Saúde

As perigosas interações do álcool com vários tipos de remédio

O consumo excessivo de álcool pode levar a dependência química (Foto: Divulgação)

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, o consumo de álcool per capita no Brasil excede a média internacional – tendo chegado a quase 9 litros em 2016, em comparação aos 6,4 do resto do planeta.

Pensando neste cenário, o Conselho Regional de Farmácia de São Paulo preparou uma material com as principais interações entre medicamentos e a bebidas.

 

Efeitos de medicamentos misturados com álcool

Dipirona: pode haver potencialização.
Paracetamol: risco de hepatite medicamentosa;
Ácido acetilsalicílico: risco de sangramentos no estômago;
Antibióticos: Pode causar vômitos, palpitação, cefaleia, hipotensão, dificuldade respiratória, morte, inibição de efeitos e toxidade hepática;
Anti-inflamatórios: risco de úlcera gástrica e sangramentos;
Antidepressivos: reações adversas e efeito sedativo, além da diminuição na eficácia do medicamento;
Calmantes (ansiolíticos): aumento no efeito sedativo, maior probabilidade de coma e insuficiência respiratória;
Inibidores de apetite: Tontura, vertigem, fraqueza, síncope, confusão mental entre outros;
Anticonvulsivantes: Efeitos colaterais, risco de intoxicação e diminuição de eficácia contra as crises de epilepsia.