PÁSCOA – UMA NOVA OPORTUNIDADE

O dia da Páscoa foi estabelecido por decreto do Primeiro Concílio de Niceia (ano de 325 d.C.), mas relatos bíblicos nos informam

O dia da Páscoa foi estabelecido por decreto do Primeiro Concílio de Niceia (ano de 325 d.C.), mas relatos bíblicos nos informam que a primeira páscoa foi celebrada muito antes de Cristo, ela foi celebrada na saída do povo de Israel (os hebreus) do Egito. Após Deus ter orientado Moisés sobre os critérios para celebrá-la, com a morte e compartilhamento de um cordeiro, cujo sangue deveria ser aspergido nos umbrais das portas do povo de Israel, para que na passagem do anjo da morte, esses primogênitos, cuja casas estavam marcadas por esse sangue do sacrifício do cordeiro, fossem poupados da morte. (Êxodo 12). Após essa primeira celebração ela foi anualmente celebrada, tendo o próprio Cristo celebrado com seus apóstolos. (Mateus 26.17-56).

Para os cristãos a Páscoa, celebrada antes de Cristo significava a passagem para uma nova vida, livres da opressão pecado. Depois da morte de Cristo, os judeus passaram a não mais celebrar a páscoa como a liberdade alcançada após a escravidão pelo Egito, mas como a memória da ressurreição de Cristo, que passou da morte para a vida. O que gerou, o que hoje conhecemos por ‘graça’ – um favor imerecido, de Deus a nós -, pois por sua morte fomos justificados e por sua ressurreição redimidos.

Vou ilustrar com algo simples, mas muito pedagógico que ouvi. Você deve ao banco 1 milhão de reais, além dessa dívida, você está falido, mas um dia aparece alguém que deposita em sua conta, 1 milhão de reais, o que isso significa? Que você não tem mais essa dívida, contudo, continua falido.

Foi isso que Cristo fez por nós, morrendo na cruz do calvário, pagou nossa dívida, mas ainda assim, continuamos falidos, pois estamos num corpo corruptível e inseridos num mundo igualmente corruptível.

Diariamente pecamos e com isso, não saímos da condição de falência. Assim, poderíamos pensar: Então foi em vão o que Cristo fez por nós? Não! Pois ele nos deu a livre condição de ir à Ele e se arrepender, tanto quanto pecarmos. Lembram-se da passagem bíblica que conta como o véu do templo se rasgou de cima para baixo? Ou seja, algo de sobrenatural aconteceu naquele momento em que Cristo morria na cruz,(Mateus 27.51), o que significa que naquele momento nosso acesso à Ele foi aberto, qualquer um, por mais pecador falido que seja, pode chegar a Ele, se arrepender e receber nova vida.

Aproveite essa páscoa para compartilhar, não só uma farta e saborosa refeição, com pessoas que você ama, mas compartilhe principalmente os frutos dessa nova vida que pode desfrutar em Cristo, como sendo um imitador dele. Compartilhe: amor, alegria, paz, paciência, delicadeza, bondade, fidelidade, humildade e o domínio próprio.

Feliz páscoa a todos!