HÁ 72 ANOS MORRIA JOÃO MARIA BATISTA (11-04-2017)

Muitas vezes pouco ou nada sabemos por que nossas ruas e praças têm determinadas denominações. Hoje, vamos saber sobre o

Muitas vezes pouco ou nada sabemos por que nossas ruas e praças têm determinadas denominações. Hoje, vamos saber sobre o Expedicionário João Maria, denominação de uma das principais ruas de nossa cidade. Ele nasceu no ano de 1920, filho primogênito de João Batista e Rosalina dos Santos. Em 1942, quando irrompeu a II Guerra Mundial, João Maria morava em Faxinal Grande onde sua família possuía uma pequena propriedade. Foi convocado para prestar o serviço militar no 13 Regimento de Infantaria de Ponta Grossa. Seu embarque para a Europa deu-se com o primeiro escalão da FEB, fazendo parte do 6º Regimento de Infantaria e sua identidade militar era 2G – 295531. João Maria era mensageiro e foi ferido mortalmente no dia 17 de abril de 1945, em uma operação em Montese. A conquista de Montese foi dificílima, a mais sangrenta da FEB, pois a infantaria alemã ocupava posições sólidas. O general Mascarenhas propôs e foi aceito figurar a região de Montese como objetivo da Divisão de Infantaria do Exército. Segundo escritos do próprio comandante, a tropa brasileira estava em condições de conquistar Montese e explorar com êxito até o corte do Panaro; substituir continuamente o flanco ocidental (esquerdo) da 10ª Divisão de Montanha e progredir na direção de Zocca – Vignola. Devido a problemas atmosféricos, o comando brasileiro atacou sem a indispensável observação aérea. Isto permitiu a artilharia alemã abrir fogo à vontade contra as tropas brasileiras. As jornadas de 14 a 18 de abril foram particularmente sangrentas, custando a vida de 434 paranaenses, entre eles João Maria Batista. Agostinho José Rodrigues (O Paraná na FEB – 3ª ed. 1985), escreveu o seguinte texto sobre o nosso bravo: No dia 17 de abril de 1945, por ocasião das operações de Montese, o seu pelotão havia se abrigado em uma casa semidestruída, a qual era submetida a contínuos e violentos bombardeios de artilharia, tendo ficado sem ligação. Como o soldado João Maria já se notabilizara em outra operação, em caso idêntico, foi designado para fazer a aludida ligação atravessando o terrível bombardeio, num terreno completamente desabrigado, cumprindo com brilhantismo a missão. Ao regressar foi gravemente atingido no abdome, contudo ergueu-se e continuou o caminho, caindo logo depois, vindo a falecer ao ser socorrido, revelando acentuado espírito de sacrifício, bravura invulgar, desapego à vida, sangue frio e nítida noção do cumprimento do dever. O nome do nosso combatente que tombou na II Guerra Mundial está perpetuado em Laranjeiras do Sul. No dia 21 de abril de 1946, data em que comemoramos outro herói da Pátria (Tiradendes), foi elaborado o Projeto de Decreto nº 5, pelo prefeito nomeado do Território Federal do Iguaçu, Alcindo Natel de Camargo. O documento, cumprindo os trâmites da época foi submetido ao governador Frederico Trotta, que com a anotação aprovo, deu a via central conhecida como 312-1103 o nome de RUA EXPEDICIONÁRIO JOÃO MARIA. Também em Guarapuava, na Vila Santana, uma via pública tem o nome de rua Expedicionário João Maria Batista.