Gerson Movio chega ao Campo Mourão e revela motivos da saída do Pato

Supervisor assume cargo no Carneiro prometendo “beliscar” título nacional

A temporada de 2020 do futsal paranaense ainda não terminou, mas já tem clube projetando o próximo ano. O Campo Mourão acertou a contratação de Gerson Movio, o ‘Aranha’, como novo supervisor. Ele estava, desde 2019, no Pato, e participou do título da Liga Nacional. 
Por conta das dificuldades econômicas impostas pela pandemia, desde abril o Carneiro não possuía um profissional dedicando-se exclusivamente à supervisão. O preparador físico Pedro Vinícius Machado vinha equilibrando as funções. 

Natural de Curitiba, Gerson tem 42 anos e já trabalhou no futsal gaúcho e na Seleção Paraguaia – nesta última, como preparador de goleiros e auxiliar técnico. Ele é mais um a deixar o Pato. No início desta semana, o técnico Sérgio Lacerda – responsável pelos principais títulos do clube – trocou-o pelo Tubarão/SC. 


“Lavarda centralizou tudo”
Ao Correio do Povo do Paraná, Gerson disse que a saída do Sudeoste foi uma decisão construída ao longo de 2020. “A gestão e a maneira como se trabalha no Pato, me impediram de desempenhar bem a minha função. Não me adaptei. O Pato é um clube fechado. Não fiz contratações, não fui consultado quando elas foram feitas. Não sei se eu estava errado ou se eles não sabem trabalhar com supervisor. Então, optei por sair”.

Não houve, de acordo com Gerson, a iniciativa de renovação por parte do clube. “Eles demonstraram interesse, mas quem é profissional e tem família precisa de segurança, não é?  Os clubes costumam montar suas equipes entre outubro e novembro. Estamos em dezembro e não houve uma forma de negociar e chegar a algum acordo. Decidi então ir embora”.  

Apesar de revelar uma suposta centralidade na administração do Pato, Gerson diz ter deixado a equipe de forma pacífica. “Conversei e expliquei os meus motivos ao presidente, que até disse não querer a minha saída. E, apesar de não concordar muito com a gestão do Lavarda, temos um bom relacionamento. É a forma que o Pato trabalha. O Lavarda centralizou tudo nele e eu não exerci a minha fundação dentro do que eu esperava. Mas não houve discussão”. 

A reportagem procurou a assessoria do Pato, mas até a publicação o clube não se posicionou com relação a saída do supervisor. 


Beliscar título nacional

Segundo Gerson, o Carneiro já o sondava antes da ída para o Pato e que aceitou o convite pensando no crescimento profissional.  “Chego ao Campo Mourão para melhorar ainda mais as estruturas física e de projeto. Quero ajudar diretoria e comissão técnica em busca de maior profissionalização, iremos buscar mais sócios-torcedores”. 

O presidente do Campo Mourão, Anderson Hertz, disse que a opção por Gerson levou em conta a experiência como supervisor. “Ele tem conhecimento tanto no aspecto de gestão de pessoas, quanto nas questões administrativas – como trâmites, processos e na elaboração de projetos. Já trabalhou com categorias de base e projeto social, que é a estrutura que o clube tem aqui”. 

Quando Gerson Movio desembarcou em Campo Mourão, o clube já havia iniciado o planejamento para 2021. O técnico Alemão, inclusive, renovou contrato. O novo supervisor está se “entrosando” no processo no Carneiro e traça projetos. “Estamos tentando formar uma equipe competitiva para 2021, sabemos das dificuldades econômicas impostas pela pandemia. Traremos atletas que se destacaram em outras equipes, para tentarmos beliscar um título de nível nacional e quem sabe buscar uma classificação para uma competição internacional”.

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail