Gado paranaense poderá ser vendido até oito vezes mais caro

O Paraná é um dos grandes beneficiados com a oficialização, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) da instrução

O Paraná é um dos grandes beneficiados com a oficialização, pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) da instrução normativa que reconhece seis estados brasileiros livres de vacinação da febre aftosa em bovinos e bubalinos. Os outros estados que estão declarados como zonas livres da vacinação, são: Rio Grande do Sul, Rondônia e Acre, além de duas regiões do Amazonas e do Mato Grosso. A medida começa a ser aplicada no dia 1º de setembro de 2020.
Com o reconhecimento, o setor vai garantir a abertura de novos mercados e atrair investimentos. Os produtores de carne bovina de corte estão animados. Porém, haverá impacto ainda no aumento do potencial das cadeias de suínos, peixe, frango e leite.
Segundo o chefe do Núcleo da SEAB de Laranjeiras, Valter Rodacki, a medida deixa o Paraná mais perto do reconhecimento internacional pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O Ministério da Agricultura deve formalizar ainda neste mês o pedido à OIE, e a expectativa é que a entidade chancele a nova condição em maio de 2021.
“Essa liberação do Paraná vai trazer mais oportunidade para o mercado de carnes do Paraná, com grande avanço nos mercados externos que pagam melhor pelo produto”, disse Rodacki. 
Para o diretor-presidente da Coprossel, Paulo Pinto de Oliveira Filho, foi uma conquista advinda da organização dos produtores e do governo, cumprindo as normativas e as obrigações de proteção e rastreabilidade. “São anos de planejamento e articulação entre governo, sociedade e órgãos reguladores. O reconhecimento significa geração de mais emprego e renda com alcance de mercados mais exigentes e que pagam até oito vezes mais pela carne”, analisa Paulinho.
Os produtores estão de olho em especial no Japão e na Europa.  Conforme PP, a Argentina já se beneficia de ser zona livre de aftosa. “O rebanho brasileiro é de cerca de 208 milhões de cabeças, sendo que exportamos o dobro de EUA, Austrália e Índia, porém faturamos metade. Agora a história vai mudar”, garante.
A medida terá um grande impacto na região por conta da força do agronegócio. Para se ter uma ideia, nos dez municípios do Núcleo da SEAB de Laranjeiras, que comporta ainda Marquinho, Rio Bonito, Virmond, Porto Barreiro, Nova Laranjeiras, Espigão, Quedas, Guaraniaçu e Diamante do Sul, há cerca de 590 mil cabeças de gado. “Isso representa quase 6% do rebanho do Estado. Teremos toda a cadeia da carne mais valorizada e a região deve receber significativos investimentos”, explica Rodacki. Outro fator, segundo Valter, é que deixará de entrar no Paraná gado de Estados que não forem livres de aftosa. “Assim valoriza mais a produção local também”, conta.
Para o consumidor, a princípio a notícia não parece boa, porque há uma forte tendência de alta no preço da carne no mercado interno. Os pecuaristas, no entanto, garantem que a medida vai ser benéfica. “A qualidade da carne será ainda melhor, temos garantia de procedência e manejo proporcionando ao consumidor mais saúde”.
Mesmo em meio a pandemia, o agronegócio deve crescer 6% este ano. Na visão de Rodacki, o governo e a Adapar estão criando alternativas para que se agregue ainda mais valor ao agronegócio paranaense. “São parcerias e esforços que agora estão dando frutos”, finaliza.

Talentos e Negócios

Pela saúde
O empresário Wagner José Laurindo, sócio-diretor da Farmácia Santa Cruz, de Marquinho, é o nosso destaque da coluna desta semana. Há 16 anos na cidade, ele e a esposa são referência no ramo, pelo atendimento e cuidados com os clientes. Em breve a farmácia vai passar por completa remodelação. Na foto, Wagner em primeiro plano e em segundo plano, a colaboradora Saluane.

Krause Veículos
Atuando em Laranjeiras já de longa data, Avanildo Krause e sua esposa Geane, em pose especial para as lentes do Correio do Povo. O dinamismo do empresário tem lhe rendido convites para novos voos.

Com estilo
Ao sabor de queijos, vinhos, família e meia dúzia de amigos, a advogada e pecuarista Marília Azambuja de Paula Piovesan estreou idade nova, no final de julho. Na foto o momento dos parabéns, ao lado do marido Hunery, de quem recebeu de presente nada menos que uma charmosa mula branca.


 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail