Notícias Locais

A resistência da paz e do amor no Natal

‘Dona’ Nelsa Telli mantém as tradições de fim de ano e fala da paixão pela época. A decoração natalina de sua casa para a temporada 2018/2019 começou ontem
["Todos os anos a casa vira ponto tur\u00edstico em Laranjeiras"] (Foto: RCA)

A contemporaniedade é como uma avalanche que vem e deixa pra trás culturas e tradições as vezes cultivadas por séculos. O Natal, data em alusão ao nascimento de Jesus Cristo, é uma daquelas que vem beirando a extinção – não do feriado em si, mas das festas e especialmente do signficado literal da data.

Em meio à todo esse movimento, algumas pessoas resistem e tentam tardar o máximo possível o tal ‘desvirtuamento’ do Natal. É o caso de dona Nelsa Telli, de 83 anos. A laranjeirense cultiva entre os mais notáveis, o ato de enfeitar sua residência, na Avenida Santos Dumont. A temporada 2018/2019 na casa de Nelsa começou ontem (12) e no dia 22 acontece a tão aguardada apresentação do Coral da Igreja Matriz Santana.

Há 23 anos, ela investe, e enche a casa de enfeites, dedicação e amor. Sem retorno financeiro, o que ela recebe são as milhares de visitas à cada ano. “Acredito que por ano sejam mais de 5 mil pessoas que vem aqui visitar”, diz.

 

Tradição de berço

A cultura natalina está enraizada em dona Nelsa desde a infância. Com ela, o assunto é sério e importantíssimo – e não há de ser?

“Se fazemos festa para o aniversários dos nossos filhos, parentes e amigos, porque não para o menino Jesus? Não precisa fazer a loucura que faço, mas se cada morador colocasse um jogo de luz em sua casa, a cidade ficaria linda”, diz dona Nelsa.

“Desde criança, quando morava no interior do Rio Grande do Sul, saíamos ‘no mato’ procurar pinheirinhos para enfeitar o quintal, a casa. Em 1959 vim morar em Laranjeiras, em 1966 me mudei para essa casa. E desde sempre nunca passei o natal fora da cidade e da minha casa. Quando meus pais eram vivos, eles vinham confraternizar comigo. Hoje, são os filhos, netos e amigos. As ceias passam tranquilamente de 40 pessoas. Sou apaixonada pelo Natal. Meu genro, doutor Isac, costuma dizer que o Natal é o meu remédio, pois nunca fico doente nessa época e se estou, logo melhoro.

Em idade avançada, dona Nelsa reitera que faz tudo por amor, mas que as limitações físicas tem atrapalhado. “Chegou ao tempo em que preciso de ajuda, não consigo mais fazer sozinha. Este ano veio o pessoal do grupo dos escoteiros, da Rádio Educadora e me ajudaram. Também preciso agradecer a Maria Trento, a Rede Lar de Supermercados, o Mário e Hugo Turra, que ajudaram de forma voluntária”.

A temporada 2018/2019 na casa de Nelsa tem previsão para terminar entre os dias 8 e 10 de janeiro. Ela aproveita para pedir a ajuda de voluntários, dessa vez para a remoção dos objetos.

“Desejo paz, saúde, felicidades e que o Brasil deixe de certas besteiras. Ah, e quero ver o pessoal aqui na frente de casa para me divertir”, diz a entusiasmada senhora.