O amor cura

Jacinto Convit García foi um médico venezuelano reconhecido por descobrir a vacina contra a lepra, o que lhe valeu o Prêmio Príncipe das

Jacinto Convit García foi um médico venezuelano reconhecido por descobrir a vacina contra a lepra, o que lhe valeu o Prêmio Príncipe das Astúrias de investigação científica e técnica, além de ser nomeado para o Prêmio Nobel de Medicina em 1988.
Louve-se o seu caráter humanitário, insurgindo-se contra o tratamento desumano dado aos chamados leprosos, em seu país, que eram acorrentados e vigiados por guardas.
Diante de tais abusos começou por exigir um melhor tratamento para esses pacientes.
Dedicado a essa causa, criou uma força-tarefa, a que se uniram mais oito companheiros médicos, objetivando encontrar a cura para o mal de Hansen, correta denominação da lepra.
Comprovando que um determinado composto poderia agir com eficácia contra a hanseníase, conduziu, naturalmente, todos os portadores a melhores condições de vida.
Gradualmente, isso foi redundando no encerramento de grande parte das chamadas leprosarias.
Convit deixou um legado incrível para a Medicina. Em 2011, aos noventa e oito anos, liderou uma equipe no Instituto de Biomedicina, com o intuito de encontrar uma vacina contra o câncer de mama, estômago e colo do útero.
Esse homem trabalhou em pesquisas até quase os cem anos de idade. Também no atendimento a pacientes que vinham de todos os lugares.
Sua história de vida nos inspira. Suas frases nos remetem a profundas reflexões:
O amor é a cura para todos os males da vida. Não há nada que não possa ser resolvido com esse sentimento, desde que seja puro.
Quando optamos por seguir o amor, percebemos que nossas vidas se tornam mais leves. E mesmo as piores coisas que chegam em nosso caminho se tornam menos poderosas porque encontramos uma grande rocha para nos apoiar.
O amor nos ajuda a crescer a cada dia, buscar uma vida melhor para nós mesmos e para aqueles ao nosso redor.
O amor é empatia, é dedicação. É saber reconhecer o outro, é lutar para que todos sejam tratados de maneira igual.
É fazer da própria vida um exemplo. É lutar para que o mundo seja um lugar melhor.
É buscar a cura de doenças e dedicar a vida para o bem de outras pessoas.
É nesse sentimento maior que devemos focar, porque nos torna pessoas melhores e faz o universo girar.
Escolhendo o amor, ajudamos a semear um mundo melhor para todos.
Nestes dias que enfrentamos na Terra, é uma bênção termos o exemplo de grandes homens como esse médico venezuelano, incentivando-nos à construção de um mundo melhor!
Seu trabalho, seus estudos, sua filosofia de vida nos dizem que, em muitos pontos deste planeta, o amor floresce.
E frutifica em seres humanos que se esmeram no atendimento ao próximo, ao seu irmão. Criaturas que se importam com as dores alheias, com suas enfermidades e desejam amenizar seus sofrimentos.
Pessoas abnegadas como Convit, que partiu para a Espiritualidade, em 2014. Com certeza, de onde se encontra, prossegue a insuflar ideias generosas a todos os que desejem se lhe irmanar nos mesmos ideais de dedicação ao próximo.