Poucas e Boas - Henrique Romanini
Poucas & Boas

Começar de novo

Mais um ano e com as esperanças renovadas vamos à luta. Penso que 2019 será um ano bom. Pelo menos na minha humilde visão. Acreditar sempre faz sentido,  para quem pretende realizar algumas coisas. Estou nesse grupo, pois acredito que o pessimismo é mau conselheiro e não leva a lugar nenhum. E com o coração batendo forte e focado em um amanhã cada vez melhor, escrevo a primeira coluna do ano.

Sexo dos anjos

O ano novo começa com polêmicas. O azul para meninos e o rosa para meninas, da frase dita pela ministra Damares Alves, em tom de brincadeira, causou um rebuliço danado nas mídias sociais e na grande imprensa, como se ele tivesse proferido um grande palavrão. A ditadura do politicamente correto agregado com a intolerância revanchista de quem perdeu a eleição maximizam o fato de forma negativa e agressiva. Oras bolas, a esquerda inventou o Outubro Rosa e o Novembro Azul e não se viu, até hoje, nenhum burburinho sobre isso.

Azul ou Rosa?

No livro Pink and Blue, a autora Jo B. Paoletti faz uma análise profunda de sociedade, consumo e mercado para examinar as mudanças nas atitudes em relação a cor como uma marca de gênero nas roupas infantis americanas. Segundo a pesquisadora, até os anos 40, o rosa era usado por meninos, por ser “uma cor mais assertiva e forte”, e azul por meninas porque, teoricamente, representava “delicadeza”. Porém, na década de 1980, quando os exames pré-natais começaram a revelar o gênero dos bebês antes do nascimento, os pais podiam, finalmente, decorar o quarto da criança de acordo. Foi nessa época que as lojas de departamento americanas consolidaram a regra do rosa para meninas e azul para meninos.

Não quer

Deixando o Azul e o Rosa de lado, vamos falar de política. O vice-prefeito Valdemir Scarpari é cotado para ser o chefe da 5ª Regional de Saúde, assim como o prefeito Berto Silva, o foi para ser presidente do Consórcio Regional de Saúde. Mas, como Berto Silva, Scarpari também não vai aceitar o convite. O foco do vice é Laranjeiras do Sul e a Saúde do município. Pelo menos por enquanto.

Regionais

Com a posse do governador Ratinho Junior, haverá mudanças nas chefias de núcleos em Laranjeiras do Sul. Almeida deve deixar a SEAB, Deomar a Emater e o Vitélio Dalmolim a Educação. Com exceção da Educação que já tem certo o retorno do Lidio dos Santos. Na área da agricultura, até agora, só especulações.

A cor da tinta

Traiano, que foi o deputado mais votado na região é o homem da caneta. Ele quem decide quem assume o que nas regionais. Porém, quem vai  indicar é o prefeito Berto Silva, amigo de Traiano e do governador Ratinho. Em resumo, a caneta quem tem é o Traiano, mas quem escolhe a cor da tinta é o Berto.