Contrapontos da mega-sena

É notório que as Loterias têm atraído uma quantidade expressiva de pessoas com esperanças de fortuna, porque os jogos são


É notório que as Loterias têm atraído uma quantidade expressiva de pessoas com esperanças de fortuna, porque os jogos são relativamente simples e, provavelmente em função dos prêmios milionários tem deslumbrado o interesse de diversas pessoas. Por isso, os jogos dessa natureza, como a Mega-sena, no Brasil, são ótimos exemplos de distribuição de probabilidade num espaço equiprovável e permitem o entendimento de inúmeros aspectos de teorias estatísticas. Parece um jogo de azar!
Todavia, indaguei algumas pessoas com a pergunta: – Se você ganhasse na mega-sena, o que você faria? A seguir, as respostas que ouvi. “Mudaria de casa, de país, deixaria de trabalhar, viajaria pelo mundo ou faria algum tipo de caridade”.

Na segunda pergunta: – Qual valor seria interessante para você ganhar na loteria?1 milhão de reais; 5 milhões de reais;10 milhões de reais; 50 milhões de reais; 100 milhões de reais. Todas as pessoas com quem eu conversei me responderam que queriam o valor máximo do prêmio, pois atenderia todos os seus sonhos e projetos. Confesso fiquei impressionada com a ganância do ser humano. Também, já fiz planos com o dinheiro do prêmio sem sequer ter jogado.

A respeito do tema escolhido para esta coluna, desde a minha infância vejo meus familiares jogando nessa loteria e até hoje, infelizmente, ninguém acertou. Certa vez, meu tio (in memoriam) fez um jogo da mega-sena e acabou esquecendo o bilhete no bolso de sua bermuda, que foi colocada na máquina de lavar e em seguida, pendurada no varal. Neste dia, ele tinha viajado para Guarapuava, não obstante, quando chegou lá, lembrou-se do bilhete no bolso da bermuda. Imediatamente, ligou para minha prima para que retirasse o bilhete do bolso e guardasse num lugar seguro, até a conferência do resultado.

Contudo, minha prima levou um tremendo susto, pois ela não havia verificado os bolsos antes de lavar as roupas, naquele momento por telefone, não contou nada a respeito do acontecido. Assim, que desligou o telefone correu ligeiramente ao varal onde estava estendida a bermuda, e ao colocar a mão no bolso pegou somente os pedaços de papel, do que um dia foi um bilhete. Ficou o resto do dia a matutar, o que faria para conseguir outro bilhete? Já que, aquele se encontrava irreconstituível. Mas, não encontrou solução para o problema.

No final da tarde, meu tio retornou para a casa e lá de fora gritou: – Cadê, o meu bilhete? – Minha prima, respondeu: – Pai, não tem mais bilhete. Ele foi triturado pela máquina de lavar. Neste instante meu tio explodiu de raiva, e disse: – Se sair os números que eu joguei hoje á noite, você levará uma surra. Felizmente, para sorte de minha prima naquela noite não saíram os números do bilhete espedaçado, ficando somente a história divertida da mega-sena.