PECADO MORTAL E VENIAL

Pecado é um mal terrível, pois contrariando os mandamentos de Deus rompe o amor com Ele. Em consequência disso o

Pecado é um mal terrível, pois contrariando os mandamentos de Deus rompe o amor com Ele. Em consequência disso o pecador se torna amigo do demônio. O homem precisava de um Redentor. E aconteceu, o anjo Gabriel, enviado por Deus, falou para José: José, Filho de Davi, não tenhas receio de receber Maria, tua esposa; o que nela foi gerado vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe porás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados. (Mt.1.20-21) Deus em sua imensa misericórdia sentia dor por nós pecadores e decidiu nos reconciliar consigo. Na Última Ceia Jesus Cristo, Filho de Deus, pessoalmente se apresentou como o Redentor da humanidade pecadora: Em seguida, pegou um cálice, deu graças e passou-o a eles, dizendo: Bebei dele todos, pois este é o meu sangue da nova aliança, que é derramado em favor de muitos, para remissão dos pecados. (Mt.26.27-23)

A variedade dos pecados é grande. As Sagradas Escrituras nos fornecem varias listas. São Paulo Apóstolo na carta aos Gálatas expõe os pecados que derivam da carne: São bem conhecidas as obras da carne: imoralidade sexual, impureza, devassidão, idolatria, feitiçaria, inimizades, contenda, ciúmes, iras, intrigas, discórdias, facções, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes. Eu vos previno, como aliás já o fiz: os que praticam essas coisas não herdarão o reino de Deus. (5.19-21)

Pode-se também classificar os pecados conforme desrespeito a Deus, ao próximo e ao sí mesmo. Pode-se dividi-los em pecados espirituais e carnais ou ainda em pecados por pensamento, palavra, ação ou omissão.

É importante avaliar os pecados segundo a sua gravidade. Baseando-se nas Sagradas Escrituras são reconhecidos conforme a gravidade dois tipos dos pecados: pecado mortal e pecado venial: Se alguém vê seu irmão cometer um pecado que não conduz à morte, que ele ore, e Deus dará a vida ao irmão; isto, se, de fato, o pecado cometido não conduz à morte. Existe um pecado que conduz à morte, mas não é a respeito deste que eu digo que se deve orar. Toda injustiça é pecado, mas existe pecado que não conduz à morte. (1Jo.5.16-17)

Pecado mortal mata em nossa alma a graça santificante que hospeda a Deus. E Deus nos deixa sozinhos. E a alma sem Deus é morta espiritualmente. Para que um pecado seja mortal requerem-se três condições ao mesmo tempo:

1)que ele se refere a algo importante, se diz, tem a matéria grave. Por exemplo: matar alguém, cometer adultério, roubar algo de grande valor, bater no pai ou na mãe;

2)ele é cometido com plena consciência, pecador sabe o que faz;

3)o pecador tem plena consciência que isto é pecado.

E quando se comete um pecado leve, venial?

Se comete um pecado venial quando não se respeita uma lei em matéria leve, por exemplo: a pessoa mentiu, desobedeceu ao pai, etc. Ou a pessoa cometeu um pecado sem saber de sua gravidade ou sem pleno consentimento. O pecado venial não apaga a graça santificante. Deus continua presente em sua alma. Mas quando se tolera o pecado leve e não se arrepende dele, ele pode ter efeitos do pecado grave, perde-se a graça santificante e Deus deixa de morar na sua alma.

Temos sempre que fugir de qualquer pecado. Pecado sempre é uma desgraça.

O, Meu Bom Jesus! Me ajude com as tuas graças, que eu nunca cometa pecado, mesmo que seja venial, pois eu não quero ferir o teu coração. Mas quero sempre a Ti agradar. Amém.