DOS DESTINOS

(Emmanuel por Francisco Cândido Xavier)

Muitas vezes vos preocupais, nas lides planetárias, com as provações necessárias, que julgais excessivas para s as vossas forças.
    Crede! O fardo que faz vergar os vossos ombros não é demasiado para as vossas possibilidades.
    Deus tudo prevê e, sobretudo, a escolha de semelhantes provações é uma questão de preferência individual; é freqüente a vossa incompreensão a respeito desse ensinamento espiritualista.
    Estais, porém, entre as masmorras da carne, e a vossa consciência limitada frequentemente se nega a encarar a luz em todos os seus divinos resplendores.
    A Vida Verdadeira – Somente fora da existência material podeis refletir acertadamente sobre a verdade. Apenas a vida espiritual é verdadeira e eterna.
    E estais certos de que, com a satisfação dos menores caprichos sobre a face do mundo, poderíeis adquirir elementos meritórios para a existência real? O gozo reiterado não vos enlaçaria, mais ainda, na trama da carne passageira? Sabeis se poderíeis suportar a riqueza sem os desregramentos, a mesa lauta, sem os desvios da gula, a posse sem o egoísmo, o bem-estar próprio com o interesse caridoso pela sorte dos outros seres?
    Ponderai tudo isso e descobrireis o motivo pelo qual a quase totalidades dos seres humanos escolheu o cenário obscuros e triste das dores para argamassar o tesouro de suas felicidades imorredouras e o patrimônio de suas aquisições espirituais.
    A Escolha das Provas – Várias vezes já têm sido repetidos os ensinamentos que estou transmitindo sobre as provações terrestres de cada indivíduo.
    Muito antes da encarnação, o Espírito faz o cômputo de suas possibilidades, estuda o caminho e, de acordo com as suas vocações e segundo o grau de evolução já alcançado, escolhe, em plena posse  de sua consciência, a estrada que se lhe desenha no porvir, fecunda de progressos espirituais.
    Dentro do infinito do Universo e com as faculdades integrais do seu próprio “eu”, reconhece a alma que somente a luta lhe oferta inúmeras possibilidades de evolução, em todos os setores da atividade humana; e, daí, a preferência pelos ambientes de dor e privação, abençoados corretivos que a Providência lhe oferece para a redenção do passado ou para o desenvolvimento das suas forças latentes e imprecisas; cada Espírito, voluntariamente, escolhe a suas sendas futuras, conforme o seu progresso e de acordo com os desígnios superiores.
    O Esquecimento do Passado  – Na existência corporal, todavia, a alma sente a memória obscurecida, num olvido quase total do passado, a fim de que os seus esforços se valorizem; a consciência então é fragmentária, parcial, porquanto as suas faculdades estão eclipsadas pelos pesados véus da matéria, os quais atenuam ao mínimo as suas vibrações, constituindo, porém,  esses poderes prodigiosos, mas ocultos, as extraordinárias possibilidades da vasta subconsciência, que os cientistas do século estudam acuradamente.
    Tais forças e progressos adquiridos, o Espírito jamais os perde; são parte integrante do seu patrimônio e, na vida material, podem emergir no exercício da mediunidade, nas hipnoses profundas, ou em outras circunstâncias que facilitam o desprendimento temporário dos elementos psíquicos.
    A Vida é Sempre Amor – É dessa verdade que necessitais convencer-vos.
    Existe a provação e faz-se mister não se entregar inteiramente a ela. O espírito ordena e o corpo obedece. A luta é o meio para o êxito na conquista da vida. E a vida integral não é a existência terrena, repleta de vicissitudes sem conta; é a glorificação do amor, da atividade, da luz, de tudo quanto é nobre e belo no Universo; e a consciência é o laço que liga cada espírito a esse “Nec plus ultra” que denominamos – a Eternidade.

Do Livro EMMANUEL. Francisco Cândido Xavier. Federação Espírita Brasileira. Rio – RJ. 25ª Ed. 2005.
Manoel Ataídes Pinheiro de Souza – CEAC – Guaraniaçu – PR – [email protected]