Equilíbrio pelo amor

Quando a dúvida, a respeito da imortalidade, te espicaça a mente, sombreando tuas convicções de receio e angústia, interroga o

Quando a dúvida, a respeito da imortalidade, te espicaça a mente, sombreando tuas convicções de receio e angústia, interroga o amor, e ele te responderá com segurança que nada perece senão para se transformar e renascer sob outra modalidade, com novas características.

Se a suspeita se insinua, utópica, no conforto moral que haures no intercâmbio espiritual com os que transpuseram a vala de cinza e lama, inquire o amor e ele te afirmará que ninguém, que ame, esquecerá os amores que ficaram, onde quer que se encontrem.

Diante dos prepotentes do gozo, que parecem escarnecer dos objetivos espirituais que acalentas, indaga do amor e ele te explicará quanto à loucura que o prazer encerra, quando destituído de legitimidade.

Diante dos poderosos e frios depositários da vã cultura, que menosprezam as informações cristãs e espíritas que te enriquecem a vida, pergunta ao amor e identificarás, por ele, o nivelamento da matéria que veste todos os homens… Fita os que muito amaram e amando permanecem depois que partiram os seus amados, e compreenderás que aqueles que se mantêm vigorosos e confiantes assim estão porque esperam o reencontro, abraçados que seguem, desde hoje, pelos que tiveram o corpo decomposto, mas não se extinguiram…

Mortos estão os usuários da rebeldia, os campeões da corrupção, os enclausurados no primitivismo em que comprazem. Nada veem e possuem olhos, nada escutam, embora detentores de caixa acústica, nada compreendem, apesar de portadores da máquina racional…

Fixaram-se no que preferem como princípio, meio e fim da viagem física.

Enlouqueceram, conquanto a aparência enganosa da sanidade.

As plantas carnívoras têm luxuriantes contornos e atraem, vigorosas…

A metástase cancerígena se disfarça, muitas vezes, com síndromes desconcertantes…

O entorpecente aniquilador da sensibilidade parece inócuo…

A noite estrelada parece um dossel salpicado de gemas pequeninas…

Parecem, mas não são!…

Conversando com o amor em todo lugar onde se revela, aprenderás a cantar felicidade, descobrindo a alegria plena nas pautas da convicção esposada, como normativa de vida espiritual. Ouvirás com ele a voz de Jesus, há mais de dois mil anos, apascentando os caídos, desiludidos, enfermos, ignorantes e sofredores de todo o jaez, pelos difíceis roteiros da elevação moral.

Acompanharás, também, com ele, a balada de Francisco de Assis, sobre o irmão sol, a irmã água, o irmão lobo, o irmão jumento…

Identificarás o Excelso Governador do Universo em toda a parte, fazendo germinar o grão no adubo e formar-se a galáxia na nebulosa colossal…

Porque o amor é a linguagem clara e insofismável da verdade consoladora, iluminativa e transcendental que tudo explica, tudo elucida, tudo realiza. Atenazado, portanto, pela dúvida ou pelo desânimo pelo desdém, ou pelo escárnio, desacreditado pelo desprezo ou pelo reproche dos que a si se arrogam o direito da felicidade e somente a si se permitem a melhor conquista, não te inquietes nem te perturbes.

O “Colosso de Rodes”, imponente e majestoso foi tragado por inesperado terremoto.

A dominadora Cleópatra deixou-se fulminar por pequenino ofício.

Tibério Cesar, que dominou o mundo do seu tempo e em cuja governança transcorreu a tragédia da Cruz, partiu, também, da Terra, enlanguecido e acovardado, conduzido pelo veículo da desencarnação.

Consulta o amor sempre e a todo o instante e o amor te ensinará a amar tudo e todos, amando-te também e fazendo-te harmonia em ti mesmo, na sinfonia da vida indestrutível, que reflete o amor incessante do Nosso Pai Celestial.

 

Livro: ILUMINAÇÃO INTERIOR. Joanna de Ângelis (Espírito). Psicografia Divaldo Pereira Franco. Livraria Espírita Alvorada Editora. 3ª ed. Salvador. BA. 2015.

Manoel Ataídes Pinheiro de Souza. CEAC. Guaraniaçu – PR.  [email protected]