O Cântico dos Cânticos – Cuidados com a vinha – parte 03

Por José Simplício – escritor, autor de quatro livros, teólogo e pastor

O livro de Cantares de Salomão possui uma revelação maravilhosa sobre os relacionamentos afetivos, observe:
Apanhai-me as raposas, as raposinhas, que fazem mal às vinhas, porque as nossas vinhas estão em flor (Ct 2.15).
Para você compreender este texto é necessário entender que o livro de Cantares foi escrito há 3 milênios em uma cultura completamente diferente da nossa. Quando o texto acima fala em vinhas, está se referindo ao relacionamento entre os amados do poema, representando a vida conjugal, a vinha produz prazer, satisfação e alegria ao casal. As vinhas em flor é o relacionamento que se renova continuamente. Porém, foi notado pelos amados do poema que haviam raposinhas, animais de hábitos noturno, sagazes e discretos, que estavam destruindo as flores desta vinha. As raposinhas aqui são as circunstâncias da vida que tem a capacidade de comprometer de maneira sorrateira o fruto da vinha, ou seja, o prazer e a satisfação que ela promove ao casal.
Há vários tipos de “raposas” e “raposinhas” que colocam em risco o futuro de um casamento agradável e duradouro, hoje vamos falar sobre uma terrível espécie que destrói totalmente o prazer da vida a dois: a falta de respeito.
Quando duas pessoas se conhecem e se sentem atraídos para um relacionamento afetivo, geralmente, se cercam de todo o cuidado para serem corteses, ternos e amáveis um com o outro, ou seja, são polidos de respeito mútuo. Porém, após a conquista se consolidar, ou seja, o namoro, noivado ou casamento, há pessoas que manifestam sua verdadeira face, a de uma pessoa desrespeitosa. Na prática isso ocorre quando há insultos, indiferença, rejeição e/ou agressões físicas e verbais que começam aos poucos e crescem gradativamente.
Nenhum casamento sobrevive a falta de respeito entre os cônjuges. A Bíblia ensina na Carta de Paulo aos Efésios 5.28-29:
Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo. Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes, a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja;
O texto fala diretamente aos homens, mas a aplicação é para o marido e para a mulher. A referência da forma de tratamento no casamento é a própria pessoa, ou seja, o marido pensa, como gostaria de ser tratado pela esposa, e assim usa isso como medida para tratá-la. Ninguém quer ser xingado, humilhado, agredido, rejeitado, tratado com aspereza, pelo contrário, buscamos ser tratados com amor, afago, cortesia, simpatia, empatia. Portanto, o que o esposo espera para si deve oferecer para sua esposa, e da mesma forma a esposa em relação ao seu esposo.
Quando o texto Bíblico citado fala “Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes, a alimenta e sustenta” quer dizer que marido e mulher formam uma só carne, é a união mais profunda que se pode experimentar nos relacionamentos humanos. E para experimentar essa união, repleta de beleza, prazer e cumplicidade, o amor deve ser cultivado no mais elevado nível de respeito. Tudo o que acontece de bom ou ruim a um dos cônjuges afeta o outro. Portanto, a dica de hoje é: trate seu par com o máximo de respeito, cordialidade e simpatia possível, vocês são uma só carne. Não permita que a “raposa” do desrespeito destrua o futuro do seu casamento e da sua família.
Deus abençoe sua família!