Você Sabia? - Luana Terebinto
Saude bucal do Bebê

 

A cárie é o maior problema dentário em bebês e pré-escolares, mas pode ser 100% evitada!

Todas as crianças podem crescer com um sorriso saudável se os pais cultivarem bons hábitos de higiene bucal desde o nascimento. Cuidar bem dos dentinhos do bebê é essencial, pois a cárie pode atacá-los tão logo comecem a nascer! Os dentes de leite guardam o lugar dos permanentes. Se acontece de alguns serem perdidos antes da época, aqueles que permanecem na boca se movem e não deixam espaço adequado para a dentição permanente. Mais importante: cáries podem ser bem dolorosas e levar a infecções graves. Algumas recomendações para uma dentição saudável: faixas etárias de Recém nascido e 1° ano.

Cuidados pré-natal

É muito importante que os pais tenham hábitos saudáveis em relação aos seus próprios

dentes, pois assim os transmitirão aos filhos mais facilmente. Devem escovar os dentes pelo menos duas vezes por dia com um bom dentifrício fluoretado (concentração de flúor entre 1.100 e 1.500 ppm) e utilizar o fio dental. Na dieta, evitar ao máximo o consumo de açúcar, incluindo o açúcar dos sucos de frutas. Para matar a sede, dar preferência à água, principalmente entre as refeições. Além disso, visitar o dentista regularmente.

Nascimento até dois anos de idade

A prática de bons hábitos de cuidados dentários começa antes de nascer o primeiro

dentinho. A gengiva do lactente deve ser limpa delicadamente com uma escova de cerdas macias ou com uma gaze depois de cada mamada.

Discutir com o pediatra se o bebê está sendo exposto à quantidade adequada de flúor, um dos mais potentes agentes anticárie. Desde 1975, a fluoretação das águas de abastecimento comunitário é obrigatória no Brasil, o que é uma grande medida de saúde pública para a redução da cárie, mas isso só ocorre onde existe estação de tratamento de água. Por outro lado, é bom lembrar que a grande ação anticárie do flúor se dá na cavidade bucal. Levando se em conta a grande variedade de métodos de utilização local do flúor, com especial destaque para os dentifrícios fluoretados, a tendência dos especialistas é considerar irrelevante a suplementação oral de flúor. A partir da erupção do primeiro dente, todo bebê deve receber escovação, duas vezes por dia, com dentifrício fluoretado. Embora alguns especialistas recomendem usar um creme dental sem flúor até os dois anos de idade, pelo temor da fluorose, o mesmo dentifrício dos adultos (com concentração de flúor entre 1.100 e 1.500 ppm) é seguro, desde que seja colocada uma quantidade bem pequena na escova. Recomenda-se que bebês menores de dois anos utilizem no máximo 0,15 g de dentifrício (0,2 mg de flúor), o que corresponde a uma lambuzadela sobre as cerdas da escova.

Hábitos alimentares são importantes! Jamais compartilhar a comida com o bebê, nem soprar a sua comida ou lamber seus talheres (assim como a sua chupeta!). Se o bebê for para acama com uma mamadeira, ela deve conter somente água; mamadeiras ou canequinhas de bico também só devem conter água, quando forem usadas entre as refeições. Não dar ao bebê líquidos adoçados, como refrigerantes ou chás; evitar a ingestão de sucos de frutas entre as refeições e limitar mesmo os sucos não adoçados a um máximo de 150 ml por dia.

Evitar também doces e balas, principalmente entre as refeições.

Todo lactente deve ser encaminhado ao dentista no primeiro aniversário. Caso tenha risco de cárie, provocado por maus hábitos familiares, ingestão inadequada de açúcar ou sinais clínicos sugestivos de doença-cárie, o bebê deve ver o dentista antes de completar um ano.

Fale a respeito com o pediatra. Aproveite para conversar sobre os hábitos de sucção do

bebê. A sucção muito forte da chupeta ou mesmo de um dos dedos pode deformar a

mordida.

Qual a importância dos dentes de leite?

Não há nada mais gratificante do que ver um lindo sorriso no rostinho de nossos filhos. E para que isto seja proporcionado, é fundamental que pais e responsáveis saibam da importância dos dentes de leite, também chamados dentes decíduos, no desenvolvimento da criança. Por serem temporários, esta importância pode ser negligenciada, o que pode causar grandes prejuízos à saúde.

As principais funções dos dentes de leite são:

a) mastigar dos alimentos, etapa importante para facilitar a digestão;

b) auxiliar no crescimento e desenvolvimento adequado dos ossos e músculos da face; c) ajudar na pronúncia correta das palavras;

d) contribuir para a melhor aparência da criança, permitindo um belo sorriso, o que poderá influenciar sua auto-estima;

e) guardar o espaço para os dentes permanentes que irão substituí-los no futuro, direcionando-os para que nasçam em posição adequada.

Por isso, é imprescindível que os cuidados com a dentição sejam iniciados o mais precocemente, ou seja, a partir do irrompimento do primeiro dente, o que ocorre entre os 6 e os 8 meses de idade.

Aos três anos de idade, a criança já tem todos os dentes de leite

Para cada dente de leite, há normalmente um dente permanente localizado próximo as suas raízes (ver radiografia panorâmica abaixo). Eles substituirão gradativamente os dentes temporários, iniciando-se pelos incisivos inferiores (os dois do centro), por volta dos 6 anos de idade.

 

CÁRIE DE MAMADEIRA – Temos que falar sobre isso!

O que é cárie de mamadeira?

–É uma cárie aguda, agressiva, de evolução rápida e que provoca muita dor. Causa a destruição do dente de leite rapidamente. A destruição dental associada ao íntimo contato de líquidos açucarados fermentáveis com os dentes de leite durante o dia ou à noite, incluindo o leite materno.

– É uma doença que pode afetar a criança no primeiro ano de vida.

– Se o processo carioso se instalar e não for tratado adequadamente, com o passar do tempo poderão aparecer problemas maiores como: dor de dente, grandes cavidades de cárie, restaurações extensas, tratamento de canal, problema periodontal (de gengiva) ou até a perda precoce de dentes.

– A cárie de mamadeira, também conhecida como: cárie de acometimento precoce, cárie por amamentação, síndrome da mamadeira noturna, cárie em bebês.

 

Como ocorrência a cárie de mamadeira?

A causa desse tipo de cárie acontece da seguinte maneira:

– Quando a criança adormece, diminui o fluxo salivar, que é o responsável por banhar e proteger os dentes das bactérias.

– A cárie acontece quando há a associação entre placa bacteriana cariogênica, dieta inadequada e higiene bucal deficiente. As bactérias interagem com os alimentos ingeridos e produzem resíduos na forma de ácidos que provocam a desmineralização do dente.

– Esse tipo de cárie se inicia com manchas esbranquiçadas nos incisivos superiores e inferiores, que, mais tarde, se não removido o hábito, podem vir a formar grandes cavidades, podendo até destruir o dente.

– Outros fatores que podem determinar o aparecimento da cárie de mamadeira são: adoçar a chupeta com mel ou açúcar para que a criança se acalme e adormeça; o consumo excessivo de suco ácidos (laranja, limão) e coca cola na mamadeira durante o dia todo.

 

Qual é o tratamento?

– É importante que ocorra severa mudança de hábitos alimentares e higiene bucal adequada

– O tratamento da cárie de mamadeira deve ser iniciado pelo controle do processo infeccioso. O tratamento, além de ser invasivo, é desgastante para a criança e família. Durante os procedimentos em consultório para tratamento restaurador das cáries, o bebê não consegue ficar parado e não compreende o que está acontecendo, sendo assim, só chora, pois não tem outra forma de se expressar.

– A aplicação tópica de flúor pode ser muito benéfica também.

Se a doença cárie não for interrompida, poderá ocorrer a destruição de vários dentes, acarretando em sérias repercussões locais, sistêmicas, psicológicas e sociais. A criança pode apresentar um quadro de infecção, dor, dificuldade de mastigação, trauma psicológico e perda prematura de dentes. Isso pode influenciar nas atividades cotidianas das crianças como rendimento escolar, comer, dormir e brincar. A perda precoce dos dentes decíduos prejudica o adequado desenvolvimento e crescimento dos arcos maxilares, organização correta do encaixe dos dentes e função mastigatória e fonoarticulatória acarretando sérias consequências para a dentição permanente.

Dúvidas recentes sobre o flúor

Minha filha(o) tem uma mancha branca em um dente apenas. Isso pode ter sido causado pelo flúor presente na água de abastecimento público?

    Mancha em apenas um dente não é fluorose. Quando há intoxicação por flúor e acontece a fluorose é sempre em mais de um dente, geralmente em pares, dentes iguais de ambos os lados direito e esquerdo. Como pode ocorrer de aparecer manchas em todos os dentes. Agora se a mancha é só em um dente, pode ter certeza que não é fluorose.

    O flúor na água de abastecimento no B0rasil deve ser sempre monitorado e segundo a OMS organização mundial de saúde, foi graças ao flúor presente na água, que os índices de dentes cariados diminuíram nos últimos 50 anos.

     

    E quanto as pastas com flúor ou não para crianças?

      As crianças não devem usar a mesma pasta que os adultos, mas a pasta deve sempre ter flúor sim. USE POUCA PASTA, para crianças até 3 anos a quantidade de tamanho de 1 grão de arroz é suficiente para garantir não haver nenhum excesso de flúor no corpo. Se lembre de ensinar as crianças a cuspir o produto também é importante.

       

      Quando escovar os dentes dos bebês?

        Assim que eles começarem a nascer, mas com escovas pequenas e macias apropriadas para idade deles, ou escovas de dedo, mas não escove a gengiva do bebe, para limpar a gengiva pode usar uma gaze ou um paninho molhado.

         

        Quantas vezes escovar os dentes das crianças?

          Sempre após as refeições e até 6 ou 7 anos ano SÃO OS PAIS que escovam os dentes da criança. A partir dos 7 a criança já terá habilidades motoras para conseguir escovar sozinha, mas SEMPRE com supervisão de um adulto para lembrar da quantidade de pasta que ele precisa por e que tem que escovar todos os dentinhos e a língua.

           

          Dente todo corroído, amarelado é culpado excesso de flúor?

            Muito improvável. Isso se chama cárie, mas na dúvida leve seu pequeno ao dentista.

            Entendam que o flúor não é o vilão, e pode pesquisar em qualquer livro de odontologia isso, ou em sites como da associação brasileira dos cirurgiões dentistas, do CFO, da OMS, no google acadêmico onde há muito estudos publicados sobre o assunto. Fontes sérias que sabem do que estão falando. Quem entende sobre saúde bucal é o dentista.

            Ansiedade: como controlar

            É um estado caracterizado por medo, apreensão, mal-estar, desconforto, insegurança, estranheza do ambiente ou de si mesmo e, muito frequentemente, pela sensação de que algo desagradável está para acontecer.

            Antes de qualquer coisa identifique a fonte da sua ansiedade e tente solucionar o problema da melhor maneira possível. Depois, siga as nossas dicas

            1. EVITE PREOCUPAÇÕES: É verdade que algumas preocupações são inevitáveis, mas tente afastar de sua mente aquelas que não influenciam em nada na resolução de seus problemas, pois essas só servem para aumentar os seus níveis de ansiedade.

            2. PRATIQUE EXERCÍCIOS FÍSICOS: A prática de exercício físico auxilia na descarga de energia e relaxamento do corpo, além de elevar os níveis de satisfação emocional. Além disso, ajuda a distrair a mente, a regular o sono e estimula o sistema imunológico.

            3. PRATIQUE MEDITAÇÃO E/OU YOGA: Ambas práticas ajudam a acalmar a mente e relaxar o corpo. A Yoga é um meio termo entre a meditação e o exercício físico e tem trazido ótimos resultados entre os seus adeptos.

            4. PENSAMENTO POSITIVO: Oriente seus pensamentos para vibrações positivas, especialmente nos momentos de crise ansiosa. Pode parecer difícil, mas com treino e prática, você consegue. Pensamentos negativos podem te jogar no ciclo vicioso da ansiedade, já os positivos, podem atenuar seus sintomas.

            5. RESPEITE SUAS LIMITAÇÕES: E, quando for preciso, peça ajuda para resolver os problemas que estão te causando ansiedade.

            Você sabia?

            Placas de bruxismo, o que você deve saber.

            Existem alguns fatos e mitos sobre placas que podem nos ajudar a entender

            A placa de silicone é mais fácil de confeccionar?

            FATO. Basta uma plastificadora, uma placa, um modelo e uma tesoura. Pronto! Já o dispositivo interoclusal liso de acrílico rígido (entendedores entenderão) exige enceramento e acrilização, até do registro bem feito, passos que demandam mais tempo e cuidado.

            A placa de acrílico é desconfortável.

            MITO. Eu tenho a teoria que o protético te ensinou isso quando você ligou ao laboratório e ele te perguntou: de acrílico ou silicone (quando não, dura ou mole… rs). E ele te diz que a de silicone é mais confortável. Ou a vizinha disse isso ao paciente. Mas de fato, é mesmo? Não há um estudo sequer que relate isso. Então, vou usar da minha experiência para dizer a você leitor, NÃO. A placa de acrílico bem confeccionada e ajustada é sim confortável. Alguns pacientes relatam dificuldade inicial de uso, mas isso acontece com qualquer dispositivo e é preciso insistência. Também é possível trocar o arco. Além disso, há estudos que mostram melhora na qualidade do sono com o uso da placa de acrílico como este aqui.

            Placa de silicone é miorrelaxante.

            MITO. Nenhum dispositivo interoclusal é miorrelaxante. Não há estudos com a placa de silicone a longo prazo que indique que ela seria uma exceção. Há um estudo bem antigo do Prof. Okeson, em 1987 que indicou que entre 10 pacientes que iniciaram terapia com placa de silicone, 5 apresentaram aumento em atividade muscular e apenas 1 reduziu, quando a placa de acrílico mostrou redução de atividade em 8 dos 10 pacientes. Mas eu sinceramente acredito que este estudo não mostra o que realmente acontece. Sabemos que qualquer dispositivo (seja com cobertura oclusal, parcial ou nenhuma cobertura) a curto prazo pode reduzir mais frequentemente a atividade muscular (observada por eletromiografia de músculos mastigatórios durante o sono). Mas este efeito acontece a curto prazo (cerca de 1 a 2 semanas) e depois os valores voltam às médias basais. Além disso, não acontece em todos os pacientes. Há aqueles pacientes em que a introdução de um dispositivo, ao contrário do que se pensa, aumenta o número de eventos (veja este estudo aqui).

            A placa de silicone protege os dentes.

            MITO. Não há nenhum estudo que comprove ou negue isso. A placa de silicone não é resiliente. Com o uso ela deforma e se mostra friável. Com a pressão, chega a entrar em atrito com os dentes. Imagine isso em um ambiente de menor salivação. O que acontece com os dentes? Como eu já alertei, sem nenhuma evidência concreta, mas por observações, já vi placa de silicone marcar dentes de pacientes, ser desconfortável ao tocar a gengiva (ok, você pode cortar com uma tesoura…) e até chegarem totalmente rasgadas e furadas.

            A placa de silicone é estabilizadora.

            MITO. Não é possível ajustar a placa de silicone. Muitas vezes os toques são realizados apenas em alguns dentes. Ao contrário, na placa de acrílico, podemos realizar ajustes necessários ao longo do tempo para que possa ser um dispositivo utilizável a longo prazo. Ainda, pode-se acompanhar a atividade dos músculos mastigatórios pelas marcas eventuais que os dentes deixam no acrílico.

            Por tudo acima e mais o fato de que não há um estudo sequer que indique esta terapia como superior ou, pelo menos, igual a terapia com placa de acrílico, acho estranha a indicação de uma plaquinha (“inha” mesmo) de silicone para bruxismo do sono a longo prazo.

            Dente permanente fica mole? É normal os dentes ficarem moles com aparelho ortodôntico?

            Acho que pior do que sonhar que perdeu todos os dentes, é vê-los amolecendo dia-a-dia e perdê-los na vida real! Não é verdade?

            Portanto, hoje vamos abordar as principais causas de amolecimento dos dentes. Quando sofremos uma queda e batemos a boca, é normal que os dentes fiquem abalados ou até que estes “saiam” da gengiva.

            Mas hoje, vamos falar sobre outras causas que levam ao amolecimento dos dentes. A principal delas é a doença periodontal (gengivite e periodontite) e o tratamento ortodôntico que também amolece o dente, mas de maneira fisiológica:

            1- Qual é a principal causa de amolecimento dos dentes? A gengivite ou periodontite deixam os dentes permanentes moles?

            A periodontite, segundo uma das revistas científicas mais respeitadas do mundo, o The Lancet, é uma doença altamente prevalente e pode afetar cerca de 90% da população mundial. Ela é caracterizada pela perda do tecido conjuntivo e de suporte dos ossos, e, é uma das principais causas de perda de dentes em adultos. Além do biofilme com microorganismos patogênicos, fatores genéticos, ambientais especialmente o uso do tabaco contribuem para as causas desta doença. A periodontite resulta na formação de bolsas de tecido mole ou fendas aprofundadas entre a gengiva e raiz do dente. A forma severa da periodontite, pode resultar no afrouxamento dos dentes, dor ocasional e desconforto, mastigação deficiente e perda do dente.

            Em primeiro lugar, é preciso conceituar gengivite e periodontite. A gengivite é o estágio inicial da doença periodontal, e, é caracterizada pela inflamação da gengiva, causada pela placa bacteriana que se forma constantemente nos dentes e gengivas de todas as pessoas. Isso mesmo! Todos temos estas bactérias e devemos controlar regularmente indo ao dentista e realizar a prevenção. Se não cuidada, a gengivite evolui para a periodontite que resulta em danos permanentes aos dentes, inclusive o amolecimento destes. Segundo alguns estudos científicos observacionais, as manifestações desta doença tem efeitos adversos na gravidez, doenças cardiovasculares, acidente vascular cerebral, doenças pulmonares e diabetes.

             


            2- Como sei que estou com estas doenças?

            Sinais como o sangramento da gengiva após escovação ou higienização com fio dental, dentes com mobilidade, mau hálito intenso (geralmente percebidos por outra pessoa) e até abcessos purulentos podem ser um dos sinais desta doença.

            O diagnóstico por um dentista é de fundamental importância. Serão necessários exames clínicos e radiográficos dos tecidos periodontais, a fim de verificar a perda de osso e tecido gengival. Dependendo da gravidade são necessários tratamentos com periodicidade determinada pelo profissional a fim de controlar esta doença.

             


            3- Como posso evitar que meus dentes fiquem moles?

            A forma mais branda de doença periodontal, a gengivite, é facilmente reversível pela higiene bucal simples. São necessárias visitas preventivas no dentista (a cada 6 meses) e o tratamento da doença periodontal, controlam o biofilme bacteriano e outros fatores de risco, evitando que a doença tenha progressão e o tecido de suporte seja “restaurado”.

             


            4- Tratamento ortodôntico deixa o dente permanente mole? Pacientes com doença periodontal podem utilizar o aparelho ortodôntico?

            O objetivo de um tratamento ortodôntico é a melhoria na mastigação e a estética dos dentes e da face, movimentando adequadamente os dentes. Estes movimentos estão relacionados com a interação dos dentes com os tecidos de suporte adjacentes (ossos e gengiva) e deixam os dentes com certa mobilidade durante o tratamento ortodôntico. Mas nada que faça o dente sair com um espirro ou assoprando a vela do bolo! rs

            Estudos mostram que não há contra-indicação de tratamento ortodôntico em adultos com problemas periodontais. Até mesmo em casos graves, a ortodontia pode melhorar a possibilidade de restauração de uma mordida deteriorada. Pra que tudo dê certo, a cooperação entre o ortodontista, periodontista ou o dentista clínico geral são fundamentais. Para tanto, o ortodontista irá estabelecer um minucioso regime de higiene bucal para o paciente, a fim de que uma gengivite não se transforme em um periodontite.

             


            5- Meus dentes permanentes estão moles. Posso colocar o aparelho ortodôntico mesmo assim?

            Está com periodontite, gengivite ou até uma cárie, e quer colocar aparelho para ficar bonitinho? Nada disso! Primeiramente seu dentista irá pedir exames e fará uma planejamento para melhorar a sua condição bucal antes de iniciar um tratamento ortodôntico! Portanto, se você está com o dente mole, procure um dentista pra ontem, porque colocar outro dente no lugar do perdido, sairá caro, dolorido e demorado!

            Meu dentista falou que tenho mordida cruzada, mas o que isso significa?

            1- O que é a mordida cruzada anterior?

            A mordida cruzada anterior pode ser considerada como a incapacidade da arcada superior de encaixar na inferior de maneira normal no sentido ântero-posterior, e ela pode ser causada por problemas de dentes fora da posição ou ainda da diferença entre maxila (arcada superior) com a mandíbula (arcada inferior).

             


            2- Por que a pessoa tem mordida cruzada anterior? É herança genética?

            Segundo um estudo de prevalência de maloclusões ou mordidas com problemas realizadas em 2.416 crianças em idade escolar na cidade de Bauru (SP), cerca de 7,6% de pessoas possuia mordida cruzada anterior. Como causas da mordida cruzada anterior temos a hereditariedade, defeitos de desenvolvimento de origem desconhecida, traumatismos, agentes físicos como extração prematuras de dentes ou retenção prolongada dos dentes de leite, hábitos de chupar dedo, chupeta, mamadeira, distúrbios endócrinos, função respiratória perturbada, tumores na região articular e até má nutrição.

             


            3- Qual é o melhor tratamento para mordida cruzada anterior? Existe um melhor período para tratar este problema?

            O melhor tratamento depende diretamente do diagnóstico realizado, se a mordida cruzada envolve somente os dentes, os ossos ou ambos. Para cada um destes casos tem uma terapia de tratamento específico. Por exemplo, a mordida cruzada anterior esquelética, isto é que envolve os ossos, pode estar relacionada à falta de maxila, excesso de mandíbula ou a combinação de ambos. Desta forma, se existe uma falta de maxila o tratamento deve ser realizado no sentido de estimular o crescimento da mesma em uma criança através de um tratamento ortopédico, por exemplo(Leia o post “Aparelho freio de cavalo não! AEB ou Arco Extra Bucal: Top 10 dúvidas“). Já em um adulto o melhor tratamento seria a cirurgia ortgnática (leia o post “Cirurgia Ortognática ou Bucomaxilofacial?“). Em outros casos, a mordida pode estar cruzada por causa de um dente canino fora de lugar que desvia a mordida. Nestes casos o tratamento ortodôntico convencional com aparelho fixo pode resolver o problema.

             


            4- Qual é o preço do tratamento da mordida cruzada anterior?

            O tratamento pode variar de acordo com o diagnóstico do tipo de mordida cruzada anterior. Portanto, para cada mordida cruzada existe um tipo de tratamento com um período de tempo determinado. Mas uma coisa é certa, quanto mais cedo se leva para tratar mais barato, rápido e menos dolorido é o tratamento. Depois de adulto, um tratamento de mordida cruzada esquelética só pode ser resolvido através de uma cirurgia ortognática sob anestesia geral e pode chegar ao valor de um carro popular! Por isso, se você suspeita que seu filho(a) desde cedo já apresenta este problema, leve à um ortodontista para o diagnóstico e tratamento o mais precocemente possível.

            Herpes

            Sabe aquela feridinha que as vezes sai no lábio? O popular sapinho?

            De repente o seu lábio começa a coçar. Aí parece que arde. Depois de um tempo aparecem uma bolhas bem pequeninas cheias de “água”. Essas bolhas permanecem por mais ou menos uns três dias e então começam a secar, dando origem a uma ferida, que leva uma semana para sumir. Se você apresenta esses sinais/sintomas de forma recorrente, você tem herpes.

             
            HERPES É UM VÍRUS

            Cerca de 2 terços das pessoas têm o vírus Herpes simplex no seu organismo. Mas ter o vírus não significa manisfestar as vesículas. Às vezes elas nunca aparecem. A transmissão do herpes se dá por contato pessoal (num beijo, por exemplo) ou pelo contato direto com objetos infectados, como copos e talheres. Por isso, higiene é fundamental, até porque o vírus do herpes pode ser transmitido para outras partes do seu próprio corpo, especialmente para as mucosas oculares, bucal e genital.

            O herpes genital tem as mesmas características clínicas do herpes labial. Muda o endereço, mas não muda o problema. USE CAMISINHA também no sexo oral!

             

            O CAUSA O APARECIMENTO DAS VESÍCULAS?

            Os fatores desencadeantes mais comuns do herpes são a exposição ao sol ou ao frio intensos, estresse, fadiga física e/ou mental, transtornos emocionais e baixa de imunidade.

             

            QUAL O TRATAMENTO?

            O tratamento, à base de Aciclovir, pode ser sistêmico e/ou local, na forma de cremes ou comprimidos. O tratamento não cura o herpes, apenas acelera o ciclo e some mais rápido com a ferida. Converse com seu médico ou dentista.

            O sorriso do Bob Esponja

            Diastema: O que é e qual o melhor tratamento.

            O diastema é considerado uma das alterações dentárias mais negativas relatadas pelos pacientes. O espaço “anormal” entre os incisivos superiores inibe muitas pessoas de sorrirem. Por incrível que possa parecer, muitos convivem com esta alteração a vida toda sem se importarem. Você provavelmente já deve ter visto celebridades assim. Por isso vamos tentar explicar as causas e formas de tratamento desta alteração. Diastema é um espaço entre os dentes maior que 0,5 mm. Crianças na época da dentição mista costumam ter essa condição com até 2 mm de espaço mas com a erupção dos demais dentes permanentes esse tende a ser “fechado”.

             


            Quais as causas?

            As principais causas para o aparecimento do diastema são os seguintes:

            Freio labial hipertrófico e inserido entre os incisivos superiores;

            Problemas oclusais;

            Hereditariedade;

            Perda de dentes posteriores (transferem a atividade mastigatória para os anteriores, forçando os dentes a se “abrirem”);

            Diferença de tamanho dos dentes;

            Presença de dentes supranumerários;

            Pressão lingual (deglutição atípica, interposição lingual..)

            Importante: Nos dentes decíduos (dentes de leite) é normal e desejável a presença de espaços generalizados entre eles (espaços primatas), porque o número de dentes é menor do que o que teremos na idade adulta. Temos também o que chamamos de fase do “patinho feio” onde o espaço entre os dentes centrais superiores é normal e que tem início aproximadamente aos 8 anos e tende a desaparecer por volta dos 12 anos. Existem espaços entre os dentes que são normais.

             


            Quais os problemas de se ter um diastema?

            Estética prejudicada;

            Retenção de alimentos / inflamação gengival;

            Problemas na pronuncia de algumas palavras (alterações fonéticas);

             


            Quais os tratamentos disponíveis?

            Vamos citar as alternativas de tratamento possíveis mas que fique claro que estas podem ser utilizadas ao mesmo tempo e não apenas de forma individualizada.

            Em alguns casos, os dentistas associaram uma movimentação ortodôntica prévia com restaurações de resina composta e conseguiram um resultado muito bom e o melhor de tudo, com harmonia do sorriso mantendo os dentes em proporções muito satisfatórias.

            Cirurgia de remoção do freio labial (frenectomia) quanto mais precocemente realizada melhores os resultados.

            Restaurações de resina composta e restaurações cerâmicas (facetas ou coroas totais) também podem trazer resultados muito satisfatórios.