Esporte

Campeão em 2013, Rebouças quer repetir sucesso na Bronze

Com o mesmo treinador e esperando o Camilão lotado, clube do sudeste mira vaga na Prata
Rebouças + Camilão lotado = temor! (Foto: Reprodução)

Campeão em 2013, o Rebouças está de volta ao Campeonato Paranaense de Futsal da Série Bronze. A equipe confirmou a participação no estadual de 2019 e quer voltar a surpreender na competição.

Logo na sua primeira aparição em uma competição profissional, o clube desbancou favoritos como Pinhais e Castro e ficou com o título da terceirona.

Eles têm a fórmula do sucesso

A diretoria tem procurado seguir à risca os caminhos que levaram o time ao sucesso no passado. Uma das medidas, foi chamar o técnico Aguinaldo Santos. Ele foi o comandante da equipe campeã em 2013. Na temporada passada, ele dirigiu a equipe feminina de Irati, no Paranaense Série Ouro da categoria.

Elenco campeão da Série Bronze de 2013 com o Rebouças/Foto: Reprodução

 

Além dele, dois atletas que fizeram parte do elenco histórico devem acertar a volta. Casos do pivô Binho, que foi o artilheiro da Bronze em 2013 com 31 gols, e do fixo Edimar. Ele foi o capitão e balançou as redes por 29 vezes naquele ano. O pensamento da diretoria é ousado, mira o acesso à Prata e, posteriormente, o título.  

Selecionando pra fazer seleção

O clube quer manter a tradição e ter no time uma base de pratas da casa, mas admite que está no mercado à procura de ‘peças’ específicas. “Teremos vários atletas da casa. Realizamos durante essa semana algumas peneiras, que tiveram a participação de atletas de cidades vizinhas, como São Mateus do Sul e Rio Azul. Faremos uma seleção destes para compor o elenco. Também contrataremos algumas peças em específico, já trabalhamos com alguns nomes, que em breve anunciaremos”, conta o coordenador técnico, Enoch Pereira.

Presença da torcida

Um de seus alicerces em 2013, a torcida do Rebouças é tida como ponto preponderante ao sucesso do time. Enoch lembra que os jogos no Ginásio Camilão em 2013 tinham uma presença grande de público. “A nossa média naquele ano foi de 1,5 mil torcedores por jogo. Nossa cidade é apaixonada pelo futsal e o torcedor será fundamental agora em 2019”, diz.

Comparações e pressão

Comendo pelas beiradas no ano que chegou ao título, o Rebouças terá que lidar com a expectativa criada pela torcida. Se naquele ano o time não entrou com o objetivo claro de brigar por algo grande, esse sentimento, na mente do torcedor, já existe para a temporada atual.

“Teremos pressão. As pessoas pensam que será ou pode ser a mesma coisa que aconteceu em 2019. Mas são outros jogadores, outras equipes disputando conosco, outros momento”, enfatiza Enoch.

Novo escudo

Uma das novidades do Rebouças é a mudança de escudo, que agora mescla as cores azul e vermelho com uma locomotiva, referenciando a história do município.

Localizado no sudeste do Paraná, Rebouças possui 88 anos de emancipação política. Na região, havia uma ferrovia, projetada por Antônio Rebouças, que deu origem ao nome da cidade.