Reflexões de Vida - Elisângela Oliveira
O alvo

“Havia uma senhora turista, já muito experiente em suas andanças e deslumbrada com as coisas magníficas que já havia aprendido em suas viagens, dessa vez a senhora caminhava  por um vilarejo simples, quando se deparou com a parede externa de uma casa, onde se encontrava pintado um belo e colorido alvo que tinha fincado no seu centro, três flechas muito próximas uma da outra, isso chamou a atenção e fez com que a senhora se questionasse; quem seria o tão habilidoso e genial arqueiro fizera tal proeza, de acertar três flechas no alvo? Estando ela ali entretida diante da alvo, percebeu que na porta do casebre havia uma menina, meio encabulada, a observando, e então a senhora perguntou a menina se ela conhecia quem havia lançado as flechas no alvo e para sua surpresa a menina respondeu que fora ela mesmo. Então a senhora se espantou e perguntou, como poderia alguém tão jovem como ela ter tamanha destreza? E continuou seu questionando indagando a menina, como havia feito aquilo, no que a menina de pronto respondeu: “primeiro finquei as flechas e depois pintei o alvo.” A senhora pensou que nem uma vez sequer, em suas muitas viagens havia aprendido tanto quanto com aquela pequena menina.”

Convido a você a refletir nesta estória e fazer uma analogia com a vida. É exatamente assim que na maioria das vezes acontece; raramente se acerta o alvo, mais de uma vez então é quase impossível, somos nós que nos adaptamos ao alvo. Faz – se as escolhas (fincamos as flechas) e então começamos a construir nossos alvos a partir delas.

Porém, é lamentável que ainda existam muitos tentando acertar os alvos, e muitas vezes, alvos que não são deles, ou criados por ele, ou almejados por ele, simplesmente são alvos pré- estabelecidos, ou impostos pela sociedade em que se estão inseridos, vamos a alguns exemplos: ser rico é um alvo de muitos, mas pouquíssimos, o estão construindo diariamente, serem famosos, é outro alvo, e as mídias contribui dando a falsa impressão de que a fama pode ocorrer da noite para o dia, ter sucesso, muitos querem, mas não se lembram que deve ser construído, deve ser fundamentado, pois se não tiver alicerce, passará tão rápido quanto uma chuva de verão, etc.

A geração de hoje é imediatista, quer acertar o alvo, mas treinar não! Quer acertar o alvo, mas construí-lo, não! Quer se chegar ao alvo, mas passar pelo processo, não! Quer fazer suas próprias escolhas, mas admitir erros e arcar com as conseqüências, não!

Portanto, fica a minha sugestão: se queres ser mais feliz consigo mesmo e se aceitar melhor da forma que é, treine muito, como um arqueiro, todos os dias, e não afaste seus olhos do alvo, mas se for preciso, finque suas flechas (faça suas escolhas) e pinte o alvo em volta (vá construindo a partir daí suas metas e objetivos). Construa seu próprio alvo e viva com os olhos nele, mas os pés em solo firme e vivenciando todas as experiências de um dia de cada vez, pois a Bíblia em Mateus 6:34, diz que: “Basta cada dia o seu próprio mal”.

A vida é viver um dia de cada vez

Tem uma música do cantor gospel, Sérgio Lopes, que diz assim: Um dia a gente percebe. Que a vida é uma chama acesa ao vento, à mercê de um destino. E a qualquer momento pode se apagar. Ninguém pode ver seu futuro ou tramar sua vida. Sem correr o risco de uma ''despedida''. E ver seu castelo desmoronar [...] do coração são os planos, caminhos traçados. Castelos de areia, sonhos guardados. Num dia qualquer tudo pode acabar [...]

Fico refletindo se cada um conseguisse pensar nisso todos os dias como uma meditação, quão melhor seriam os dias, vivenciá-los de tal maneira a serem o último, buscar fazer o melhor, curtir, valorizar cada pessoa que está a volta, pois pode ser que não a veja mais, aproveitar o momento porquanto pode ser que não tenha outra oportunidade, agradecer por tudo, pois pode não haver outra chance de fazê-lo, manter um coração alegre e grato, porque não há tempo para cultivar tristeza e amargura.

Mas as questões são: Por que não vivemos assim? De fato, quem é que sabe se hoje é ou não, o ultimo dia?  E se for... como você gostaria de ter vivido esse dia?

Tem uma passagem bíblica em Lucas 12, a partir do versículo 16 - 20, onde Jesus conta uma parábola sobre um certo homem rico, que teve uma colheita abundante e se gabava dizendo que derrubaria seus atuais celeiros e construiria celeiros ainda maiores para guardar tudo e dizia: Homem feliz! Você tem tudo de bom que precisa para muitos anos. Agora descanse, coma, beba e alegre-se, porém Deus disse: Seu tolo! Esta noite você vai morrer; aí quem ficará com tudo o que você guardou?

Há pessoas que guardam roupas novas, sapatos, bolsas, lençóis, louças, tapetes, tudo esperando por uma oportunidade de usá-las, a oportunidade é essa, o momento certo é esse que temos agora, pois o amanhã, não sabemos se virá. Tudo que temos é o presente!

A vida é só uma chama frágil e vulnerável, e o vento das circunstâncias não para de soprar, não há tempo a perder esperando para viver um lindo momento, a vida é para ser vivida de forma intensa hoje, o momento lindo pode ser construído agora.

Ame mais, e sinta menos raiva, alegre-se mais e se amargure menos, fale mais sobre seus sentimentos, sem medo das interpretações, dance com música ou sem música, sem receio do que pensarão, viaje mais, para perto ou longe não importa, pode ser que a grande viagem dos sonhos, não venha a acontecer, preencha suas expectativas com pequenas e surpreendentes, coma o que tem vontade, curiosidade ou o que gosta, o prazer está no momento de pôde degustar, abrace mais, curta-se mais do jeito que é, sem se deixar monitorar por padrões e estereótipos, valorize as pessoas a sua volta, ria mais e dê espaço para as lágrimas de alegria, ou aquelas que vem com as gargalhadas. Como é bom chorar de tanto rir!

A vida dos sonhos é construída hoje, e não depende de algo externo, a vida dos seus sonhos está dentro de você, é o seu sonho, e só você pode fazer as escolhas certas para construí-la hoje, aqui e agora.

O trabalho – duas faces da mesma moeda

O único feriado do mês de maio foi o do dia primeiro – Dia do Trabalhador, como comemorar esta data num país que tem hoje 13,1 milhões de pessoas desempregadas? (segundo dados do IBGE, publicado no Estadão em 29/03/19) e o paradoxo é que não é por que, não há o que fazer, há muito o que fazer nesse país, como: estradas, pontes, ferrovias, escolas, hospitais e não somente na infraestrutura do país, mas empresas que precisam ampliar seus quadros de funcionários e não conseguem (devido aos altos custos da contratação) e por consequência mais pessoas sobrecarregadas, estressadas, aumentando ainda mais as estatísticas da depressão, da ansiedade e do esgotamento físico, por outro lado, essas estatísticas também são engrossadas pelos desempregados.    Em resumo, o que vale refletir é que: Existem trabalhos a serem feitos e existem trabalhadores sem trabalho. Existem pessoas deprimidas e estressadas por trabalharem demais e pessoas vivenciando o mesmo quadro, por não terem trabalho. (caberia aqui aquele emoji pensando).

Para os que acreditam na Bíblia como sendo o manual de fé, regras e condutas, veremos o que ela diz a respeito do trabalho. No primeiro livro da Bíblia – Genesis – vemos Deus trabalhando na criação, ainda no primeiro capítulo Deus cria o homem e então incube o mesmo de continuar trabalhando, nominando cada animal e dominando sobre toda a criação, (Gn. 2. 19-20) e logo depois cria a mulher para ser ‘auxiliadora’ do homem, só se auxilia quem faz alguma coisa, certo? Portanto, a mulher deveria ajudar o homem no seu trabalho. Diferente do restante da criação os seres humanos deveriam ser os criadores de suas histórias, construir suas cidades e ter uma profissão (pastores de ovelhas, caçadores, trabalhadores com madeiras e ferros, agricultores etc.). 

Alguns entendem o trabalho como um castigo de Deus ao homem, depois do pecado, devido ao que diz nos versos 17 a 19 do capitulo 3 de Gênesis, mas entendo que após a queda do homem, o trabalho que já existia, passa a ser fatigante e pesado, esse foi o castigo, e não o trabalho em si, que por causa do pecado passou a ser manchado pelo mal, como tudo na criação, ou seja, deixou de ser benção e alegria, passando a ser usado como instrumento de exploração e opressão e até mesmo objeto de idolatria.

De tal maneira conclui-se que o trabalho não é castigo quando em provérbios encontramos várias passagens falando do triste fim de um preguiçoso, por exemplo, em provérbios 15-19 O preguiçoso encontra dificuldades por toda parte, mas para a pessoa correta a vida não é tão difícil. Ou no capítulo 26, no verso 14 O preguiçoso vira de um lado para outro na cama. Ele é como uma porta que gira nas dobradiças, mas, de fato, não sai do lugar. E também alerta quanto difícil é trabalhar, ou conviver com um preguiçoso, Nunca mande um preguiçoso fazer alguma coisa; ele será tão irritante como vinagre nos dentes ou fumaça nos olhos., no capítulo 10 de provérbios, verso 26. Assim entendemos que a preguiça é um mal, e o antidoto dela é o trabalho. 

O próprio Jesus trabalhou como carpinteiro, o maior pregador de todos os tempos, Paulo de Tarso, era um fazedor de tendas, todos os discípulos de Jesus tinham um trabalho.

E o sábio rei Salomão ainda em Eclesiastes 2.24, disse: Nada há melhor para o homem do que comer, beber e fazer que a sua alma goze o bem do seu trabalho.

Que Deus em sua infinita bondade possa conceder a todos os brasileiros capazes, a condição de usufruírem do seu trabalho, bem como conceder sabedoria aos que estão empregados, para equilibrar essa benção, que é o trabalho, com todo o restante de sua vida. Somente assim, haverá mitigação do paradoxo descrito no início desse texto, e todos poderão comemorar o dia do trabalhador sem fadigação, por terem trabalho, ou frustração, por não terem trabalho. 

O tempo não para

Conta-se que um velho sábio, já prestes a morrer chamou seu discípulo e lhe entregou um livro e lhe orientou, dizendo: ‘- quando as coisas ficarem muito difíceis, uma situação que você acredite não ter saída, pegue o livro e leia a primeira página. Porém, quando as coisas estiverem muito boas, momentos em que a felicidade é constante e que você gostaria de eternizar, pegue o mesmo livro, e leia a segunda página.’ O discípulo pegou o livro com carinho e o guardou. O tempo passou, e um dia diante de uma situação em que o discípulo estava acreditando que somente a morte poderia ser a solução, lembrou-se do livro, o pegou e abriu na primeira página e tudo o que estava escrito na folha branca era ‘TUDO PASSA’. Passado um tempo, as coisas estavam muito boas para o discípulo, ele estava feliz, confiante e com certeza queria eternizar aquela fase da sua vida, então lembrou-se do livro e pegando, o abriu na segunda e última página, e tudo o que estava escrito era ‘TUDO PASSA’.

O livro de Eclesiastes na Bíblia é aceito como escrito pelo sábio rei Salomão já em sua velhice, em seu capítulo 3 dos versos 1 ao 8, o rei Salomão fala sobre a passagem do tempo, e que por mais interminável que ele possa parecer (principalmente quando a situação é difícil), ou mais efêmero (quando a situação é agradável), ele passa.

 

Para tudo há uma ocasião certa; há um tempo certo para cada propósito debaixo do céu:

Tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou,

Tempo de matar e tempo de curar, tempo de derrubar e tempo de construir. Tempo de chorar e tempo de rir, tempo de prantear e tempo de dançar. Tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las. Tempo de abraçar e tempo de se conter. Tempo de procurar e tempo de desistir. Tempo de guardar e tempo de jogar fora. Tempo de rasgar e tempo de costurar, Tempo de calar e tempo de falar, Tempo de amar e tempo de odiar, Tempo de lutar e tempo de viver em paz.

 

Sabe-se que o tempo é necessário para que as coisas aconteçam, e há um tempo determinado para cada coisa. Porém, atualmente parece que a humanidade vive com necessidade de mais tempo e nessa busca desenfreada, encurta tempo que não deveria ser encurtado, (como o de uma gestação, ou o de estar com a família, ou mesmo o tempo de sono, de lazer). E tenta alongar outros tempos, como o de trabalhar mais, para ganhar mais, prolonga-se o tempo de uso da internet ou mesmo da TV, adia-se ao máximo as visitas aos amigos e familiares.

Todos têm a convicção de que o tempo passa, porém, é necessário ter consciência da importância de cada tempo, e dar a ele o devido valor, pois o tempo dedicado a cada acontecimento na vida pode ser uma benção ou uma tragédia, só o próprio tempo vai dizer.

Mulher real

Na Bíblia, mais precisamente no livro de Provérbios que foi escrito pelo rei Salomão , o mais sábio de todos os reis, filho do rei Davi, no capítulo 31 desse livro, a mãe de um rei chamado Lemuel lhe dá conselhos de como ser um rei justo e integro, e dentre os conselhos há 20 versículos  (10 a 30) onde é descrita a esposa ideal, a descrição pormenorizada do que seria uma mulher virtuosa, mas não é muito otimista e por isso inicia dizendo que não é fácil de se encontrar e que possui um valor maior que pedras preciosas.

Segundo o dicionário português on line a palavra virtuosa significa (boas características morais); honrado, honesto.  Que expressa boa conduta; em conformidade com o correto. Cheio de ânimo de boa vontade; esforçado.  Que alcança o propósito esperado; eficaz.  Que é excelente, bonito;

A mulher descrita em Provérbios 31.10-30, trata-se de um mulher cautelosa na administração e por isso nunca deixará a família pobre, uma mulher que sempre faz o bem, está sempre ocupada com seus próprios afazeres, que faz bons negócios visando o bem da família, uma mulher que possui cuidado e dedicação a sua família e que se aplica nisso desde das primeiras horas do dia até tarde da noite. [é esforçada, forte e trabalhadora], valoriza tudo o que é e o que possui, é caridosa com os necessitados e prevenida nas provisões de seus filhos, [é forte, respeitada, e não tem medo do futuro], além disso é sábia e delicada, não possui preguiça e não se cansa de cuidar da sua família, é amada, honrada e respeitada, recebe elogios do marido [muitas mulheres são boas, mas você é a melhor de todas].

Essa mulher virtuosa pode ser a descrição de várias mulheres honradas que luta diariamente e enfrenta qualquer situação por suas famílias. Hoje muitas mulheres são as únicas responsáveis pelo sustento de filhos, o que as levam a praticar duplas, triplas jornadas de trabalhos, uma vez que ao retornar para casa o trabalho continua, agora no cuidado prestado aos seus.

Porém, infelizmente nos deparamos com inúmeras homenagens não só no dia internacional da mulher, mas durante todo ano, à mulheres que não representam a maioria, mulheres que priorizam a beleza externa, mulheres preocupadas com o que têm (aparência e bens materiais) não o que são, mulheres que são definidas por um modismo, um estereótipo, mulheres que se deixam coisificar.

Há uma enorme inversão de valores nessa valorização feminina, também não representa a maioria das mulheres, essas que se expõem ao extremo, para mostrar que são donas de si mesmas, a mulher tem consciência de quem é, e do seu potencial e precisa se valorizar por isso, mas não entendo como necessário arrancar a roupa, afinal todos sabem como é o corpo da mulher, não é preciso expô-lo para mostrar que é meu, e faço dele o que quero. Não entendo como isso valoriza a mulher! E não vejo que representa a maioria das mulheres brasileiras.

A mulher tem sido cada vez mais visível e mais valorizada na sociedade, e lamentavelmente acredito que esse seja um dos motivos pelo qual a violência contra ela tem aumentado, pois o homem agride tudo aquilo que o ameaça. Contudo, a mulher não deve retroceder em suas conquistas, e sim, buscar essa virtuosidade, não por que temos que agradar, mas porque isso nos faz bem, ser virtuosa nos identifica. 

O antídoto do menosprezo é a serenidade

Quem já não ouviu frases do tipo: eu não queria mesmo, ou isto nem parece ser tão bom assim, ou ainda, vai ser um problema depois, tudo no intuito de desvalorizar, desmerecer aquilo que não conseguiu conquistar.

Alguns classificam como inveja, que nada mais é que, o menosprezo pela vitória do outro e a falta de reconhecimento de sua própria falha ou fracasso.

No mundo de competições acirradas em todas as áreas da vida, isso tem sido cada vez mais comum, pessoas despeitadas que não se intimidam em manifestar seu menosprezo por aquilo que momentos antes almejava.

É como o conto da raposa e o cacho de uvas onde a pobre raposa ao se deparar com o suculento cacho de uvas, sentiu um desejo imenso de consumi-lo, porém estava alto e fora do seu alcance, saltou algumas vezes tentando agarrá-lo, mas não conseguiu, e depois de algumas tentativas acabou desistindo, mas não sem antes, olhar para o cacho de uvas com desdém e dizer provavelmente devem estar azedas e secas mesmo.  

Há pessoas que agem exatamente assim, com desprezo em relação aquilo que não podem ou não conseguiram ter. Essas pessoas dificilmente se alegram com a vitória alheia, raramente torcem pelos objetivos do outro, ou vibram com as conquistas de alguém.

Esse tipo de pessoa teve o seu caráter moldado de acordo com o mundo competitivo de hoje. Onde a premissa de se chegar ao topo a qualquer preço é o que vale. Geralmente essas pessoas não valorizam pessoas, valorizam posições, negócios e status. No mercado de trabalho são as que tornam o mercado esse ringue, onde o mandamento é ter ‘sangue nos olhos’, curiosa, procurei o significado dessa linguagem comum no mundo capitalista e no dicionário informal on line encontrei a seguinte informação: gana, força, coragem.

Essa máxima sangue nos olhos, me remete a algo violento e não a coragem, gana ou força, pois se estou disputando algo, tenho sim que ter coragem para enfrentar os desafios, gana e força para não desistir de meus objetivos, mas não nutrir uma vontade de massacrar meu adversário, para vencer não precisa humilhar o outro, ou pior,  denegrir sua imagem ou difamá-lo.

Se no seu ambiente de trabalho há pessoas com essa triste característica, lembre-se que não se paga o mal com o mal, e o melhor a fazer é manter uma distância segura para não se contaminar, ou se deixar levar a uma reação que pode se equiparar com a atitude dela.   

Nesse mundo do trabalho é preciso ter serenidade para aceitar que, não posso ter tudo o que quero, e talvez nem mereça tudo o que quero, mas preciso sim, ter sabedoria para valorizar o que tenho, manter meus objetivos e metas, e não permitir que situações, pessoas ou oportunidades distorçam o meu caráter.

PARA QUE SERVEM OS PROBLEMAS?

Algumas pessoas tinham o hábito de visitar um homem sábio reclamando sempre dos mesmos problemas. Um dia, ele decidiu lhes contar uma piada e todos caíram em gargalhadas.

Depois de alguns minutos, ele lhes contou a mesma piada e apenas alguns deles sorriram.

Então, ele falou a mesma piada pela terceira vez, mas ninguém riu ou sorriu mais.

O homem sábio sorriu e disse: "Você não pode rir da mesma piada repetidamente. Então, por que você está sempre chorando por causa do mesmo problema?"

 

Essa estória me levou a refletir a preocupação que se insiste em manter pelos mais variados motivos. Por vezes, passa-se dias, semanas, meses e até anos preocupando se com algo, que aconteceu ou que poderá acontecer.

Pessoas que se deixam levar por uma preocupação dessa, acabam desperdiçando sua energia nisso, e essa energia provavelmente fará falta em outras áreas da vida. 

A preocupação saudável, podemos assim dizer, é aquela que te impulsiona a uma ação, seja uma mudança, uma tomada de decisão, ou a tentativa de fazer melhor e diferente. Ela gera expectativas, mas não traz sofrimento, não suga as forças do corpo e da alma, ela é passageira e dá origem a mudança.

Há pessoas que por anos sofrem pelo mesmo motivo, no fundo fazem disso, uma muleta, pois na verdade têm medo da mudança, medo de inovar, e ficam presos ao problema algumas vezes para se vitimizar aos outros.

Há pessoas que todas as vezes que encontramos está sempre preocupada com algo, não consegue contar nada de favorável na sua vida, pois a preocupação com isso, ou com aquilo, tem sempre um peso maior, a pessoa revela que se mantém ocupada somente com as preocupações que têm, sem que haja nenhuma ação a respeito.

Os problemas vêm, as preocupações vêm, as aflições vêm, mas nenhum deles podem ser definitivos na vida, não podem tirar o brilho ou a força da nossa capacidade de mudar a situação. Quando se absorve o aprendizado com um problema, ao acontecer novamente, já não deve causar o mesmo impacto e o mesmo desgaste vivido anteriormente, pois a cada problema vivenciado, temos que nos tornar mais fortes. 

O ENDEREÇO DA FELICIDADE

A rotina que o capitalismo imputou na sociedade atual tem levado todos a uma correria frenética por algo, que independente de ser uma conquista pessoal, material ou profissional, se resume na busca pela felicidade.

Todos querem ser felizes e procuram essa felicidade das mais variadas maneiras e nos mais impensáveis lugares. Porém, há pessoas que passam a vida correndo atrás da tal e sonhada felicidade e não percebem e muito menos valorizam as pequenas alegrias do dia a dia, como diz a música Pequenas Alegrias da cantora Marcela Taís:

Rir até doer a barriga, pão quentinho da padaria;

 Receber carta pelo correio, ouvir o alarme do recreio;

Andar descalço na areia, barraca, lua, uma fogueira;

Lamber colher do bolo, encontrar moeda no bolso;

Correr na rua, banho de chuva, Sorvete no verão, brincadeira de irmão

Mas, se a gente juntasse as pequenas alegrias

Seriamos felizes todos os dias

É assustador pensar que há dezenas de motivos diários para ser feliz, mas não se é, por que não se enxerga as pequenas alegrias. Na Bíblia o grande sábio Salomão, no capítulo 2 de Eclesiastes, chegou a essa triste conclusão em sua velhice, que tudo o que fez, em busca da felicidade foi como correr atrás do vento.

A reflexão de hoje é essa, valorize mais o que se tem, e não o que se quer, não deixe as expectativas de um futuro, tirar a alegria do presente, corra menos na sua busca e valorize a caminhada mais lenta, porém mais reflexiva, onde poderá ter a oportunidade de observar melhor o mundo a sua volta, ou os grandes espetáculos que a natureza nos proporciona incansavelmente todos os dias, como o amanhecer, o entardecer ou o brilho da lua.

Valorize as pessoas hoje, não pelo que fizeram ou pelo que farão, não espere para uma hora que der visitar os amigos, vá logo, um dedo de prosa com um amigo, alimenta o nosso espírito, não deixe para levar flores ao ente morto, presenteie agora com uma flor, uma planta, não aguarde por um dia quando estiver menos ocupado fazer um trabalho voluntário, faça o agora, se voluntarie, nem que seja por uma hora durante a semana, e verá a  diferença que isso fará na sua alma.

A felicidade está naquilo que você quiser que ela esteja, se ela estiver dentro de você!

RELACIONAMENTOS – ENOBRECEM A VIDA

Esse momento das eleições brasileiras está sendo um tempo em que quase tudo que se fala remete a um ou a outro candidato, e a partir disso, você passa a ser classificado de direita ou esquerda, de ‘cego’, ou intolerante, de louco ou ainda de possuir um intelecto duvidoso, como estão fazendo agora com o povo nordestino. Concordo que estamos vivendo a eleição mais delicada do país, mas o questionamento é: Será que é preciso tantos ataques físicos e verbais?

A discordância no mundo das ideias é valida e precisa ser consentida, pois só assim, movida por respeito é que a discussão se torna válida, sadia e acrescenta aprendizado. Do contrário é uma anomalia do comportamento humano, que o leva da categoria de racional para irracional, e então as consequências são essas que todos temos atônitos assistido.

Temos presenciado, amigos se afastarem, familiares se evitarem, colegas de trabalho se interpelarem, ou pessoas que nem se conhecem, mas que numa fila, numa praça, no mercado ou na padaria, se envolvem em bate papos acalorados pela discussão política. As pessoas estão muito interessadas em expor suas ideias e convicções, mas pouco (bem pouco), interessadas em ouvir e entender a opinião do outro. E, portanto, se ofendem, se magoam e lamentavelmente se agridem fisicamente. Mas a reflexão é: E depois da eleição, como ficam os relacionamentos feridos pelas rusgas da política?

Isso me faz recordar a minha professora da segunda série (antigo primário), um aluno ofendeu o colega e quando a professora o repreendeu, ele também a ofendeu, (nada comparado com as ofensas de hoje), foi um ‘simples’, me deixe em paz a senhora também, mas quando ela ouviu isso, perguntou: O que disse? Repete! e o pegou pelo braço, ele prontamente se levantou achando que seria levado para a sala da direção, só que após repetir como a professora havia ordenado, ela o fez sentar novamente, e todos nós olhávamos, atônitos e estarrecidos com o que seriam os próximos acontecimentos. Então ela virou a página do caderno dele e ordenou: nessa folha você escreverá cinquenta vezes a palavra ‘desculpa’, que são para o seu colega e nessa outra, mais cinquenta vezes que são para mim, e finalizou dizendo: comece agora, e não terá recreio. As horas foram passando e o colega escrevendo cem vezes ‘desculpas’, já próximo da hora de irmos para casa, ele finalmente terminou e então a professora disse: agora quero que apague e deixe as folhas branquinhas novamente. E ele começou a apagar, depois de um tempinho, levantou a mão para falar, a professora permitiu, e o colega, choroso disse: uma folha ficou muito amassada e a outra acabou rasgando, o que eu faço agora? Então ela disse com a voz carinhosa que já conhecíamos bem, é isso que quero que você e todos vocês entendam, depois que você magoa ou ofende uma pessoa, e machuca o seu coração, nem sempre é o simples fato de pedir desculpas que vai voltar a deixar o coração sem marcas, é necessário pedir desculpas, mas pense antes no mal que está fazendo no coração da outra pessoa. Nunca me esqueci disso e já se passaram 38 anos, mas são grandes lições, ensinadas de maneira simples, por esses inesquecíveis mestres, que marcam a vida da gente.

Portanto o meu convite é que reflitamos antes de falar, pois a eleição vai passar, o campeonato de futebol vai passar, mas as marcas causadas por suas palavras, talvez não sejam apagadas com um pedido de desculpas. E o que de fato enobrece nossa vida são os relacionamentos que permanecem.

A MELHOR FORMA DE VIVER É VIVENDO

Lili abriu os olhos, e assim, triste como havia adormecido, despertou. Olhou para o quarto ainda meio escuro resistindo aos raios solares que insistiam em ultrapassar as pesadas cortinas, virou-se para o outro lado se aconchegou novamente aos cobertores e disse para si mesma vou continuar dormindo, porém alguns pensamentos começaram a permear sua mente, ao se acomodar na deliciosa cama, pensou de como seria terrível dormir sobre um papelão, ao envolver-se em seu cobertor limpo e quentinho, pensou o quanto deveria ser angustiante cobrir-se com jornal, querendo resistir a esses pensamentos, abriu os olhos e olhou para o teto, e o pensamento que lhe sobreveio foi, o quanto assustador deveria ser, dormir sobre a proteção de uma marquise. Tentou lutar contra esses pensamentos simplesmente dizendo para si mesma que, mesmo as pessoas que passavam por esses infortúnios, ainda deveriam de alguma forma, serem mais felizes que ela e que, portanto, não tinha motivo nenhum para sair daquele quarto naquele dia.

O que se percebe nesse pequeno trecho dessa estória é que Lili, não permitiu que a gratidão prevalecesse sobre sua tristeza. Muitas pessoas estão fazendo o mesmo consigo.

Não conseguem ver alegria nas pequenas coisas, não encontram prazer nas coisas do cotidiano, não valorizam o que tem e muitas vezes só conseguem focar naquilo que não tem, não veem mais graça em nada, e tudo parece sem cor e sem sentido. Isso pode ser um sinal de que, esta pessoa está deprimida.

A depressão é como grades imaginárias, que retém a pessoa dentro de uma situação, na qual ela não vê saída, outras muitas vezes, nem as entende como sendo um problema, simplesmente dizem não tem nada de errado em querer ficar assim, outras ainda, têm noção exata do que está acontecendo, até sabe que não é normal, mas não tem forças, para mudar a situação, não sabe o que fazer, nem com quem falar, não sabe explicar o que está sentindo.

Se você está como Lili, não enxergando nenhum motivo para agradecer, se alegrar ou valorizar a vida, a sua melhor saída é falar, procure alguém em que confie, não busque palavras que façam sentido, não tente manter uma conversa madura ou racional, simplesmente diga: Eu preciso de ajuda, não sei o que está de errado comigo, só sei que não estou bem.

Se você foi procurado por uma pessoa que faz uma declaração como essa, ou você percebe que ela não está bem, se aproxime, mostre que se preocupa com ela, se disponha a ouvi-la, e lembre-se não a julgue, essa pessoa precisa de um amigo e não de um juiz.

Podemos sim fazer algo! E não pense que são grandes atitudes que podem mudar o curso de uma vida, mas pequenos gestos que demonstrem compaixão podem trazer a pessoa, o vigor necessário para enfrentar a situação.

Não basta dizer NÃO ao Suicídio, é preciso dizer SIM a Vida que floresce todos os dias, apesar de trazer consigo espinhos.