A TAQUARI DE SEO SANQUETA

Seu nome de batismo era João Moletta, apelidado de Sanqueta como era mais conhecido em Mandirituba, cidade localizada na região

Seu nome de batismo era João Moletta, apelidado de Sanqueta como era mais conhecido em Mandirituba, cidade localizada na região metropolitana de Curitiba que à época era distrito de São José dos Pinhais. Seo Sanqueta, filho de italianos, do tipo que dizem de pavio curto, casado com Dona Regina Gabardo era o juiz de paz do distrito e pelo cargo sempre o convidavam para solenidades e afins. Como as demais famílias do distrito, sempre mantinha um porco no chiqueiro para o feitio de banha e a carne fritada e guardada em latas. Certa vez fechou uma porca que alguém lhe havia dado de presente, coisa rara, pois a preferência era por machos que diziam carunchos, animais de médio porte, que estando na idade ideal e castrados engordam em 90 dias ao ponto de terem dificuldade em se levantar. Era domingo, chegamos da Missa e Seo Sanqueta mandou-me dar milho à porca. O chiqueiro estava vazio, o animal havia pulado pela parte mais baixa do alambrado e escapado para a horta, onde fez um tremendo estrago, revirando canteiros de plantas e arrebentando a cerca de ripas tomou rumo ignorado. Vi Seo Sanqueta apanhar a espingarda que diziam Taquari, daquelas de carregar pela boca que mantinha pendurada na parede sobre o fogão de lenha. A fugitiva tinha o péssimo hábito de comer galinhas. O domingo correu tranquilo, até que pelas duas da tarde ouvimos alarido de galinhas do lado de fora do grande terreiro. Seo Sanqueta apanhou a espingarda que havia carregado com alguns baletões (esferas maiores de chumbo), correu até a cerca e a porca que mantinha um frango preso entre as mandíbulas, tombou com certeiro tiro na volta da paleta. Nova ordem: Dê um jeito de carregar no carrinho de mão e jogar longe esse bicho. Um rapazola, nosso vizinho, me ajudou na empreitada e sem Seo Sanqueta saber, carregamos o animal morto uns quinhentos metros até o casebre de Nhô Chiquinho, um velhote quase anão que recolhia e aproveitava as carnes dos porcos atropelados na hoje BR 116 que à época era conhecida como estratégica. Seo Sanqueta e Dona Regina, meus avós maternos me acolheram desde os 7 anos até que concluí o Curso Normal Regional na Escola Normal Professor José Moletta que funcionava junto ao Colégio Estadual Joaquim de Oliveira Franco. Eram extremante rígidos, mas reconheço que muito devo a eles.

APELIDOS – A cidade portuária de Paranaguá já entrou para o folclore pelo costume dos apelidos inventados tanto para os nativos como para os forasteiros. Caixeiro viajante que visitava a cidade seguidamente, sabendo da fama dos apelidos, pouco saía do hotel. De tempos em tempos abria a janela para espionar os passantes e tornava a fechá-la. Era aquele abre e fecha várias vezes ao dia. O apelidaram CUCO.