MATERIALISMO

Observando a vida religiosa cotidiana das pessoas podemos dividi-las em dois grupos principais. Um grupo das pessoas apegadas as coisas

Observando a vida religiosa cotidiana das pessoas podemos dividi-las em dois grupos principais. Um grupo das pessoas apegadas as coisas materiais e outro grupo apegado as coisas espirituais. O grupo apegado as coisas materiais procuram se enriquecer materialmente. E o segundo grupo é interessado nas coisas espirituais, gosta de praticar as coisas espirituais, gosta de praticar a religião.

Mas como as coisas materiais influenciam na vida das pessoas? Temos um exemplo na vida de Jesus Cristo.

“Quando Jesus Cristo chegou à outra margem do lago, à religião dos gadarenos, vieram ao seu encontro dois possessos, saindo dos túmulos. Eram tão violentos que ninguém podia passar por aquele caminho. Eles então gritaram: ‘Que queres de nós, Filho de Deus?

Vieste aqui para nos atormentar antes do tempo? Ora, a certa a distância deles estava pastando uma manada de muitos porcos”. Ele disse: ‘Ide!’. Os demônios saíram, e foram para os porcos. E todos os porcos se precipitaram, pelo despenhadeiro, para dentro do mar, morrendo nas águas. Os que cuidavam dos porcos fugiram e foram à cidade contar tudo,

também o que houve com os possessos. A cidade inteira saiu ao encontro de Jesus. E logo que o viram, pediram-lhe que fosse embora da região.” (Mt 8, 28-34).

Vamos analisar o acontecimento. A primeira coisa que impressiona lendo essa história é o milagre, a cura dos doentes. O povo se entusiasmou com o milagre? Não! Pois o povo da região perdeu a manada de porcos. O povo levou um prejuízo material. Por causa disso pediram que Jesus se afastasse da região deles.

É interessante a ação dos demônios, eles conhecem a natureza humana. Jesus quis fazer o bem para eles, atendendo o pedido deles e permitindo que eles entrassem nos porcos. Os demônios certamente riram da bondade de Jesus, pois, conseguiram causar prejuízo, e isso fez com que o trabalho missionário de Jesus naquela região não se realizasse, foi liquidado. Então podemos concluir que com o demônio não se faz pactos, mas se afasta dele na hora. O demônio é maldoso e sempre mentiroso.

A maior defesa que temos contra o demônio está em Maria Santíssima, pois, no paraíso Deus avisou o demônio: “porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela.

Esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar.” (Gn 3,15). A devoção à Maria Santíssima é muito importante na luta contra o demônio. Amém.