Esporte

Bronze: mais robusto, Mixto Bordô mira o acesso em 2019

Clube de Telêmaco Borba vem se reestruturando e pretende também reativar o futebol profissional
O elenco que disputou a Série Bronze de 2018 pelo Mixto Bordô (Foto: Vanderlei Lima/Rádio Voz Máxima de Coronel Vivida )

Localizada na região dos Campos Gerais, a cidade de Telêmaco Borba possui uma relação histórica muito firme com o esporte estadual. Em 1955, o atualmente extinto Monte Alegre tornou-se o primeiro clube fora da capital Curitiba a conquistar a elite do futebol do estado.

Passados mais de 60 anos do fato que colocou o município entre os destaques do esporte bretão do Paraná, os esportistas nutrem outra paixão: pelo Mixto Bordô.

História

Fundada em 1988, a equipe iniciou as atividades profissionais também no futebol de campo. Em 1989 disputa a Segunda Divisão do Campeonato Paranaense, sendo eliminada ainda na primeira fase. Já em 1990, o Bordô fez uma brilhante campanha e caiu apenas na semifinal, quando cedeu a vaga na final para o União Operário, de Laranjeiras do Sul. No ano seguinte, o time é convidado para disputar a elite estadual, mas optou por disputar novamente a segundona. Se licenciou das atividades em 1993, retornou dois anos depois e voltou a paralisar as atividades em 1996 e nunca mais disputou nenhuma competição dos gramados.

No ano de 2017, o atual presidente e ex-jogador do Mixto Bordô, Rafael Quintiliano e outros cartolas do esporte telêmacoborbense, reativaram o projeto das atividades profissionais. Estreia em competições profissionais de futsal em 2018, participando e terminando na 13ª colocação entre 23 disputantes do Paranaense Série Bronze.

Análise da estreia

Para o supervisor e diretor de sindicândia do Mixto, Rogério Bibiano, a campanha em 2018 foi satisfatória. “Se levarmos em consideração as dificuldades iniciais com montagem de elenco, além das barreiras de infraestrutura, digo que foi uma campanha de superação, com ótimo aproveitamento jogando em casa e isso se reflete nos números da nossa campanha, dos 4 times que garantiram o acesso, vencemos três em Telêmaco Borba (não jogamos contra o Chopinzinho). Faltou aquele detalhe a mais de experiência para os meninos em jogos fora de casa, mas num apanhado geral, fomos bem”, diz Bibiano.

Para 2019

Para a temporada que adentra, a diretoria do Bordô prepara um projeto mais arrojado e almeja um desempenho batendo ‘nas cabeças’ da Série Bronze. A diretoria do clube conta com a participação de um projeto de incentivo ao esporte, promovido pela prefeitura de Telêmaco Borba e que deverá ajudar o orçamento do Mixto com aumento de 40% em relação a 2018. A novidade trará novas verbas que influenciarão em uma melhor estrutura e investimentos no time. Apesar do recurso que possibilita ‘novos horizontes’ para a instituição, Bibiano garante que a filosofia da diretoria deve continuar sendo a mesma: apostar e valorizar os ‘pratas da casa’. “Da cidade, já renovamos com cinco. Estamos acertados com dois jogadores de fora e que, a pedido da diretoria, não anunciamos os nomes. Eu, assim como a diretoria, gostamos de pensar em um passo de cada vez, mas o objetivo final é subirmos para a Série Prata em 2020”, explica. Um dos remanescentes do elenco de 2018 é o goleiro Maycon, grande nome do time.

O goleiro Maycon, destaque em 2018, renovou o contrato com o Mixto Bordô

 

Novo treinador

Bibiano conta que a escolha do técnico para temporada de 2019 ainda não foi colocada em xeque. “Não é algo tão simples, pois envolve custos e caso não consigamos um treinador, deveremos (diretoria) seguir no comando da equipe”.

Presença da torcida

Apesar da participação ainda apagada da torcida nos jogos em casa, a cúpula da diretoria do Mixto Bordô está confiante para que haja um enganjamento maior por parte dos telêmacoborbenses. “O nosso torcedor foi sempre algo muito especial em todos os jogos em nossa casa. Apesar de ainda termos a presença de poucos torcedores em números, uma presença sempre muito importante, de uma galera que joga com o time e que em muitos jogos empurrou a equipe rumo a vitória. Em 2019, esperamos mais torcedores, mais famílias no nosso ginásio”, comenta Rogério Bibiano.

Formato da Bronze 2019 e Federação

Alvo de críticas por parte de diversos clubes ao longo da Série Bronze 2018 – como do campeão Coronel Vivida e CAC Cantagalo -, a Federação Paranaense de Futebol de Salão (FPFS) também foi alvo dos comentários do mandatário de Telêmaco Borba.

“Eu creio que os clubes não podem esperar muito da FPFS pois há anos esta diretoria vem fazendo um trabalho tímido para com os clubes da Série Bronze. Acredito que os clubes precisam se mobilizar fora das quadras, através das redes sociais, da facilidade de comunicação existente graças ao advento tecnológico e quando chegarmos no Arbitral, os clubes definirem o que é melhor para a competição. Isso inclui obviamente, um regulamento que valorize as melhores campanhas e sobretudo, uma competição que seja rentável para as equipes e a FPFS têm totais condições de fazer mais pelos clubes da Bronze e consequentemente termos um campeonato mais forte ainda”, enfatiza.

Retorno ao futebol

O clube também cogitava retonar às competições profissionais do futebol, mas a participação no Paranaense da Terceira Divisão de 2019 já foi descartada, bem como também nas categorias de base. “Aqui nós vamos com calma. Quando voltarmos, voltaremos para ficar e não como muitos times, que apostam naquela ideia imediatista, retornam por 2 anos e param. Temos um planejamento a longo prazo, com ideia de formação de atletas – para vender, obviamente – e esperamos estar dentro da realidade do que é o futebol hoje em dia: profissional”, enfatiza Bibiano, que diz ter o segredo para uma trajetória longínqua e saudável do clube no futebol de campo. “Muitos clubes do interior morreram e morrem porque o profissionalismo fica na beira do campo”.