Melhor fechar a janela!

Estamos acabando o ano, que quase acabou conosco. Esse ano mexeu com a estrutura de todos, mas nada foi tão

Estamos acabando o ano, que quase acabou conosco. Esse ano mexeu com a estrutura de todos, mas nada foi tão abalado quanto às estruturas maternais. As mães, como se já não bastasse tudo o que elas têm para fazer, precisaram virar professoras dos filhos!
Dias tensos, de nuvens no céu e tempestades a caminho! De janelas e portas fechadas para que a vizinhança não ficasse assombrada com os métodos pedagógicos utilizados nesse ensino domiciliar.
As supermães tornaram-se as professoras, pedagogas e, em últimos casos, a diretora da Escola Lar Doce Lar, que atende em tempo integral, inclusive nos finais de semanas, feriados e madrugadas! Isso sem deixar de serem mães. O acúmulo de funções não remuneradas, diga-se de passagem, e a indisciplina dos filhos não tem limite.
Ensinar geografia, sem ao menos conhecer os pontos cardeais, é uma tarefa exaustiva. Sem contar com o processo de convencimento necessário para que, a criatura, que não está fazendo nada, além de teimar, brigar com os irmãos e reclamar que não pode ver os amigos, leia um mísero capítulo do livro para responder as questões da prova:
_ Filha, leia esse capítulo pra fazer a prova!
Por que tenho que ler? _Por que o professor mandou! _Mas, manhê, o prof nem tá aqui. Dá nada, não! _Ele não está, mas você precisa ler para compreender e poder responder as questões da prova e tirar uma boa nota! Manhê, pra tirar nota é só pesquisar no brainly?
_ Brainly? Não era no Google?
_ Sim, manhê, o Brainly fica dentro do Google!
_ Dentro do Google? Não sabia que o Google tinha dentro!
_ Ah, você entendeu! Tá sendo debochada! Depois fala de mim!
_ Para de enrolar, menina, e leia esse capítulo!
_ Mas não precisa!
_ Precisa sim! Vai ler, porque quero ouvir você ler! Quero ver como você está lendo! Talvez nem saiba mais ler, de tanto tempo que faz que não te vejo com um livro na mão!
_ Nesta casa nem tem os livros que eu quero!
_ Como assim? Tem coleção de livros por aí! Não inventa desculpas!

  • Tá booooom!- respondeu revirando os olhos!
    _ Agora vamos lá! Enquanto eu passo essa roupa, você lê o capítulo que o professor mandou!
    _ Que saco!
    Vamos lá! disse a mãe fingindo não ouvir a reclamação da filha.
    Colocou-se a passar a montanha de roupas da família inteira, enquanto aguardava a decisão da filha em ler o bendito capítulo.
    Um instante de silêncio tomou conta do ambiente. Para a satisfação materna, em ter domado a fera, vendo-se encurralada, a menina começou:
    “Relevo!”
    Tem relevo no minecraft… _Viu que importante! A pessoa que fez o joguinho entendia de Geografia! Tentou a mãe ser enfática e convincente.
    _ Sem aplainar bem o terreno, não dá para plantar no jogo! Eu acho o jogo muito melhor que esse livro cheio de palavras e mais palavras, sem um desenhinho!
    _ Tá bom, mas agora continue a leitura! Quanto mais você demora pra ler, mais vai demorar pra jogar!
    “Montanha, planície, vale, depressão.”
  • Ah, sim! Depressão! Tem bastante gente que tem, né, manhê?
    “Sim, filha, inclusive as mães que tentam ensinar os filhos!”- Pensou mas não disse nada, apenas soltou uma gargalhada e disse:
    Mas essa depressão, não é a mesma que a doença depressão! É, eu acho que já tenho essa outra aí, de tanto estudar!
    Veio a tempestade e acabou a luz, para a alegria e o alívio temporário dessa pobre criatura, mas para desespero da mãe que não conseguiu nem passar as roupas, nem fazer a filha estudar. No entanto, esse já é outro capítulo da Série Quarentena!

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail