Saúde

Fobia social: os problemas enfrentados no dia a dia

Algumas pessoas acabam sofrendo por antecipação, afetando diariamente a rotina, comprometendo a qualidade de vida, seja na escola, no trabalho em alguma atividade social
(Foto: Reprodução)

Fobia social ou ansiedade social é um transtorno originado da ansiedade intensa ou medo de ser julgado, avaliado negativamente ou rejeitado em uma situação social ou em um período de avaliação de desempenho. Pessoas com fobia social podem se preocupar em excesso ou agir de forma visivelmente ansiosa em situações sociais (corar, gaguejar, perder o ar enquanto falam, entre outros). Como resultado, muitas vezes evitam situações sociais, sofrendo com extrema angústia.

A psicóloga Adiely Sobierai, conta como esse transtorno é prejudicial à saúde das pessoas. “As pessoas sentem fortes sintomas físicos, como ritmo cardíaco acelerado, náusea e sudorese, e podem sofrer ataques completos quando confrontados com uma situação temida. Embora reconheçam que seu medo é excessivo e irracional, as pessoas com fobia social frequentemente se sentem impotentes diante de sua ansiedade”, explica.

Possíveis causas


O que parece estar relacionado a causas genéticas como a hereditariedade, por exemplo, a Fobia Social está mais propensa a ser uma doença com características de ser aprendida pelo ambiente no qual a pessoa está inserida. Alguns psicólogos afirmam que se pode associar a Fobia Social com a forma como a pessoa foi educada pelos pais, ou por algum trauma que tenha sofrido na infância, como bullying, rejeição ou ridicularização.

Adriely declara que pessoas que sofrem com a fobia social tem medo principalmente de ficar em ambientes cercados por pessoas que não conhece. “Possuem medo em se expor, medo em o que as pessoas estão pensando sobre ela e algumas vezes acaba gerando até uma certa perseguição, assim na cabeça dela, é claro”, destaca.

Sintomas


Existem pessoas naturalmente mais reservadas ou extrovertidas que outras. Timidez e desconforto em ambientes sociais não são necessariamente Fobia Social. É preciso considerar que o comportamento das pessoas varia de acordo com que são submetidas a determinadas situações, e isso está direcionado com a personalidade de cada um e também com a sua trajetória de vida. 

Os sintomas vão muito mais além do que desconforto e ansiedade, algumas pessoas acabam sofrendo por antecipação ao ponto de o nervosismo diário afetar diretamente a rotina diária comprometendo a qualidade de vida, seja na escola no trabalho ou em alguma atividade social. Algumas pessoas confundem timidez com a Fobia Social, mas há diferenças muitos significantes. A timidez faz com que algumas pessoas sintam vergonha, mas isso não afeta o caminhar da vida. Já a Fobia Social limita drasticamente o desenvolver de atividades rotineiras, como usar um banheiro público, ou entrar numa sala em que as pessoas já estão sentadas.

A psicóloga comenta que a fobia afeta significativamente na saúde das pessoas. “Acabam não saindo mais de casa, deixa de trabalhar, deixa de ter amigos, deixa de ter uma vida social, é um dos transtornos que acaba fazendo com que a pessoa se feche, ficando preso em casa justamente pelo medo do sair e que algo de ruim aconteça”, conta Adriely.

Tratamento


A psicóloga finaliza falando sobre a importância do tratamento para este tipo de problema. “É de suma importância que essas pessoas saibam que existe tratamento, isso é algo que gera muito sofrimento, quanto mais o tempo passar mais difícil vai ficar, busquem ajuda e resolvam o quanto antes porque não é algo fácil de lidar, pais fiquem atentos as crianças ou adolescentes, que os adultos tenham consciência de que existe tratamento e que existem muitos profissionais dedicados que vão conseguir fazer com que isso não se torne um problema na convivência social, familiar, enfim na vida dessas pessoas”, finaliza Adriely.