Ordens do Amor na Família – parte 1

_

Ordens do Amor na Família – parte 1

De acordo com Bert Hellinger, o autor mais conhecido da Constelação Familiar, existem cinco ordens que não podem ser transgredidas numa família, são elas:

– Os filhos tomam a vida assim como ela lhes é dada;

– Os filhos tomam o que seus pais lhe dão para além da vida como ela é;

– Respeitar o que pertence aos pais e permitir que façam o que somente eles podem e devem fazer;

– Os pais são grandes e os filhos são pequenos;

– Cada qual tem seu lugar e pertence.

Inicio com a primeira e a segunda e na próxima quinta, continuarei falando sobre elas.

Primeira Ordem do amor na Família: Os filhos tomam a vida assim como ela lhes é dada

Quando os pais dão a vida aos seus filhos, eles se dão exatamente como são, eles não podem adicionar nada ao que são e não podem deixar qualquer coisa de fora. Pai e mãe, consumando um ato de amor, dão aos filhos tudo o que são.

Segunda Ordem do amor na Família: Os filhos tomam o que seus pais lhe dão para além da vida como ela é

Ao nos darem a vida nossos pais dão-nos também outras coisas: alimentação, cuidados, aconchego…, mas isso só funciona bem quando a criança aceita o que lhe é dado tal como lhe é dado. O filho que se queixa dizendo que deveriam ter dado mais, seja mais atenção, mais carinho ou bens materiais, segue pela vida insatisfeito, exigindo que alguém dê o que ele não tomou dos pais… Reclamará que os chefes não pagam o suficiente, que os amigos não ligam para ele, que o parceiro não lhe dá tanta atenção, que os filhos são ingratos…

Estes filhos que não aceitaram a vida tal como lhes foi dada projetam nos outros a mesma atitude frente aos pais. Quando os filhos exigem, o coração dos pais se fecha, e porque há exigência o coração dos pais não dá com espontaneidade e não há transferência voluntária de Amor. É tudo o que essas exigências conseguem: elas proíbem o fluxo natural de amor e mesmo que os filhos obtenham o que pedem a mais, não valorizarão.

Tais filhos não podem separar-se dos pais, ficam sendo crianças mesmo que os anos tenham passado, suas acusações os fazem sentirem-se amarrados aos pais, seguem com a sensação de vazio, seguem necessitados e fracos.

Talvez cheguem a ter medo de continuar. Pode ser que sintam que estão bloqueados, que nada dá certo, que é preciso um grande esforço para quase nada de resultado… Para estes pode ser bastante proveitoso olhar para trás e dizer:

“Papai e mamãe:

Eu recebo o que me deram e não peço mais nada.

Eu recebo, o que me deram e não peço mais nada.

Eu recebo o que me deram, e não peço mais nada.

Seguirei minha vida com minhas próprias forças”.

Na próxima semana conversaremos sobre a próxima ordem: Respeitar o que pertence aos pais e permitir que façam o que somente eles devem fazer. Me conta como está sendo para você ler estes textos, fale comigo pela Fanpage do Facebook Márcia Oliveira Constelação Familiar ou pelo Instagram @pormarciaoliveira. Será um prazer conversar com você.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades

 |   |   |   | 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail