O trabalho – duas faces da mesma moeda

O único feriado do mês de maio foi o do dia primeiro – Dia do Trabalhador, como comemorar esta data

O único feriado do mês de maio foi o do dia primeiro – Dia do Trabalhador, como comemorar esta data num país que tem hoje 13,1 milhões de pessoas desempregadas? (segundo dados do IBGE, publicado no Estadão em 29/03/19) e o paradoxo é que não é por que, não há o que fazer, há muito o que fazer nesse país, como: estradas, pontes, ferrovias, escolas, hospitais e não somente na infraestrutura do país, mas empresas que precisam ampliar seus quadros de funcionários e não conseguem (devido aos altos custos da contratação) e por consequência mais pessoas sobrecarregadas, estressadas, aumentando ainda mais as estatísticas da depressão, da ansiedade e do esgotamento físico, por outro lado, essas estatísticas também são engrossadas pelos desempregados.    Em resumo, o que vale refletir é que: Existem trabalhos a serem feitos e existem trabalhadores sem trabalho. Existem pessoas deprimidas e estressadas por trabalharem demais e pessoas vivenciando o mesmo quadro, por não terem trabalho. (caberia aqui aquele emoji pensando).

Para os que acreditam na Bíblia como sendo o manual de fé, regras e condutas, veremos o que ela diz a respeito do trabalho. No primeiro livro da Bíblia – Genesis – vemos Deus trabalhando na criação, ainda no primeiro capítulo Deus cria o homem e então incube o mesmo de continuar trabalhando, nominando cada animal e dominando sobre toda a criação, (Gn. 2. 19-20) e logo depois cria a mulher para ser ‘auxiliadora’ do homem, só se auxilia quem faz alguma coisa, certo? Portanto, a mulher deveria ajudar o homem no seu trabalho. Diferente do restante da criação os seres humanos deveriam ser os criadores de suas histórias, construir suas cidades e ter uma profissão (pastores de ovelhas, caçadores, trabalhadores com madeiras e ferros, agricultores etc.). 

Alguns entendem o trabalho como um castigo de Deus ao homem, depois do pecado, devido ao que diz nos versos 17 a 19 do capitulo 3 de Gênesis, mas entendo que após a queda do homem, o trabalho que já existia, passa a ser fatigante e pesado, esse foi o castigo, e não o trabalho em si, que por causa do pecado passou a ser manchado pelo mal, como tudo na criação, ou seja, deixou de ser benção e alegria, passando a ser usado como instrumento de exploração e opressão e até mesmo objeto de idolatria.

De tal maneira conclui-se que o trabalho não é castigo quando em provérbios encontramos várias passagens falando do triste fim de um preguiçoso, por exemplo, em provérbios 15-19 O preguiçoso encontra dificuldades por toda parte, mas para a pessoa correta a vida não é tão difícil. Ou no capítulo 26, no verso 14 O preguiçoso vira de um lado para outro na cama. Ele é como uma porta que gira nas dobradiças, mas, de fato, não sai do lugar. E também alerta quanto difícil é trabalhar, ou conviver com um preguiçoso, Nunca mande um preguiçoso fazer alguma coisa; ele será tão irritante como vinagre nos dentes ou fumaça nos olhos., no capítulo 10 de provérbios, verso 26. Assim entendemos que a preguiça é um mal, e o antidoto dela é o trabalho. 

O próprio Jesus trabalhou como carpinteiro, o maior pregador de todos os tempos, Paulo de Tarso, era um fazedor de tendas, todos os discípulos de Jesus tinham um trabalho.

E o sábio rei Salomão ainda em Eclesiastes 2.24, disse: Nada há melhor para o homem do que comer, beber e fazer que a sua alma goze o bem do seu trabalho.

Que Deus em sua infinita bondade possa conceder a todos os brasileiros capazes, a condição de usufruírem do seu trabalho, bem como conceder sabedoria aos que estão empregados, para equilibrar essa benção, que é o trabalho, com todo o restante de sua vida. Somente assim, haverá mitigação do paradoxo descrito no início desse texto, e todos poderão comemorar o dia do trabalhador sem fadigação, por terem trabalho, ou frustração, por não terem trabalho.