SINAIS DE TRÂNSITO

Sabe uma daquelas manhãs que você já acorda a toda velocidade, os motores (pensamentos) roncando diante de tantos afazeres e

Sabe uma daquelas manhãs que você já acorda a toda velocidade, os motores (pensamentos) roncando diante de tantos afazeres e planejamentos para o dia? Aqueles dias em que você sabe que será longo e cheio? Pois bem, era assim que eu estava numa manhã destas, tinha pressa, muita pressa, eram muitas coisas para fazer e o relógio não colaborava e corria sem piedade! Fiz tudo correndo até sair de casa, entrei no carro com a mente numa velocidade certamente acima do permitido, mas de repente parei diante do semáforo vermelho, e ali parada comecei a refletir:

Que poder tem essa luz vermelha! De repente tudo literalmente para, por causa dela, ou pelo menos pela doutrinação a qual fomos submetidos por suas consequências desastrosas. Desde muito cedo aprendemos: diante do semáforo vermelho, pare!

Então comecei a pensar: por que não usamos esse aprendizado mais vezes em nossa vida? Há circunstâncias nas quais deveríamos parar um pouco, respirar e refletir, por exemplo, o nascimento de um filho, a visita de um familiar, uma reunião em família, a perda de um ente ou amigo, são situações que ao contrário de nos fazer parar, nos faz continuar em nossa correria, fazendo até uma inversão, do momento de parar, como justificativa para correr ainda mais.

Se aplicássemos mais os sinais de trânsito em nosso cotidiano, talvez seriamos mais cautelosos, como diante de um cruzamento, o que se faz, para, olha para os lados, e espera a sua vez, mesmo porque há uma placa lhe ordenando que dê a preferência. Por que não aplicamos isso, em momentos em que nos surgem mais de uma opção na vida? É fácil: pare, respire, olhe para os lados e só prossiga quando se sentir seguro para isso.

Ao longo de uma estrada nos deparamos com placas que dizem Proibido ultrapassagem, e a linha contínua a nossa esquerda também nos indica isso, e então sabemos que desobedecer é assumir um sério risco e ter consequências graves. Por que não utilizamos disso em alguns momentos e situações nas quais nos encontramos afoitos por não perder uma oportunidade? Na dúvida não ultrapasse, se não conseguir visualizar o alvo com clareza, ou se não tiver objetivo, não é o momento de seguir.

Vamos aplicar mais os sinais de trânsito em nossa vida, os quais têm a função de uma organização, e que podem nos ajudar a seguir com mais segurança e tranquilidade, curtindo cada instante dessa viagem, que é a vida, aproveitando cada momento dela com respeito e alegria, vamos entendê-la como sendo uma viagem única que temos a chance de fazer.

Nessa nossa viagem (vida) não temos nos apercebidos muitas vezes da existência das placas, e temos sofrido consequências catastróficas, portanto, trafeguemos com prudência e numa velocidade na qual ainda nos mantenha no controle.