Milton Santos, cidadão do mundo!

Milton Santos (1926-2001) foi um dos maiores intelectuais do Brasil. Em 1948, formou-se em Direito e, dez anos mais tarde,

Milton Santos (1926-2001) foi um dos maiores intelectuais do Brasil. Em 1948, formou-se em Direito e, dez anos mais tarde, concluiu o doutorado em Geografia na Universidade de Estrasburgo na França. No governo Janio Quadros foi subchefe da Casa Civil e o propositor original no país do Imposto Sobre Grandes Fortunas – ISGF (jamais discutido e/ou aprovado pelo Congresso Nacional, encontra-se engavetado). Em 1964, presidiu a Comissão Estadual de Planejamento Econômico do Estado da Bahia. Trabalhou como redator do Jornal A Tarde de Salvador. Atuou como professor universitário na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Ficou conhecido por seu posicionamento ideológico nacionalista. Sua defesa intransigente da democracia e dos interesses nacionais o colocou sob os holofotes do aparelho repressor da ditadura militar (1964-1985). Por suas posições ideológicas, foi preso e demitido da UFBA.

            Obrigado a exilar-se do país, trabalhou como professor na Universidade de Toulouse, Bordeaux e Paris (todas na França). Atuou também na Universidade de Toronto (Canadá), Lima (Peru), Dar Assalaam (Tanzânia), Colúmbia (EUA), Central de Venezuela e Zulia (Venezuela). Retornou ao Brasil em 1977 para lecionar na Universidade de São Paulo (USP). Sua obra é vasta. Milton Santos publicou mais de quarenta livros e trezentos artigos científicos. Recebeu vinte títulos Honoris Causa que lhes foram concedidos por universidades de várias partes do mundo. Foi o primeiro brasileiro a receber um prêmio equivalente ao Nobel, o Prêmio Vautrin Lud, prêmio máximo da Geografia. À época era o único intelectual nascido fora do mundo anglo-saxão a receber tal honraria. Seus livros são estudados especialmente nos departamentos de Geografia, História, Sociologia e Economia de universidades de várias partes do mundo.

            Milton Santos afirmava ser um intelectual outsider, nas palavras dele, não fazia parte de nenhum partido político ou agremiação de intelectuais ou algo parecido. Seu posicionamento expresso em suas falas e obras era fruto tão somente do trabalho incansável de pesquisa e de sua reflexão acerca da realidade vivida. O reconhecimento internacional veio logo, tendo sido consultor da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Organização dos Estados Americanos (OEA), e da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Participou também da Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo e do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano da cidade de São Paulo. Além disso, escrevia regularmente na seção 501 d.C. do Mais!

            Nascido a três de maio de 1926 em Brotas de Macaúba, na Chapada Diamantina (BA), era neto de escravos, seus pais foram professores do ensino primário (atual Ensino Fundamental I). Milton Santos foi conscientizado pelos pais acerca da discriminação pela qual certamente passaria na vida e orientado a não desistir. Não foi diferente do que pensavam seus progenitores. Passou por momentos de discriminação racial manifesta e foi obrigado a desistir de cargos de liderança em instituições cuja tradição reservava aos brancos tais postos. Sobre isso afirmou: Ser negro no Brasil é, pois, com frequência, ser objeto de um olhar enviesado. A chamada boa sociedade parece considerar que há um lugar predeterminado, lá em baixo, para os negros e assim tranquilamente se comporta. Logo, tanto é incômodo haver permanecido na base da pirâmide social quanto haver ‘subido na vida’.

            Pergunto-me se o caro leitor caso desconhecedor acerca do intelectual Milton Santos o teria imaginado, um velhinho branco de barba e cabelos brancos. Não se constranja, não é prova indesejada de racismo. É a constatação que em nosso país, a discriminação étnica e social impõe obstáculos gigantescos (quase insuperáveis) a quem foge do padrão, ou seja, o indivíduo branco, sexo masculino, heterossexual e rico. A intenção deste artigo além de enaltecer Milton Santos, é o de valorizar o conhecimento científico, os pesquisadores, a escola e a universidade como único caminho para o desenvolvimento nacional, aquém disso, há apenas a escuridão das mentes vazias que ao terem livros em mãos apenas enxergam um amontoado de palavras escritas, sem qualquer significado, por isso levantam a bandeira ideológica da suavização/desideologização e outras mentes igualmente vazias aderem a essa marcha que leva o país ao abismo!