Esporte

Impasse pode fazer AEL desistir da Bronze

Em coletiva nesta terça, o secretário de Esportes Rafael Nascimento, disse que o Tricolor não cumpriu com o acordo firmado entre eles; clube contraria
Prefeitura convocou a imprensa para justificar a parada de repasses (Foto: Divulgação/Assessoria)

Algo obscuro paira sobre o futuro da AEL no Campeonato Paranaense de Futsal Série Bronze. Após conquistar a classificação para a segunda fase, o time do técnico Nelson Ramos ameaça desistir do estadual! O motivo da desistência seria o fato da prefeitura não estar mais arcando com a alimentação, transporte e taxas de arbitragem (jogos em casa).

Visando explicações, a administração municipal concedeu ontem (7), uma coletiva de imprensa com o secretário de Esportes de Laranjeiras do Sul, Rafael Nascimento. Segundo ele, o rompimento com a associação esportiva foi motivado pelo não cumprimento, por parte da AEL, de certos compromissos. A reportagem do Correio esteve presente e conversou com Rafael. Confira a versão da prefeitura sobre o caso, proferida pelo secretário e em seguida a do clube, pelo seu diretor Alex Shroeder.

 

VERSÃO PREFEITURA

“Todos os nossos acordos com associações esportivas precisam envolver parcerias de interesse público. No caso da AEL, iríamos arcar com as taxas de arbitragem em casa, e o transporte e alimentação em jogos longe de Laranjeiras. Em contrapartida, o clube deveria criar categorias de base. Isso não aconteceu. Outro ponto foi a falta de transparência de recursos públicos e privados, a sociedade precisava saber o que entra da prefeitura e o que entra de patrocinadores na AEL. Uma associação esportiva sem fins lucrativos precisa mostrar seriedade e transparência do dinheiro que está recebendo. Também não houve prestação de contas em relação as rendas das partidas em casa. Não parou por aí, a única modalidade que ainda está a ‘deus dará’ pros Jarcan’s é o futsal. A montagem desse time ficava a cargo da AEL. Não existe esse time! A base da AEL não é de Laranjeiras! Vamos para os Jarcan’s e o time da AEL vai jogar contra nós, pois alguns destaques do time são de Guaraniaçu. E aí, como fica? Então, existia um investimento do poder público, mas não tivemos o devido retorno. A associação de Judô tem um investimento pesado nosso, mas eles treinam 200 alunos gratuitamente. Portanto, estamos nos desdobrando, convocaremos os amantes do futsal e faremos essa equipe pros Jarcan’s. Agora, deixo claro que a prefeitura não privilegia nenhuma modalidade. O futsal, o vôlei, o xadrez, pra nós tem a mesma importância e recebem o mesmo tratamento. Mas não temos como apoiar um projeto que não está mostrando resultado para a população. Não é um rompimento com a modalidade. Estamos repensando esse projeto e apresentaremos um novo projeto para o amante do esporte. Queremos um projeto que cuide de nossos atletas, queremos ter desde o sub-7 até o sub-20 e que quando o treinador da equipe adulta precisar de material humano, ele possa ‘subir’ alguém da base. A população precisa desse tipo de projeto, precisamos valorizar os nossos atletas e a AEL não fez isso. Esse novo time será apresentado já nesses Jarcan’s e ano que vem deve disputar a Bronze. Se o futsal feminino mantém uma equipe na Série Ouro, porque o futsal masculino não pode estar lá também?”, argumenta o secretário de esportes Rafael Nascimento.

 

VERSÃO AEL

“Os compromissos assumidos pela AEL com a prefeitura foram estes: representar o município nos Jogos Abertos, projetos sociais com crianças carentes e os Jarcan’s. Já estamos com o time dos Jarcan’s encaminhado, inclusive com sete atletas que se destacaram na Copa Rádio Campo Aberto. Inclusive, já disputaram a Copa Tiva em Guaraniaçu, com o intuito de que a equipe pegue entrosamento. A prefeitura, há três jogos, não cumpre seu compromisso conosco. Eles não me convocaram para nenhuma reunião pra me questionar ou informar sobre a paralisação da parceria, fui atrás do prefeito e ele não me recebeu. Sobre nossos compromissos com a prefeitura, em primeiro lugar a AEL não tem responsabilidade de criar escolinhas de futsal. Havíamos acordado que reuniríamos crianças carentes todos os sábados e propiciar a eles a prática esportiva. Cumprimos e inclusive fornecemos a alimentação dessas crianças. A AEL não é secretaria de Esportes pra ser responsável pelas categorias de base de uma cidade. Nos comprometemos e realizamos projetos sociais. Nossa associação é uma entidade filantrópica estadual, a única de Laranjeiras. Só conseguimos isso com honestidade. Sobre a transparência, em nenhum momento pegamos recursos públicos. O dever da prefeitura era fornecer material esportivo, que foi cumprido, e o pagamento de transporte, alimentação e taxas de arbitragem. Porém, esse dinheiro não passava pela mão de nenhum representante do clube. Eles pagavam o transporte e a alimentação para as próprias empresas e a taxa pra federação. Temos o detalhamento de renda e público de cada partida e posso fornecer pra eles (prefeitura) quando quiserem. Sou vereador e entrei na política pra fazer a diferença. Não participo de conchavos. Acredito que a AEL está sofrendo esses ‘cortes’ pela minha conduta dentro da Câmara de Vereadores. Não sei o que vai acontecer, quero sentar e conversar com eles, quero ouvi-los. Estou aqui pelo bem do esporte. Estou preocupado. Passamos de fase na Bronze e dessa forma não teremos condições de prosseguir na competição, pois não temos condições de honrar nossos compromissos financeiros sem esse apoio da prefeitura”, diz o diretor esportivo da AEL, Alex Shroeder.