este texto muitos dos participantes não seguraram as lacrimas. Pois esta é verdade, que o amor é o único remédio que cura a nossa alma de todos os problemas da vida cheia de espinhos deste mundo. Por fim ele nos torna felizes.

Voltando a este texto  o que chama a nossa atenção é a humildade de quem ama. Ele é paciente, não é brabo, não é orgulhoso, não é egoísta; ele quer bem a gente, procura trazer a alegria, ele perdoa todas as ofensas.

Ter um amigo deste tipo é ter o maior tesouro do mundo. E Jesus Cristo é o amigo deste tipo. Ele uma vez falou: “Vinde a mim, todos vós que estais cansados e carregados de fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e sede discípulos meus, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vós.  Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. (Mt.11.16=29)

O tema do amor extremo desvendou Jesus Cristo na Última Ceia, quando declarou que daria a vida pelos seus amigos.

“Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei.  Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida por seus amigos.  Vós sois meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.  Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu Senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai”.  (Jo.15.12-15)

Meu Bom Jesus, peço, que eu seja humilde, que eu não incomode o Senhor com os meus pedidos egoístas, mas dando de mim tudo o que tenho, trabalhe para que o seu Coração triunfe com o amor ardente em todos os corações. Que Maria, a Serva humilde do Senhor nos ajude inflamar o nosso coração com o amor ardente do Sagrado Coração de Jesus Cristo.  Amém.

MEDO DO DEMÔNIO

Uma vez Jesus Cristo disse: “ Se então alguém vos disser: ‘O Cristo está aqui’ ou ‘Ele está ali’, não acrediteis.  De fato, surgirão falsos cristos e falsos profetas, que farão sinais e prodígios capazes de enganar, se possível, até os eleitos. Cuidado, pois! Eu vos preveni de tudo.”  (Mc.13.21-23)

A advertência, que Jesus Cristo fez, assusta. Então aqui na Terra vão nos acompanhar vários enganadores, para nos desviar do caminho das Verdades da Salvação.  Eles, como Jesus Cristo nos adverte, vão fazer até prodígios, isto é, “milagres”. Claro, que o demônio está por detrás destas “maravilhas”. Assim eu tenho medo do demônio. Eu não quero brincar com a minha Salvação. Eu quero ter a certeza de 100% que o caminho que eu sigo é de Jesus Cristo e vai me levar para a Salvação eterna. Eu sei, que Jesus Cristo quer a minha salvação, por isso morreu na cruz. Portanto com a certeza Jesus Cristo nos deixou os meios para conhecer com a facilidade a Igreja dele, que nos leva para a Salvação eterna.

O principal meio para não cair nas armadilhas do demônio e não sermos desviados pelos falsos profetas do caminho da Salvação é a Igreja de Pedro Apóstolo, a Igreja Católica. Jesus Cristo garante que esta Igreja nunca será vencida e assim desviada do caminho da Salvação.  Pois uma vez Jesus Cristo falou: “E vós”, retomou Jesus, “quem dizeis que eu sou?”  Simão Pedro respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”.  Jesus então declarou: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne e sangue quem te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu.  Por isso, eu te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as forças do Inferno não poderão vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”. (Mt.16.15-19)

Esta conversa de Jesus Cristo com são Pedro Apóstolo é muito importante. Jesus Cristo disse, que a Igreja dele, esta organização da salvação eterna, é ligada com Pedro como alicerce com parede, são inseparáveis. Hoje no lugar do Pedro o sucessor dele é o papa. Jesus Cristo assegura que não só um demônio, mas todas as forças do inferno não são capazes de destruir a Igreja dele.  Como o demônio quer destruí-la?  Ele quer introduzir falsidades na Igreja de Pedro, a Católica. Isto não acontecerá, pois, o próprio Jesus Cristo garantiu a invencibilidade desta Igreja. Ela vai durar até o fim dos tempos. Pertencendo e seguindo os ensinamentos da Igreja Católica eu estou 100 % no caminho da Salvação. O demônio não me atingirá. Isto garantiu Jesus Cristo: “...as forças do Inferno não poderão vencê-la”.

O, Meu Bom Jesus, me ajude ser sempre fiel a Igreja Católica e assim o poder do Inferno não me atingirá e sempre estarei no caminho da Salvação. Amém.

FRATERNIDADE

São Paulo Apóstolo incentiva em sua carta aos Gálatas a praticarmos o amor fraterno nos ajudando espiritual e materialmente. “Irmãos, no caso de alguém ser surpreendido numa falta, vós que sois espirituais, corrigi-o, em espírito de mansidão ...  Carregai os fardos uns dos outros; assim cumprireis a lei de Cristo...  Não esmoreçamos na prática do bem, pois no devido tempo colheremos o fruto, se não desanimarmos.  Portanto, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, principalmente aos da família da fé. (Gl.6.1-2;9-10)

Temos um bom exemplo de amor fraterno na pessoa de Maria de Nazaré. Quando o anjo Gabriel foi enviado a Maria , ele avisou Maria, que ela foi escolhida para ser a mãe de Filho de Deus. O anjo disse: “O Espírito Santo descerá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso, aquele que vai nascer será chamado santo, Filho de Deus. (Lc.1.35) Maria entendeu a grandeza da sua vocação de ser Mãe do Filho de Deus. Num hino “Magnificat” expressou a sua gratidão por esse grande presente. Ela disse: “A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, porque ele olhou para a humildade de sua serva. Todas as gerações, de agora em diante,  me chamarão feliz, porque o Poderoso fez para mim coisas grandiosas. O seu nome é santo,” ( Lc.1.47-49).

Maria tinha um bom motivo para se orgulhar. Pois Ela, a Mãe de Filho de Deus, se tornou no Céu e na terra depois de Deus a primeira pessoa em importância. Podia levantar a cabeça e olhar para todos com uma superioridade. Nada disso. Quando o anjo Gabriel a avisou  que a sua prima  Izabel estava gravida sexto mês Ela foi visitá-la. Assim o anjo Gabriel falou para Maria: “Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na sua velhice. Este já é o sexto mês daquela que era chamada estéril,  pois para Deus nada é impossível.” (Lc.1.36-37)  “ Maria ficou três meses com Isabel. Depois, voltou para sua casa.” ( Lc.1.56)

Maria no ato de amor fraterno foi para casa de Isabel e três meses serviu a Isabel como uma empregada. Assim agiu em seu exímio amor fraterno. A sua dignidade da Mãe de Filho de Deus não a impediu de praticar a amor fraterno como uma empregada. Ao contrário, Maria mostrou que em qualquer situação o amor fraterno está em primeiro lugar conforme são Paulo Apóstolo escreveu na carta aos Romanos. 

“Não fiqueis devendo nada a ninguém… a não ser o amor que deveis uns aos outros, pois quem ama o próximo cumpre plenamente a Lei. De fato, os mandamentos: “Não cometerás adultério”, “Não cometerás homicídio”, “Não roubarás”, “Não cobiçarás”, e qualquer outro mandamento, se resumem neste: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.”  (Rom.13.8-10)

Imaginem!  A Mãe do Filho de Deus se fez uma simples empregada. Que grande humildade! Que grande santidade! Por isso Ela é honrada no Céu como primeira pessoa depois de Deus.

O!  Meu Bom Jesus, eu sou devoto de Maria, pois quero imitá-la, para crescer em humildade e santidade como Ela e assim agradar a Ti o meu amado Senhor Jesus. Ajude-me realizar este propósito. Amém. 

A LÍNGUA DOS HOMENS

Uma vez Jesus Cristo disse aos seus discípulos:  “Não julgueis, e não sereis julgados. Pois com o mesmo julgamento com que julgardes os outros sereis julgados; e a mesma medida que usardes para os outros servirá para vós. Por que observas o cisco no olho do teu irmão e não reparas na trave que está no teu próprio olho? (Mt.7.1-3)

Este assunto de uso da nossa língua comenta na sua carta o Apóstolo São Tiago. Ele escreve:

“Todos nós tropeçamos em muitas coisas. Aquele que não peca no uso da língua é um homem perfeito, capaz de refrear também o corpo todo. Se pomos um freio na boca do cavalo para que nos obedeça, conseguimos controlar o seu corpo todo. Reparai também nos navios: por maiores que sejam, e impelidos por ventos impetuosos, são, entretanto, conduzidos por um pequeníssimo leme, na direção que o timoneiro deseja.  Assim também a língua, embora seja um membro pequeno, se gloria de grandes coisas. Comparai o tamanho da chama com o da floresta que ela incendeia!  Ora, também a língua é um fogo! É o universo da malícia! Está entre os nossos membros contaminando o corpo todo e pondo em chamas a roda da vida, sendo ela mesma inflamada pelo inferno! De fato, toda espécie de feras, de aves, de répteis e de animais marinhos pode ser domada e tem sido domada pela espécie humana. Mas a língua, nenhum ser humano consegue domá-la: ela é um mal que não desiste e está cheia de veneno mortífero. Com ela bendizemos o Senhor e Pai, e com ela amaldiçoamos as pessoas, feitas à imagem de Deus.  Da mesma boca saem bênção e maldição! Ora, meus irmãos, não convém que seja assim.  Porventura a fonte faz jorrar, pelo mesmo orifício, água doce e água amarga?  Porventura a figueira, meus irmãos, é capaz de produzir azeitonas, ou a videira, figos? Assim também a fonte salina não pode produzir água doce. (Tg.3.2-12)

São Tiago fez uma explicação comparativa muito convincente. De fato, a língua humana tem uma grande história. Ela é um instrumento maravilhoso da comunicação. Não dá para imaginar a vida sem ela. Ela forma a convivência na comunidade. Ela traz muitos benefícios para as pessoas humanas, por exemplo: consola pessoas triste, desanimadas, caluniadas; transmite as notícias, amizades, experiencias da vida, todos os tipos de conhecimentos, etc., etc.  Mas temos que confessar que ela é também um instrumento terrível, traz em muitas situações  estragos incalculáveis. Ela faz acusações injustas, calúnias, fofocas, xingamentos, mentiras, etc., etc.  Ela é pequena e mole, mas corta como uma faca. Por causa dela surgiram brigas, crimes, suicídios, inimizades, prisões, processos judiciais, etc.,etc.

A lista dos benefícios e prejuízos que causa a língua é muito cumprida. Não é estranho, que são Tiago elogia aquelas pessoas que tem a sabedoria para usar a língua adequadamente.  Isto é, semear o amor fraterno. São Tiago chama estas pessoas “um homem perfeito”. Ele escreveu: “ Aquele que não peca no uso da língua é um homem perfeito, capaz de refrear também o corpo todo”.

Ó, Meu Bom Jesus! Obrigado, pelo dom da língua. Peço humildemente, que eu aprenda para usar a minha língua não para julgar alguém, mas para propagar a todos o teu amor divino e assim me tornar “um homem perfeito”. Amém.

O discípulo autêntico

Uma vez Jesus Cristo disse: "Nem todo aquele que me diz: 'Senhor! Senhor!', entrará no Reino dos Céus, mas só aquele que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus." (Mt.7.21) A exigência de Jesus Cristo é bem clara. A obediência aos ensinamentos que Ele da parte do Pai trouxe é indispensável para sermos seus discípulos. Que nem as bonitas pregações, nem "milagres", nem  propagandas religiosas atraentes sejam suficientes para substituir a obediência a Jesus Cristo. Por isso Ele nos adverte que temos que tomar muito cuidado com os pregadores das novas religiões e com os fundadores de no vas igrejas. Naquele dia, muitos vão me dizer: 'Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos? Não foi em teu nome que expulsamos demônios? E não foi em teu nome que fizemos muitos milagres?'  Então, eu lhes declararei: 'Jamais vos conheci. Afastai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade'. (Mt.7.20-23)

Quem desobedece a Jesus Cristo comete a iniquidade e não pertence aos discípulos dele.

"Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como um homem sensato, que construiu sua casa sobre a rocha.  Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não desabou, porque estava construída sobre a rocha. Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia." (Mt.7.24-26)

Para que ninguém nos engane no seguimento dos ensinamentos de Jesus Cristo, Ele deixou para nós uma instituição da segurança para a salvação que chamou de IGREJA. E Ele prometeu, que a Igreja que Ele fundou e deixou para Pedro administrar, que hoje chamamos de IGREJA CATÓLICA, não vai ser tomada pelo demônio e assim não ensinará erradamente: "...tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as forças do Inferno não poderão vencê-la." (Mt.16.18) A obediência à Igreja Católica nós transforma em autênticos discípulos de Jesus Cristo. Ao seu aluno, Timóteo, são Paulo Apóstolo escreve pedind o que baseie a pregação do Evangelho nos ensinamentos da Igreja e não na opinião particular.  Com uma forte ênfase destaca que a Igreja é coluna e fundamento da verdade. 

"Caso, porém, eu demore, já estarás sabendo como deves proceder na casa de Deus, que é a igreja de Deus vivo, coluna e fundamento da verdade." (!Tm.3.15)

Na carta aos Gálatas com a veemência condena aqueles que modificam o Evangelho de Jesus Cristo.

"Admiro-me de que tão depressa, abandonando aquele que vos chamou na graça de Cristo, tenhais passado a outro evangelho.  Não que haja outro, mas acontece que algumas pessoas vos estão perturbando e querem corromper o evangelho de Cristo. Pois bem, mesmo que nós ou um anjo vindo do céu vos pregasse um evangelho diferente daquele que vos pregamos, seja maldito! "   (Gl.1.6-8) 

O autentico discípulo de Jesus Cristo é totalmente obediente à Igreja Católica e como são Paulo Apóstolo ensina, não concorda com as modificações introduzidas nos ensinamentos dos Evangelhos pelas várias crenças.

Ó, Meu Bom Jesus! Peço que, me dês um coração humilde, para que eu seja obediente aos teus ensinamentos que como católico recebo da tua Igreja. Pois obedecer é uma tarefa muito difícil para nós pessoas humanas. Só com a tua graça podemos cumpri-la. Amém.

Antigo e Novo Testamento

A Bíblia do Antigo Testamento, chamada também a Antiga Aliança, ou a Antiga Lei tinha a finalidade de preparar a humanidade para receber a graça da Salvação, a graça da Redenção. Pois os primeiros homens Adão e Eva, desobedeceram a Lei divina, pecaram e perderam o Céu. Deus em sua misericórdia preparou a Redenção da humanidade inteira. Para representar a humanidade na Redenção, Deus escolheu Abraão, o patriarca do Antigo Testamento. Pois Abraão agradou a Deus pela sua Fé e por isso foi escolhido para que ele e a sua família, chamada depois de o povo judeu ou de Israel, guardasse a promessa da Redenção e se preparasse para receber o Redentor, que na língua daquele povo se traduz “o Messias”. Este Messias, o Redentor, é Jesus Cristo. Com a vinda de Jesus Cristo começou o Novo Testamento. Assim aconteceu uma grande mudança. Pela sua morte na cruz Jesus Cristo diante do Pai nos justificou. De pecadores nós nos tornamos justos.  “Com efeito, como, pela desobediência de um só homem (Adão), a humanidade toda tornou- se pecadora, assim também, pela obediência de um só (Jesus Cristo), todos se tornarão justos!” (Rm.5.19)

Agora vivemos sob Lei do Novo Testamento. Do Antigo Testamento aceitamos aquilo que foi confirmado no Novo Testamento. “Sabendo, porém, que não se é justificado por observar a Lei de Moisés, mas por crer em Jesus Cristo, nós também abraçamos a fé em Jesus Cristo. Assim fomos justificados pela fé em Cristo, e não pela prática da Lei, porque pela prática da Lei ninguém será justificado.”  (Gl.2.16)

Jesus Cristo corrigiu alguns mandamentos do Antigo Testamento. Como um exemplo o mandamento do amor ao próximo. Jesus falou: “Ouvistes que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ (Lv.19.18) Ora, eu vos digo: Amai os vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem!  Assim vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus; pois ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons e faz cair a chuva sobre justos e injustos.  Se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os publicanos não fazem a mesma coisa?  E se saudais somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? Sede, portanto, perfeitos como o vosso Pai Celeste é perfeito.” (Mt.5.43-48)

O Novo Testamento é o Livro mais importante para a nossa salvação. Se a pessoa fosse justificada, isto é, perdoada dos seus pecados pela prática da Lei do Antigo Testamento, então não seria necessária a vinda de Jesus Cristo. Mas ela foi necessária. Pois sem Jesus Cristo não haveria a Salvação: “Em nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu outro nome dado à humanidade pelo qual devamos ser salvos”. (AtAp.4.12)

Nós católicos seguimos os ensinamentos do Novo Testamento.

Queridos católicos e católicas se alguém te diz que na Bíblia tem alguma lei, então procure saber, se esta lei é do Novo Testamento. Pois seguindo o Novo Testamento alcançaremos a Vida Eterna no Céu. O Novo Testamento nos assegura, que Jesus Cristo, o nosso Salvador,  nos resgatou dos pecados e  deixou os recursos, isto é, as graças para a salvação das nossas almas. A fonte das graças da salvação são sobretudo os santos sacramentos e as obras da caridade. Normalmente o cristão católico mais cedo possível é batizado, é crismado, frequentemente se confessa, participa todo o domingo na santa missa comungando, contrai o matrimônio na igreja e na hora da morte recebe a unção dos enfermos.

Ó, Meu Jesus, me ajude a ler o Novo Testamento e entender que quem segue este Livro ganhará o Céu. Amém.

A Igreja é Apostólica

A Igreja é Apostólica porque ensina fielmente aquilo que os Apóstolos aprenderam de Jesus Cristo e deixaram com Ela os seus ensinamentos para as futuras gerações. A Igreja é governada pelos bispos os sucessores legítimos dos Apóstolos.

Assim Jesus Cristo é o Enviado do Pai os Apóstolos são Enviados de Jesus Cristo pois Ele disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou também eu vos envio”. (J.20.21) Por isso desde o início de seu ministério Jesus Cristo chamou para si os que quis, e dentre eles escolheu Doze para  enviá-los a pregar.  “Jesus subiu a montanha e chamou os que ele quis; e foram a ele. Ele constituiu então doze, para que ficassem com ele e para que os enviasse a anunciar a Boa Nova,” (Mc 3,13-14). A partir desse momento eles serem os seus "enviados" (é o que significa a palavra grega "apóstolo"). Neles continua a sua própria missão. (Jo 20,21). O ministério dos Apóstolos é, portanto, a continuação da própria missão de Jesus: "Quem vos recebe a mim recebe", diz ele aos Doze (Mt 10,40). É bem claro, que a Igreja é apostólica porque é fundada sobre os apóstolos:  “Os onze discípulos voltaram à Galiléia, à montanha que Jesus lhes tinha indicado.  Quando o viram, prostraram-se; mas alguns tiveram dúvida.  Jesus se aproximou deles e disse: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra.  Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações, e batizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. (Mt.28.16-20) A Igreja foi e continua sendo construída sobre os ensinamentos dos apóstolos, testemunhas escolhidas e enviadas em missão pelo próprio Cristo: “Portanto, já não sois estrangeiros nem forasteiros, mas concidadãos dos santos e moradores da casa de Deus; edificados sobre o alicerce dos apóstolos e dos profetas, tendo como pedra angular o próprio Cristo Jesus”. (Ef 2,19-20)

A Igreja conserva e transmite, com a ajuda do Espírito Santo os ensinamentos preciosos e salutares palavras ouvidas da boca dos apóstolos; “Toma como norma as palavras salutares que de mim ouviste na fé e no amor do Cristo Jesus. Guarda o precioso bem a ti confiado com a ajuda do Espírito Santo que habita em nós”.   (2Tm.1.13-14)  “Eles eram perseverantes em ouvir o ensinamento dos apóstolos, na comunhão fraterna, na fração do pão e nas orações.” (AtAp.2.42) Ela continua a ser ensinada, santificada e dirigida pelos apóstolos até a volta de Cristo, graças aos que a eles sucedem na missão pastoral: o colégio dos bispos, assistido pelos presbíteros, em união com o sucessor de Pedro, pastor supremo da Igreja.

A Igreja vai continuar até o fim do mundo. A morte não vai termina-la pois os Apóstolos tem os seus sucessores, os bispos, que formam o colégio episcopal junto com o sucessor de são Pedro, o papa, para continuar a salvação do mundo. Assim a Igreja reza em sua liturgia: "Pastor eterno, vós não abandonais o rebanho, mas o guardais constantemente pela proteção dos Apóstolos. E assim a Igreja é conduzida pelos mesmos pastores que pusestes à sua frente como representantes de vosso Filho, Jesus Cristo, Senhor nosso".

“A muralha da cidade tinha doze alicerces, e sobre eles estavam escritos os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro”. (Ap.21.14)

Obrigado, meu Bom Jesus, pela Igreja Apostólica fundada nos teus ensinamentos transmitidos pelas tuas testemunhas, os Apóstolos. Quero viver e morrer nesta Igreja pois assim vou me encontrar nos Céus contigo e com todos os Apóstolos. Amém.

A IGREJA É SANTA

Para São Pedro Apóstolo Jesus Cristo falou palavras que dão um arrepio na cabeça: ”Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”. (Mt.16.19)   São Pedro recebeu o poder divino. Ele, um homem, pode abrir a porta dos Céus, a porta da Salvação. Jesus Cristo passou para ele um poder divino, inimaginável para nós homens. E este poder continua com os bispos e padres.

Que poder é este, que abre a porta do Céu? A graça santificante. Esta graça é ligada sobretudo com os sete santos sacramentos. Administrando estes sacramentos a pessoa recebe as graças que a santificam. O que significa, que ela a santifica? Que ela purifica a alma da sujeira do pecado e a enfeita com os recursos divinos contra o pecado. Com a graça santificante a alma fica mais perto de Jesus e fica mais resistente ao pecado pois Jesus mesmo assegura: “Eu estou com vocês todos os dias até fim do mundo.” (Mt.28.20) Podemos dizer que a Igreja é uma oficina que concerta a alma humana tornando a santa. Por tanto a Igreja em sua totalidade é santa pois dispõe as graças que fazem as pessoas santas.

Por isso dizemos que a Igreja é santa:

1) na sua origem, pois ela é fundada por Jesus Cristo e é declarada o seu Corpo. “Deus pôs tudo debaixo de seus pés e o constituiu acima de tudo, como cabeçada da Igreja, que é o seu Corpo, a plenitude daquele que se plenifica em todas as coisas.”  (Ef.1.22-23) “Ele é a Cabeça do corpo, que é a Igreja.”  Cl.1.18)

2) nas graças que dispõe nos santos sacramentos, especialmente na Eucaristia. “Jesus disse: “Em verdade, em verdade, vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós.  Quem se alimenta com a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.  Pois minha carne é verdadeira comida e meu sangue é verdadeira bebida.  Quem se alimenta com a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim, e eu nele.” (Jo.6.52-56)

3)nos seus ensinamentos, especialmente quando implanta o amor fraterno.   “Se eu falasse as línguas dos homens e as dos anjos, mas não tivesse amor, eu seria como um bronze que soa ou um címbalo que retine.  Se eu tivesse o dom da profecia, se conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se tivesse toda a fé, a ponto de remover montanhas, mas não tivesse amor, eu nada seria.  Se eu gastasse todos os meus bens no sustento dos pobres e até me entregasse como escravo, para me gloriar, mas não tivesse amor, de nada me aproveitaria”. (1Cor.13.1-3)

A Igreja é aberta para todos os pecadores. Acolhe os para santificá-los.

A Igreja já fez muitos santos e santas. Quem ama Jesus Cristo então já entrou no caminho da santidade. Vai aprender amar ao próximo e se tornar santo. Pois o amor fraterno é cerne da santidade.

“Não fiqueis devendo nada a ninguém… a não ser o amor que deveis uns aos outros, pois quem ama o próximo cumpre plenamente a Lei.  De fato, os mandamentos: “Não cometerás adultério”, “Não cometerás homicídio”, “Não roubarás”, “Não cobiçarás”, e qualquer outro mandamento, se resumem neste: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.  O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei. (Rm.13.8-10)

Ó, Meu Bom Jesus! Quero ser santo, então peço, me ajude a fugir das tentações do pecado e sempre pela oração e pelos santos sacramentos ficar agarrado ao Senhor. Amem.

A IGREJA É UNA

São Pedro Apóstolo, depois da descida do Espírito Santo, na sua primeira pregação publica falou de Jesus Cristo, que Ele é o único Salvador da humanidade: ”Em nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu outro nome dado à humanidade pelo qual devamos ser salvos”. (AtAp.4.12) Todas as graças da salvação recebemos de Jesus Cristo. Podemos dizer que Ele é a única fonte da salvação. Sem Ele não existe a Salvação. Mas Ele para distribuir as graças da Salvação, não foi sozinho. Ele chamou muitas pessoas para ajudá-lo de distribuir estas graças. Os seus primeiros ajudantes foram os Apóstolos. Para eles Jesus Cristo falou: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”. (Mc.1.17) Eles vão “pescar” pessoas, isto é, com a ajuda das graças divinas recolhe-las para o Céu.

O pecado é o maior obstáculo da salvação. Mas Jesus Cristo deu aos Apóstolos o poder de perdoar os pecados: “Então, soprou sobre eles e falou: “Recebei o Espírito Santo.  A quem perdoardes os pecados, serão perdoados; a quem os retiverdes, lhes serão retidos”. (Jo.20.22-23) Este poder de perdão continua na Igreja. Esta Igreja, constituída e organizada neste mundo como uma sociedade, subsiste na Igreja Católica governada pelo sucessor de Pedro, o papa, e pelos Bispos em comunhão com ele. Pois a única Igreja de Cristo é aquela que Ele depois de sua Ressurreição, entregou a Pedro para que fosse o seu pastor: “Apascenta as minhas ovelhas.” (Jo.21.15-18)  E na Última Ceia Jesus Cristo pediu ao Pai Celeste a unidade perfeita para a sua Igreja: ”Eu não rogo somente por eles, mas também por aqueles que vão crer em mim pela palavra deles.  Que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim, e eu em ti. Que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste.  Eu lhes dei a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um:  eu neles, e tu em mim, para que sejam perfeitamente unidos, e o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste como amaste a mim.” (Jo.17.20-23) Jesus Cristo quer na sua Igreja seja a perfeita unidade. Quais são estes vínculos da unidade? «Acima de tudo, a caridade, que é o vínculo da perfeição» (Cl 3, 14). Mas a unidade da Igreja peregrina é assegurada também por laços visíveis de comunhão. Jesus Cristo quer a unidade perfeita na sua Igreja, que hoje se chama a Igreja Católica, por isso se diz, que ela é una, quer dizer, que não existe outra. Ela se caracteriza pelos seguintes atributos:

1)Ela professa mesma fé recebida dos Apóstolos;

2)Usa os mesmos sacramentos;

3)Obedece a autoridade religiosa do papa e dos bispos unidos com ele.

Manter a unidade da Igreja é uma ordem dada por Jesus Cristo. Por isso Ele mesmo orou na Última Ceia, e não cessa de orar ao Pai pela unidade de seus discípulos: "... Que todos sejam um. Como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, que eles estejam em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste". (Jo 17,21. Por isso nós os membros da Igreja Católica devemos sempre orar e trabalhar para manter, reforçar e aperfeiçoar a unidade que Cristo quer para ela. A unidade dela influenciará manter a unidade muito desejada na família, na comunidade, no pais, no mundo inteiro.

Ó Meu Bom Jesus! Dê me um coração humilde, que eu seja obediente à tua Igreja e deste modo ajude manter a unidade dela. Amém.