Protestos marcam Dia do Trabalhador

Muito mais do que um dia de descanso ou comemoração, o Dia do Trabalhador foi marcado por muitos protestos e

Muito mais do que um dia de descanso ou comemoração, o Dia do Trabalhador foi marcado por muitos protestos e manifestações mundo à fora.

No Brasil, milhares de pessoas foram às ruas foram protestar contra a reforma trabalhista, votada e aprovada pela Câmara na última semana, antes da greve geral.

Na Itália, um grupo de manifestantes entrou em confronto com a polícia durante uma passeata. O confronto ocorreu quando a polícia impediu que um grupo de cerca de 200 manifestantes de chegar à Praça Castello, onde acontecia um ato organizado por diferentes sindicatos por causa do 1º de Maio.

Já na África do Sul, o discurso do presidente, Jacob Zuma, durante as comemorações foi cancelado depois que centenas de integrantes do sindicato Cosatu vaiaram o chefe de Estado e pediram sua renúncia.

Um grupo de sindicalistas recebeu o presidente aos gritos de “Zuma deve sair”. Outros integrantes tentaram silenciá-los, sem sucesso, com palavras de ordem em favor do presidente.

Centenas de pessoas saíram às ruas no centro de Atenas, Grécia, seguindo a convocação do principal sindicato do setor privado e do setor público para se manifestar contra as medidas que serão aplicadas após o acordo entre Governo e credores.

Trabalhadores espanhóis convocados por sindicatos voltaram às ruas nesta segunda-feira, para exigir dos patrões e do Governo empregos estáveis e salários dignos.

O chefe do Executivo, Mariano Rajoy, agradeceu a contribuição dos trabalhadores para “a recuperação econômica” da Espanha.

Dezenas de milhares de pessoas participaram de uma marcha pela Praça Vermelha de Moscou, na Rússia, em comemoração ao Dia do Trabalhador, organizada pelos sindicatos oficiais com o apoio do Rússia Unida, o partido do presidente russo, Vladimir Putin.

A polícia estima em 130 mil o número de participantes da marcha para celebrar o Dia da Primavera e do Trabalho, como é oficialmente denominada a festa na Rússia desde 1992.

Além desses, outros países também tiveram atos para marcar o Dia Internacional do Trabalhador.

No Brasil, o presidente Michel Temer voltou a defender a reforma, em pronunciamento gravado para o 1º de Maio, Dia do Trabalhador. Ele disse que a criação de empregos ocorrerá de forma muito mais rápida, inclusive para os mais jovens.

Se isso é verdade ou não teremos que esperar para ver. Mas de qualquer forma, é notável que o país precisa de uma reforma, ou cada dia mais e mais brasileiros ficaram desempregados, como divulgado na última sexta pelo IBGE.b

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail