O Ódio ainda domina a humanidade

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot. com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano

O ódio é o grande motor da maldade humana. Putin e seus soldados estão cometendo atrocidades. Muitos dirão que guerra é assim mesmo, que o povo russo não apoia isso, que os ucranianos também cometem atrocidades…

Foi-se o tempo em que se podia ser malvado tendo apenas os companheiros de farda como testemunhas, agora, até o espaço apresenta- se como testemunha com fotografias de alta qualidade tomadas de satélites em órbita da Terra. Muitos crimes de guerra terão seus autores identificados.

Tanta exposição faria a guerra recuar. Mas, ao que parece, as atrocidades russas não chegam ao povo russo que está sim apoiando o presidente Putin que aumentou sua aprovação de 71% em fevereiro para 83% no final de março. Situação quase idêntica verificou-se quando a Rússia roubou a Crimeia.

Com as mudanças na Ucrânia, recebendo armas, empenhando-se para entrar na OTAN e ganhar um salvo-conduto, com o acúmulo de petrodólares pela Rússia, que vive um bom momento econômico (será que as restrições continuarão após o fim da guerra?), com a saída da Angela Merkel e a forte dependência da economia alemã ao petróleo, gás e carvão russos, Putin viu a última oportunidade para anexação da Ucrânia.

Cego pela arrogância, Putin imitou Hitler em 1.942, que invadiu a Rússia. Da mesma forma, esperava pouca resistência. Mas, como todo militar velho, não entende bem as novas tecnologias, foi surpreendido pelas novas armas portáteis fornecidas pelos EUA principalmente. A velha escola acredita na qualificação do soldado e no poder de fogo, entendido principalmente como poder atômico.

Não há dúvidas que a Rússia tenha mísseis e bombardeiros capazes de atingir alvos em solo americano. Mas é preciso lembrar que os Estados Unidos evoluíram armas ainda não apresentadas. Diz-se de raios lasers poderosos, mas eu aposto mais em masers (lasers de microondas) e PEM (pulso eletromagnético).

A verdade é que se os EUA (o verdadeiro inimigo oculto) fornecessem mais armas ofensivas de curto alcance, de alta tecnologia, os danos nas forças armadas da Rússia seriam irrecuperáveis. Certamente, é uma estratégia, observe que não há ataques no território russo, exceto um que serviu de alerta da capacidade para escalar. Todo o combate acontece no território ucraniano.

Tudo é construído de forma a não fechar todas as saídas para o “animal” que ficaria ainda mais feroz. A Rússia mostra que não tem armamentos à altura dos EUA, seria uma tática? Mas tem armas nucleares… Então, a estratégia das nações da OTAN é sufocar a Rússia economicamente e, limitadamente, militarmente dentro do território em disputa. Prevê-se que a Rússia perderá metade do PIB. Se a Rússia não recuar, corre o risco de perder os territórios separatistas, inclusive a Crimeia.

Se não houver uso de armas nucleares, o mundo ganha. A Alemanha, que já era um exemplo em sustentabilidade, tornará ainda mais verde sua rede energética. A OTAN, que estava em crise existencial, sai fortalecida. A Europa sai mais forte, o mundo livre sai mais unido para enfrentar, finalmente, o maior inimigo da humanidade, a crise climática!

Acompanhe nossas redes sociais e fique por dentro das novidades  Facebook |  Twitter |  YouTube |  Instagram. Também temos nosso grupo de notícias no  Whatsapp, todo dia atualizado com novas matérias.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail