Responsivo

Mudanças climáticas trazem desafios no controle do carrapato bovino

A professora da Campo Real, Leticia Salmória destaca o uso de carrapaticidas, seleção genética e práticas preventivas como rotação de pastagens no combate da doença

No Sul do país, o aumento da umidade durante o período mais quente do ano, agravado neste verão pelo fenômeno El Niño, tem gerado preocupações entre os pecuaristas devido ao aumento na incidência de carrapatos bovinos. A medica veterinária e professora do Centro Universitário Campo Real de Laranjeiras do Sul, Leticia Alves Salmória, ressalta a importância do manejo adequado para controlar essa infestação.

Manejo adequado

“É de extrema importância realizar o manejo para controle quando existe a incidência dentro do rebanho, principalmente nos períodos de alta temperatura e alta umidade”, afirma a professora. Ela destaca que o carrapato pode causar lesões na pele dos animais e transmitir doenças graves, como a Tristeza Parasitária Bovina.

Para lidar com este problema, Leticia destaca a necessidade de utilizar práticas de manejo adequadas. “Os métodos para o controle da infestação baseiam-se na utilização de produtos carrapaticidas, como banhos por aspersão, aplicação de Pour On e parasiticidas injetáveis.”

Produtos carrapaticidas

A professora também ressalta a importância de escolher os produtos carrapaticidas E recomenda uma abordagem cuidadosa na escolha do produto, considerando formulações com excelente adesividade e rápida absorção pela pele dos animais. “A eficácia do tratamento também deve ser avaliada, evitando escorrimentos que podem comprometer o resultado, principalmente em períodos chuvosos”, destaca.

Resistência ao carrapato

Para Leticia, a seleção genética emerge como uma solução promissora no controle do carrapato bovino. “A seleção de animais geneticamente resistentes ao carrapato contribui para elevar a resistência média do rebanho. O projeto de seleção genômica desenvolvido pela Conexão Delta G em parceria com instituições renomadas, que visa identificar animais mais resistentes ao parasita”. afirma.

Prevenção

Leticia revela algumas práticas importantes para prevenir o gado contra o carrapato. “Existem ações preventivas que ajudam a diminuir a infestação parasitária. Entre essas práticas, estão a rotação de pastagens e o uso adequado de produtos carrapaticidas”, explica.

Ela também alerta para a importância de seguir as recomendações técnicas e evitar o uso indiscriminado desses produtos, que pode levar à resistência dos ectoparasitas.

Estratégias

Em regiões afetadas por surtos frequentes, como no Sul do país durante o verão, Leticia destaca a importância de buscar informações com profissionais da área para desenvolver estratégias eficazes de prevenção e controle. “o manejo adequado é essencial para evitar prejuízos na produção e garantir a saúde dos animais”, reforça.