Política

Prefeito de Três Barras do Paraná barra aumento da tarifa da Sanepar na cidade

Prefeito Hélio Bruning assina Decreto contra aumento da tarifa da Sanepar (Foto: Lindomar Pereira)

O prefeito de Três Barras do Paraná, Hélio Bruning, assinou decreto proibindo o reajuste de 12% das tarifas da Sanepar autorizado pela Agepar. O documento publicado no dia (02) de maio, afirma que o aumento “extrapola a inflação aferida nos últimos 12 meses” e veda a Sanepar da aplicação do reajuste das tarifas de água e esgoto do município.

De acordo com  o Executivo Hélio Bruning, a população não aguenta mais tantas contas para pagar. "Nesse momento de crise, em que as pessoas se encontram em dificuldades financeiras, não há como consentir com esse aumento", cita o prefeito Hélio Bruning.

Outro ponto a ser destacado é sobre o consumo de água, também observado pelo prefeito. De acordo com os moradores, quando há falta d'água, o ar acumulado nos canos faz com que o relógio dispare e, com isso, o consumo acaba sendo maior do que deveria.

ABSURDO

O prefeito classificou o reajuste de “absurdo” e justificou em que a prefeitura tem competência legal de barrá-lo por ser tratar de tarifas de uma empresa estatal que presta serviço ao município de Três Barras. “Quem deveria autorizar o reajuste é o município, só será possível realizar um ajuste acima de 4% caso a empresa apresente uma justificativa plausível”, comentou Bruning.

O prefeito Hélio Bruning espera que a medida “sirva de exemplo para outros municípios do Paraná”. Caso isso ocorra, a Sanepar pode ser ver envolvida num grande processo de judicialização tendo que apelar ao poder Judiciário para autorizar os reajustes, elevando ainda mais o desgaste ao governo do estado em relação ao reajuste.

Prefeitura e Câmara estão alinhadas jurídica e politicamente para defender os interesses do município e não lesar os contribuintes tendo em vista que o reajuste de água e esgoto proposto ultrapassa em muito a inflação aferida nos últimos doze meses.

Bruning afirmou que a união dos poderes Legislativo e Executivo é importante para defender os interesses dos tribarrense. “Esse aumento abusivo afeta diretamente os mais humildes e não é compatível com a realidade econômica nem com os serviços que recebemos da Sanepar. Além de não autorizar esse reajuste vamos reivindicar melhorias para nosso município e cobrar da Sanepar um serviço eficiente. Hoje tivemos um grande avanço em benefício da nossa comunidade”, fianaliza Bruning.


Entenda o caso:

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar) homologou, no último dia 15, um reajuste de 12,13% na tarifa de água e esgoto, pedido pela Companhia de Saneamento do Paraná - Sanepar. Vem sendo bastante debatido no Estado inteiro que o valor está bem acima do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de maio de 2018 a abril de 2019, que foi de 4,3%.

A data na qual o reajuste entrará em vigor depende da homologação da Agepar. Segundo a assessoria da Sanepar, o reajuste pode ser aplicado 30 dias após a respectiva homologação. O aumento vale para 346 dos 399 municípios atendidos pela Sanepar. Cabe lembrar que no ano passado, o reajuste repassado ao consumidor foi bem menor, ficando em 5,12%.

Claudio Stabile, presidente da Sanepar, juntamente com o Diretor-Presidente da Agepar, João Bresolin Araújo, foram à Assembleia Legislativa do Paraná terça-feira (23), para explicar aos deputados como foi calculado o reajuste na tarifa.

O aumento que a Sanepar quer repassar aos consumidores, apesar de representar mais do que três vezes a inflação do período - que, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 3,75% -, era para que o reajuste fosse ainda maior. No requerimento encaminhado à Agepar, a Sanepar requisitou um aumento de aumento de 22,73%.

A situação está sendo discutida inclusive no âmbito judicial. Aguardamos por um desfecho justo do assunto, no qual o consumidor não seja ainda mais sacrificado com o aumento da tarifa.