A surrealidade de nosso tempo ou brincando de roleta russa com a pandemia

A palavra surreal presente no título deste artigo tem como significado estranheza, transgressão da verdade sensível, da razão, ou que

A palavra surreal presente no título deste artigo tem como significado estranheza, transgressão da verdade sensível, da razão, ou que pertence ao domínio do sonho, da imaginação, do absurdo. É o que estamos vivendo. Surreal é a primeira página de um jornal cuja manchete traz a comemoração pela volta às aulas presenciais para evitar problemas psicológicos resultantes da falta de socialização dos estudantes, sendo que a mesma página do jornal traz uma importante e esclarecedora matéria mostrando o pior momento da pandemia com a chegada da segunda onda de contágio da Covid 19, embora já se fale em terceira e, eu acredite ainda estarmos na primeira, pois, em nosso país, o número de mortes estabilizou há muito tempo em um platô (com cerca de mil morte diárias) nos gráficos. A matéria fala da lotação das UTI’s, de novas variantes do vírus ainda mais contagiosas, as quais afetam gravemente também aos mais jovens (antes menos atingidos) e, da importância de se evitar aglomerações. Afinal, essas matérias tratam do mesmo país? Ou as pessoas enlouqueceram?

            Antes das aulas iniciarem, dezenas de escolas paranaenses foram fechadas temporariamente, pois, profissionais estavam trabalhando infectados e, sem saber transmitindo o vírus. Eu disse: antes da vinda dos estudantes. E depois? Em meu ver, trata-se de tragédia anunciada, pois, antes dos sintomas principais se manifestarem, a pessoa infectada já está transmitindo o vírus e, os jovens são muitas vezes assintomáticos (transmitem a doença sem demonstrar seus sintomas). Os protocolos são difíceis de serem observados à risca por adultos. Serão cumpridos à risca por crianças e adolescentes? Nas redes sociais, internautas preocupados com a vida dos estudantes e dos profissionais da educação se digladiam com negacionistas que defendem a importância da educação presencial (num país que nunca valorizou a educação e seus profissionais e, que há pouco tempo discutia o homeschooling). Quem deveria trazer luz para a sociedade, traz escuridão, o discurso necropolítico (política de morte por ação ou omissão) de autoridades que não vêm na preservação da vida humana, sua mais importante missão no momento vivido. 

            A busca do conhecimento é uma paixão para os educadores. É o amor ao conhecimento, dadas as péssimas condições de trabalho, que os mantém na profissão. Os professores adoram ver o brilho nos olhos dos estudantes em sua busca do conhecimento porque isso é cada vez mais raro, porém, a busca pelo conhecimento não se sobrepõe ao valor maior que é a vida. A vida de cada estudante, de cada educador e dos familiares de ambos. Conhecimento se pode recuperar, a vida não. Em minha carreira, várias vezes, passei pela experiência de ver uma carteira vazia (ou a menos) em classe porque estudantes morreram (acidentes ou doenças). Nestas oportunidades, dei aula com um nó na garganta e os estudantes não estavam melhores. Me causa grande tristeza, a ideologização da pandemia, da vacinação, e também o fato de autoridades não terem o espírito de liderança, a responsabilidade, a sensatez e a atitude necessárias para que superemos esta crise sanitária que vivemos. A sala de aula é um ambiente insalubre, mal arejado, superlotado e, com a aglomeração de diversas pessoas vindas de diferentes locais. Em meus 30 anos de magistério, não me recordo de ano em que não tenha passado por três ou quatro gripes (no mínimo). Em 2020, trabalhando remotamente (EAD) não tive uma sequer. Se você é pai ou mãe de estudante, talvez, tenha verificado a menor incidência de gripes em seu/sua filho(a) em 2020. Se o ambiente de sala de aula é propício para a transmissão do vírus Influenza (gripe), não o é para o SARS-CoV-2?

            Em tempos de pandemia, relativizar a vida e subestimar a Covid19 é brincar de roleta russa. Uns, ao não se cuidar, apontam para si. Há aqueles que, com poder de decisão, por sua ação ou inação, apontam para a sociedade. Os protocolos para a volta às aulas se cumpridos à risca, são as câmaras vazias do tambor da arma. Não é possível ter todas as câmaras vazias, o vírus é a câmara carregada resultante da falha humana, do descuido no rígido cumprimento do protocolo por estudantes e/ou profissionais e do desconhecimento que ainda temos sobre a doença. É loucura voltar às aulas presenciais no pior momento da pandemia. Na terra de cegos em que o país se converteu, quem tem um olho foi amordaçado!