A fome na crise da pandemia e o papel do Brasil

Por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e

Por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Fui chamado à atenção: “Qual o papel do Brasil na segurança alimentar global?”, perguntou-me Cléber Soares, diretor de inovação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Essa pergunta me incomodou. Sem a crise da Covid-19, o drama já era gigantesco. Agora, a Organização das Nações Unidades (ONU) alerta que metade das crianças do Iêmen sofrerão de desnutrição em 2021. Agências da ONU alertam ainda que cerca de um milhão e duzentas mil mulheres grávidas ou que amamentam também sofrerão de desnutrição aguda até o final do ano. No Iêmen há um grave conflito com apoio de forças sauditas ao governo contra rebeldes houthis apoiados pelo Irã. Ali ocorre uma mistura perversa de um conflito armado, colapso econômico. Não há ajuda vital, porém existe uma vacina para pelo menos a fome: comida.

E qual a conexão com o nosso Brasil? Posicionamo-nos hoje como um dos líderes na produção de alimentos no mundo. E temos que enfrentar problemas de comunicação, de imagem, como revelam as pesquisas e os técnicos brasileiros atuando no exterior.

Então eu tive um sonho. Poderíamos no Brasil promover uma safra adicional, acima daquela classicamente consumida pelos mercados – leia-se mercado: gente com dinheiro para comprar. Portanto acima disso. Há dois produtos em que somos muito bons de produção, são consumidos no mundo inteiro e representam salvar seres humanos da morte pela desnutrição: o arroz e o feijão.

Imaginei um estímulo para produzirmos dois milhões a mais de toneladas de arroz no Brasil, seria cerca de 20% acima do que será a safra 2021. No feijão, buscar um milhão a mais de toneladas sobre as cerca de três milhões que o mercado consome.

Esta linha de um agro da filantropia, contando com recursos de fundos internacionais, serviria positivamente para nossos agricultores, com inclusão de milhões que hoje ainda estão fora do mercado e, sem dúvida, seria a melhor campanha ética do nome Brasil para o mundo. Metade dela para brasileiros na linha da fome e a outra metade para tragédias imensas como essa do Iêmen.

Sonho? Sonho que se sonha só é só sonho, mas que se sonha junto vira realidade. Assim cantou Raul Seixas e assim me inspirou Cléber Soares do Mapa.

É a hora do agronegócio, a hora do agro consciência: economia, mercado e filantropia, da rima boa e prosperidade para toda humanidade.