Agronegócio

Vacinação contra febre aftosa inicia amanhã

Nessa campanha serão vacinados todos os bovinos e búfalos, com idade de até 24 meses
A forma mais eficiente, prática e barata de prevenção é por meio da vacinação (Foto: Divulgação/Internet)

Amanhã (1º), a maioria dos estados brasileiros e o Distrito Federal começam mais uma etapa de vacinação contra febre aftosa. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) alerta ser muito importante que o criador continue imunizando o rebanho, conforme o calendário oficial de vacinação de cada estado. O rebanho brasileiro soma 218 milhões de animais entre bovinos e búfalos. O prazo para vacinar e comprovar vai até 31 de maio.

O Paraná é uma zona livre de febre aftosa com vacinação, reconhecida pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

A forma mais eficiente, prática e barata de prevenção é por meio da vacinação dos bovinos e búfalos, durante as campanhas que ocorrem a cada seis meses, sempre em maio e novembro. Na etapa de maio é obrigatória a vacinação dos bovinos e búfalos com idade até 24 meses. E na etapa de novembro, todos os bovinos e búfalos existentes na propriedade devem ser vacinados, inclusive os bezerros com poucos dias de vida.
Além da vacinação, outra estratégia fundamental é a vigilância sanitária, com destaque para o cadastramento do setor pecuário e o controle do trânsito de animais, visando impedir que animais contaminados entrem no estado. Por isso são feitas as fiscalizações do transporte animais.
 

CAMPANHA

De acordo com a fiscal de defesa agropecuária da Adapar de Laranjeiras do Sul, Daian Loyola Kamta, a partir do dia 30 de abril as lojas veterinárias já estarão vendendo as vacinas.

Segundo Daiam, nessa campanha serão vacinados todos os bovinos e búfalos, com idade de até 24 meses. Os outros bovinos do rebanho só devem ser atualizados no comprovante de vacinação.

A expectativa, conforme a fiscal, é que esse seja o último ano de vacinação. “Esperamos que todos vacinem para que o título dos animais fiquem bem altos nos primeiros anos ainda”, declara.

Ela esclarece a todos os produtores que nessa campanha ainda são 5 mls por animal, não houve mudança.

 

COMPROVAÇÃO

Algumas lojas fazem a comprovação, caso contrário o produtor deve levar a Adapar para fazer a comprovação na hora.

“Os produtores devem lembrar que devem fazer a evolução do rebanho, ou seja, os animais ficam mais velhos, outros morrem e também nascem outros. Dessa forma, é importante que atualize o rebanho. Além disso, deve informar se possui equinos, suínos, aves, ovinos.

Isso é muito importante para a defesa sanitária animal, pois em caso de ocorrência de uma doença sabemos quem ele tem o animal e vamos fazer a fiscalização para verificar se a doença não se alastrou até os animais dele”, informa Daiam.

A vacinação e a comprovação são obrigatórias, estando prevista em legislação estadual.
A não vacinação ou não comprovação implica em multa mínima de 10 UPF (Unidade Padrão Fiscal do Paraná, cujo valor em abril/18 é de R$ 98,64, variando todo mês), podendo ser maior para rebanhos com mais de 10 cabeças, além de não poder transportar seus animais para qualquer finalidade.

Ela alerta que caso o produtor perca o prazo será autuado e multado se não comprovar a vacina. “Peço que todos os produtores se empenhem e façam a vacinação já no começo da campanha”, finaliza Daiam.




TRANSPORTE
Durante a campanha de vacinação, o transporte de bovinos e búfalos até 24 meses somente será autorizado após a realização da vacinação e da comprovação, tendo que aguardar o prazo previsto para movimentação, após a aplicação da vacina.
O Transporte de animais somente deve ser realizado com a Guia de Trânsito Animal (GTA). A GTA deve ser retirada para toda movimentação de animais (entrada e saída da propriedade), mesmo quando realizada dentro do mesmo município e entre vizinhos.

REBANHO
Conforme dados obtidos na etapa de vacinação de novembro de 2017, o Paraná possui um rebanho de 9,47 milhões de bovinos e búfalos, distribuídos em 182.259 explorações pecuárias.