Espírita - Manoel Ataides
Os integrados

Uma das imperfeições do caráter humano que merece cuidados especiais e correção adequada é a ingratidão.

            Aqueles que lhe padecem o jugo, devem ser tidos como Espíritos adormecidos no primarismo de que têm dificuldade para conseguir a indispensável libertação...

            Os ingratos conduzem o coração enregelado pelo egoísmo e vivem asfixiados na soberba.

            Ignoram as bênçãos da alegria de retribuir, que constitui excelente conquista do processo da evolução.

            Incapazes, porém, de discernir com claridade mental as ocorrências a sua volta e a respeito de si mesmos, atribuem-se valores que não possuem, acreditando-se  credores de merecimentos que não existem.

            São sagazes e ambiciosos, hábeis na arte de iludir e de conquistar, indiferentes na maneira de repartir.

            Na sua vã cegueira, norteados pela presunção de que se sentem dominados, pensam que as demais pessoas têm o dever de servi-los, mesmo quando reiteradamente ingratos.

            Usam a máscara da simpatia durante a necessidade, e, após atendidos, apresentam a carantonha da má vontade...

            Transformam-se em parasitas sociais, sugando as energias dos operosos no bem como daqueles que se devotam à prática da misericórdia e da compaixão...

            Recebem mil vezes e, se por alguma circunstância não podem ser atendidos na enésima vez, reagem, furibundos e insanos, como se houvessem sido gravemente prejudicados pelo seu próximo.

            Ociosos, não se esforçam por mudar de situação através do trabalho, e, mesmo quando o conseguem, não modificam a estrutura da personalidade mórbida...

            Aqueles que praticam o bem, aguardando, por sua vez, qualquer forma de retribuição, não diferem muito dos ingratos, sendo, igualmente, Espíritos necessitados.

            Incapazes de doar desinteressadamente, negociam sob o disfarce da solidariedade, sempre aguardando a recompensa, que deve ser qualitativamente mais significativa... O Espírito lúcido e consciente do seu dever de humanidade, porém, nunca espera qualquer tipo de retribuição pelo que faz, porquanto experimenta o inefável prazer de ajudar...

            Desse modo, nunca desanimes em razão das atitudes dos ingratos...

            Os ingratos, antes de infelicitarem aos demais, são autoflagelaldores. Servindo-os, resgatas enganos e ações nefastas de ontem...

            Tem, porém, cuidado para que não te faças ingrato nunca, seja qual for a justificativa que se te apresente.

            Valoriza tudo quanto de seja oferecido e procura reconhecer que, talvez, não seja por mérito de tua parte, mas por bondade do teu generoso doador.

            Retribui, então, tudo o que recebas, com um sorriso ou uma palavra gentil, um gesto de ternura ou uma ação de equivalente significado.

            Se não desejares parecer preocupado em retribuir para nada ficares a dever, faze a outrem conforme foi feito em relação a ti.

Livro: ILUMINAÇÃO INTERIOR. Joanna de Ângelis (Espírito). Psicografia Divaldo Pereira Franco. Livraria Espírita Alvorada Editora. 3ª ed. Salvador. BA. 2015.

Manoel Ataídes Pinheiro de Souza. CEAC. Guaraniaçu – PR.  [email protected]