Poucas & Boas

Deu gás O movimento dos caminhoneiros ganhou uma força que ninguém imaginava. Mas é fácil de explicar. O povo brasileiro

Deu gás

O movimento dos caminhoneiros ganhou uma força que ninguém imaginava. Mas é fácil de explicar. O povo brasileiro estava precisando só de um empurrãozinho pra colocar as mangas de fora e demonstrar toda a sua indignação com a classe política. Isso é prova que o povo deixou de ser reticente e passou exigir mais direitos.

Agradinho

Não é só diminuir o preço do combustível em R$ 0,46, liberar pedágio para eixo levantado ou outras benesses a mais que vai calar o desagravo. É preciso muito mais. Acabar com as mordomias, com os salários exorbitantes, com aposentadorias esdrúxulas, diminuir o número de parlamentares, punir com rigor os atos de corrupção, entre outras medidas.

Fartura

Mesmo com o desabastecimento de combustível  e de gêneros alimentícios a maioria da população apoiou a greve dos caminhoneiros.  No entanto a situação deixa claro que há uma insatisfação generalizada em relação a atual política econômica, tributária e social. O que não é novidade, só que ninguém tinha coragem de expressar esse descontentamento.

Sem caminhão o Brasil para

O ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) disse em entrevista coletiva nesta terça-feira (29), que a democracia garante a todos o direito de se manifestar, seja  a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ou pela intervenção militar, mas  os caminhoneiros em greve não podem bloquear estradas. Ele fez a declaração ao comentar sobre a existência de infiltrados no movimento dos caminhoneiros.

Falou

A jornalista Mirian Leitão analisa assim a greve dos caminhoneiros: O governo é impopular e está no fim. Nas negociações, o Planalto demonstrou desde o início muito temor em relação ao movimento, que se fortaleceu.

Nóis capota mais não breca!

Com o advento da greve dos caminhoneiros os prefeitos da região estão tendo que administrar uma crise jamais vista em seus municípios. A falta de merenda e combustível, os obrigou a suspender as aulas, os serviços de readequação de estradas e cancelar vários compromissos em razão da paralisação. Mesmo assim o apoio aos grevistas é uníssono.