• Laranjeiras do Sul, 27 de abril de 2018
  • Versão Impressa
  • Fale Conosco
  • 17º C

    Castro, 27 de abril de 2018

    Hoje

    17º C Encoberto

    24º C 16º C

    Esta semana

    25º C 16º C
    25º C 15º C
    25º C 13º C
    26º C 13º C
Agronegócio

Presidente da CNA defende financiamentos alternativos para o agronegócio

Brasília (01/02/2018) – Ao discursar na abertura do seminário Agro em Questão, esta semana, o presidente da CNA, João Martins, defendeu ações para o fomento de fontes alternativas de financiamento que proporcionem maior inclusão financeira dos produtores rurais.

O seminário Agro em Questão – Financiamento para o Agronegócio, na sede da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em Brasília, reuniu economistas, representantes do governo, de bancos, do setor produtivo, de cooperativas e produtores para debater desafios e alternativas que garantam o crescimento do setor.

Ao abrir seu discurso, João Martins afirmou que o crescimento da agropecuária gera preocupações com o crédito rural que tem um papel fundamental na busca da competitividade. O crédito rural permitiu o aumento continuado da incorporação de tecnologias nos empreendimentos rurais, elevando a sua capacidade produtiva e o desempenho do setor.

 


EVOLUÇÃO


Mas as mudanças conjunturais, os cortes orçamentários recorrentes, o prazo exíguo dos financiamentos e a maior seletividade das instituições financeiras na concessão do crédito rural, por exemplo, trazem desafios tanto para o produtor, associações e cooperativas como para os demais agentes do agro. Precisamos pensar no futuro, pensar nas demandas da moderna agropecuária brasileira, disse Martins.

O presidente da CNA afirmou que os investimentos nas propriedades rurais são essenciais à incorporação e uso intensivo de tecnologias, contribuindo para a sustentabilidade das atividades dentro da porteira. São necessários também para aumentar o poder de barganha do produtor e a sua rentabilidade.

Por isso, hoje, produtores, técnicos e autoridades são convidados a debater sobre como deverá evoluir o financiamento do agronegócio para assegurar o seu crescimento.

 


NOVAS PROPOSTAS


Em seu discurso, João Martins também destacou a necessidade de discutir propostas de aprimoramento dos instrumentos de gestão de riscos, além do aumento da competitividade na oferta de crédito, atração de investimentos externos e pulverização das fontes de financiamento para o setor e ações para amenizar o impacto das restrições fiscais sobre a política de crédito rural oficial.

Temos a certeza que os produtores rurais e o Brasil vão ganhar muito com a realização desse debate, finalizou João Martins.

Participam do encontro o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, a secretária de Tesouro Nacional, Ana Paula Vescosi, a deputada federal Tereza Cristina e o presidente da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA, José Mário Schreiner.

 


BNDES


Também na abertura, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, falou sobre as linhas de financiamento da instituição financeira para o agro e os desembolsos para o segmento. Ele informou que o banco prepara a elaboração de um cartão para financiamento direto ao produtor, sem intermediação financeira.