“O Sorriso de Monalisa”

Cena I Ela andava pela rua pensando nos problemas da casa, situação financeira apertada, sua vida com o marido não

Cena I

Ela andava pela rua pensando nos problemas da casa, situação financeira apertada, sua vida com o marido não é ruim, mas falta alguma coisa… mas o que será? Os filhos levam tempo demais do dia, são pequenos ainda, exigem muito dela. Cada pensamento um suspiro. Muito Exausta! Estava à caminho do trabalho, eram umas 6 quadras, dormiu mal a noite, mas dormiu, por quê acordou tão cansada? Queria uns dias longe de tudo, de todos… Mas como eles ficariam, morreriam de fome no primeiro dia.

Ai Jesus, estou chegando no trabalho, não aguento mais Breno, vive fazendo “piadas” sem graça, será que só eu vejo que são sem graça e só ele ri? Ah não, lá vem a Marcia vai me perguntar como eu estou. Não quero dizer, senão eu choro. (Não me pergunte, não me pergunte pelo amor de Deus)

OI Ju, Como você está, está bem?
(Não chora, não chora) Respiro fundo E com um sorriso reto olhar transpassante, digo: Sim, Márcia, Estou muito bem (SORRISO DE MONALISA) Pelo Amor de Deus que ninguém mais me pergunte isso hoje, nem em casa… Esse sorriso tem que durar dia todo, mês todo, mas….

3 semanas depois

O quadro de Ju piorou, o choro já não estava mais controlado, insônia, apatia, não sentia prazer em nada, um quadro de ansiedade assomou-se, trazendo pensamentos ruminativos (repetitivos), vontades de sumir, falta de energia para fazer qualquer coisa de atividade diária, desde as mais básicas, irritabilidade pela falta de compreensão dos outros. Sente-se sozinha, quer ficar sozinha, tristeza durante o dia, um vazio, de noite um inquietação, um peito cheio que parece que só o choro ou grito ou extravasar pode aliviar, entre outros

Barbaridade, mas como vamos ajudar a Ju? Vamos ouvi-la e orientá-la, caso ela não consiga se expressar, acompanhá-la ao especialista de saúde mental da sua unidade básica, e seguir os encaminhamentos.
Mas o que eu Diria pra a Ju é o seguinte: Ju, por mais que tu aches que as pessoas não te entendem, pelo menos elas estão do teu lado. A situação que você está é reversível. Depende de você e dos profissionais e as técnicas que vocês traçarem. O esgotamento psicológico de ser “ser humano” com suas responsabilidades nos traz muitas situações que aparentemente não sabemos lidar sozinhos. Mas não estamos sozinhos no mundo. As “Ju’s” e os “JU’s”, não importando a idade ou condição social, ou conjugal, todo mundo pode ter a predisposição a ter comportamentos indicativos de doenças como depressão e/ou ansiedade.
O que difere esta “depressão e ansiedade” são a frequência, duração, intensidade e prejuízos que a pessoa está vivenciando. O bom seria não esperar muito para procurar uma avaliação, procure um psicólogo, entre outros profissionais que te encaminharam para o melhor caminho.

Via Láctea (Legião Urbana)
Quando tudo está perdido
Sempre existe um caminho
Quando tudo está perdido
Sempre existe uma luz

Te Consertar (Fix You-ColdPlay)
Quando você tenta o seu melhor, mas não tem sucesso
Quando você consegue o que quer, mas não o que precisa
Quando você se sente cansado, mas não consegue dormir

Mande seu comentário dúvidas, pelo WhatsApp: (46) 9 9921-5553 ou (42) 9 9826-7433

Facebook: TaianeFrancoPsicologa

Instagram: @taianefrancopsico

Não deixe de participar… Atendimentos na Psiclínica, Av, Santos Dumont, 1267, Água Verde, sentido UFFS.