O terreno da infância

Ela era a terceira filha do casal. Mais de uma vez, ouvira os pais comentando: Poderíamos ter evitado essa. À medida

Ela era a terceira filha do casal. Mais de uma vez, ouvira os pais comentando: Poderíamos ter evitado essa.

À medida em que o entendimento se acentuou, ela pôde compreender que o que eles queriam dizer é que ela não fora planejada.

Ela podia sentir isso, todos os dias, no tratamento que recebia. Jamais uma frase elogiosa, de incentivo.

Para Klara, o gênio da família, que aos cinco anos tocava violino, maravilhosamente, choviam elogios e cuidados.

Os pais a enviaram para Budapeste a fim de aprimorar a sua arte, aos cuidados de renomado professor, em um Conservatório.

Magda, a outra irmã, era pianista. Ela, Edith, a última, a raspa do tacho, nada além de críticas.

O pai lhe disse, um dia, que desejava que ela tivesse nascido menino.

As irmãs, fazendo coro às críticas, criaram uma música para ela: Você é tão feia, você é tão pequena. Nunca vai arranjar um marido.

Depois de um procedimento cirúrgico malfeito, ela ficara estrábica. Por isso, andava de cabeça baixa e não olhava para as pessoas quando falava com elas.

Sua mãe dizia que ela nunca seria bonita.

A esperança era que, aos dez anos, ela não teria mais que esconder o rosto. Doutor Klein, de Budapeste, iria consertar seu estrabismo.

Apesar de tudo, Edith foi para a escola de ballet e o seu intuito era ser a melhor. Quando sua turma foi convidada a se apresentar em um festival, ela se sentiu maravilhosa.

No estúdio, mais de uma vez fora incentivada pelo professor. Só o que ela pensava é que iria brilhar na apresentação e seus pais a iriam aplaudir.

No entanto, enquanto sonhava acordada, no trajeto de casa à escola, ela perdeu todo o dinheiro que lhe fora entregue para pagar o trimestre inteiro.

Pela primeira vez, ela enfrentou a raiva do pai, que ergueu os punhos e lhe bateu. Nenhuma palavra saiu da boca dele.

Naquela noite, em sua cama, Edith desejou morrer. Queria morrer e que seu pai sofresse pelo que fizera com ela. Também desejou que ele morresse.

*   *   *

Esses relatos são verdadeiros, contados mais de setenta anos depois, pela protagonista que, ao registrar suas memórias, escreve:

Talvez cada infância seja o terreno em que tentamos identificar nossa importância. Um mapa onde estudamos as dimensões e as fronteiras do nosso valor.

Essa menina se transformou em uma das mais extraordinárias mulheres, e se dedicou a auxiliar outras vidas, através da profissão que abraçou: Psicologia.

Os relatos de suas mágoas, que demoraram décadas para serem curadas, leva-nos a questionar o que fazemos da infância dos nossos filhos.

E nos convida a termos olhares mais atentos a todos e a cada um. A lhes descobrirmos as virtudes e incentivá-los ao seu aprimoramento.

A verificarmos quanto um elogio, um gesto de atenção, uma manifestação de carinho, pode fazer toda a diferença na vida de quem se ensaia para o mundo.

Pensemos nisso: pais e educadores temos grande responsabilidade na formação do caráter dos pequenos que estão sob nossa guarda.

Esmeremo-nos em nossa missão. Em nossas mãos repousa o futuro de outras vidas.

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail