Spoiler do filme do Rei Leão

Este mês de julho tivemos a estréia do filme o rei leão, um desenho que já tem 25 anos e

Este mês de julho tivemos a estréia do filme o rei leão, um desenho que já tem 25 anos e que com as novas tecnologias desse mundo cinematográfico ganhou essa nova roupagem de filme.

O meu convite é para refletirmos nessa linda estória do rei leão, onde o pequeno Simba, o filho do rei é induzido por seu tio mau a fugir de seu destino,  após um grave acidente que gerou a morte de seu pai. E então o que seria natural dentro do ciclo da vida, que é o filho assumir o lugar do pai, não acontece por causa da ganância e mau caratismo do tio, fazendo com que, o então reizinho fuja desesperado de medo e vergonha.

Ao chegar a um lugar distante no meio da selva encontra aqueles dois personagens queridíssimos, o Timão e o Pumba que ao se depararem com um leão, ainda que filhote, eles sabem que se trata de um leão e conhecem a sua potencialidade, e, portanto se preocupam, tornam – se amigos e maquinam a mudança do perfil desse animal, onde o leão passa a ser vegetariano (comendo somente ervas e pequenos insetos e larvas) e ensinam a ele um novo estilo de vida, o Hakuna Matata que significa esqueça seus problemas e viva como se eles não existissem.  

Na vida real, muitas pessoas não tem sido diferente, pessoas que deixam de viver o que de fato são, para viver uma personagem que agrade a todos, pessoas que seguindo opiniões erradas, ao invés de assumir o seu papel, e enfrentarem seus problemas,  vivem um eterno hakuna matata, ou seja, vivem fugindo de seus problemas.  Contudo, assim como no filme, o ciclo da vida precisa retornar ao natural,  e isso acontece quando Simba é encontrado pelo macaco Rafiki, que com seu cajado em punho dá uma pancada na cabeça do jovem leão,  apresentando à ele, a necessidade de dar fim aquele personagem que está vivendo e viver o que está reservado para ele no ciclo natural da vida. Ser rei!

Só que na vida real, nem sempre o Rafiki aparece e aplica somente um golpe, que no caso do filme não foi para machucar, mas para chamar a atenção do jovem leão, por vezes esse golpe é duro, é traumático, pode ser que no decorrer da vida, vários Rafiki’s apareçam, em forma de alguns aspectos como: a morte dos pais, um casamento, o nascimento de um filho, uma mudança de estilo de vida, esses ‘golpes’ podem ser sinalizadores de que é necessário viver a realidade, e não empreender uma fuga para o estilo hakuna matata. A verdade é que a vida nem sempre ensina com amor.

A probabilidade de aparecerem na jornada da vida, pessoas que lhe golpearão com amor para chamar sua atenção para realidade, é menor do que o aparecimento de Timão’s e Pumba’s que possuem o seu valor, pois ajudam o individuo a manter-se vivo, contudo levam a vivenciarem uma forma não natural do ciclo da vida e induzem a viver deixando os problemas longe dos olhos e da mente, porém sabemos que isso não pode perdurar por muito tempo. Aprender o enfrentamento dos problemas pode ser doloroso, mas é necessário. Assim como é indispensável o conhecimento de quem somos nessa jornada, buscando vivenciar cada ciclo dela com autenticidade, fugindo não dos problemas, mas do engodo de querer ser aquilo que não é.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail