Editorial
Apague essa ideia

A data de hoje é alusiva ao Dia Nacional de Combate ao Fumo e o tabagismo é uma dependência química e física. O ato de acender o cigarro, sentar, contemplar o ato de fumar, tomar um cafezinho, relaxar. Esses sentimentos, ligados à dependência, vira um hábito difícil de ser controlado.

Mas, é bom que o tabagista saiba que não está só, pois a epidemia global do tabaco mata mais de oito milhões de pessoas por ano, das quais, cerca de 900 mil são não fumantes que morrem por respirar o fumo passivo, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Quase 80% dos mais de um bilhão de fumantes em todo o mundo vivem em países de baixa e média rendas, onde o peso das doenças e mortes relacionadas ao tabaco é maior. 

Segundo estudos no Brasil, das mortes anuais causadas pelo uso do tabaco, 34.999 mortes correspondem a doenças cardíacas; 31.120 mortes por doenças pulmonares crônicas; 26.651 por outros cânceres; 23.762 por câncer de pulmão; 17.972 mortes por tabagismo passivo; 10.900 por pneumonia e 10.812 por acidente vascular cerebral (AVC) ainda de acordo com os dados do INCA.

Mas não é só a saúde física que o cigarro prejudica. A saúde financeira de quem fuma  e do país, também  são afetadas pelo tabagismo.

Estudos apontam que todos os anos, R$ 56,9 bilhões são gastos pelo Brasil com despesas médicas e em perda de produtividade provocadas pelo tabagismo. Em contrapartida, o País arrecada anualmente apenas R$ 13 bilhões em impostos sobre a venda de cigarros, ou seja, esse valor cobre apenas 23% dos gastos com os males causados pela epidemia do tabaco.

Apesar dos riscos sabidos, muitos não conseguem se livrar do vício. Por isso existem em quase todos os municípios da região, grupos de apoio à aqueles que desejam parar de fumar.

Em Laranjeiras do Sul os fumantes interessados em por um fim ao vício, podem procurar a Secretaria Municipal de Saúde, que mantem umas equipe especializada para auxiliar no abandono do tabagismo.

Com tudo isso você ainda vai continuar fumando? Apague essa ideia!