O Cântico dos Cânticos – Cuidados com a vinha

Por José Simplício – escritor, autor de quatro livros, teólogo e pastor

O livro de Cântico dos Cânticos ou Cantares de Salomão é um belíssimo poema Bíblico que exalta a beleza da união conjugal. Neste livro notamos a aprovação divina ao amor entre um homem e uma mulher até a mais profunda intimidade do casal e de maneira sutil encontramos ensinamentos preciosos para o dia a dia de um casamento feliz e duradouro. O ensinamento que desejo destacar nesta edição é o que encontramos no texto abaixo:
“Apanhai-me as raposas, as raposinhas, que fazem mal às vinhas, porque as nossas vinhas estão em flor” (Cântico dos Cânticos 2.15).
Talvez numa primeira impressão seja difícil entender o que este texto de Cantares quer nos ensinar devido as simbologias de uma época e cultura distante da nossa, mas ao compreender o significado dos símbolos fica fácil entender a lição. Portanto, vejamos:
A vinha representa o relacionamento em seu aspecto de vitalidade e prazer. O casal constrói junto a vinha onde podem usufruir da uva como alimento para o vigor conjugal, do suco e do vinho como fonte de alegria e prazer na vida a dois, além da sombra que representa o conforto do lar. Todas estas coisas, relacionamento vigoroso, prazeroso e confortável, são imprescindíveis para um casamento feliz. E, neste poema observamos que o casal tinha uma vinha.
Quase todos os casamentos têm ou já tiveram uma vinha (lugar de vitalidade conjugal, prazer e conforto), no entanto, a vinha exige manutenção e cuidado, do contrário, o fruto não existirá e as pragas tomarão conta do lugar.
E as raposas e raposinhas que fazem mal as vinhas? O que representam?
As raposas são animais sorrateiros, ariscos, possuem hábitos noturnos e geralmente agem sem que notemos. Porém, a Amada do poema notou que as raposas e raposinhas estavam danificando as flores que garantiriam o fruto para a vinha em um futuro breve. Então, percebendo o perigo que atentava contra este relacionamento prazeroso, ela chama o seu Amado para que apanhem as raposinhas.
Na prática as raposinhas são tudo aquilo que comprometem de maneira sorrateira o relacionamento conjugal. Pode ser que haja fruto hoje, mas se não cuidar das flores e apanhar as raposinhas o relacionamento caminha para um futuro desagradável.
Então namorados, noivos e casados, vamos a caça das raposinhas, certamente elas querem comprometer a sua vinha.
FALTA DE CARINHO – é a raposa da vez. Uma das coisas mais prazerosas da vida a dois é o contado físico: beijos, abraços, carícias, cafuné, massagem, passear de mãos dadas, etc. No início de um relacionamento, isso acontece com muita naturalidade e até com muito ímpeto. Mas passado pouco tempo de um casamento, uma parte expressiva de casais sofrem os danos desta raposinha, a falta de carinho, ao ponto de alguns casais viverem quase como se fossem irmãos dentro da mesma casa. E porque isso acontece? Os motivos são vários: muita ocupação, entretenimento em demasia, mágoas não resolvida, falta de interesse, e por aí vai.
Em 1 Coríntios 7.3 a Bíblia afirma: “O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido”. Pagar fala de um compromisso assumido no casamento de atender as necessidades um do outro. E, benevolência significa boa vontade, bondade, bem-querer. O contexto da passagem bíblica é sobre o ato sexual, mas o ato sexual é o clímax de um relacionamento carinhoso. Portanto, ser carinhoso é um compromisso do homem e da mulher na vida conjugal. Não permita que essa raposinha destrua o prazer na sua vida conjugal. Seja carinhoso(a) com seu cônjuge. Apanhem as raposinhas!