Copel conclui mais uma etapa de modernização da maior usina do Iguaçu

Ainda neste mês de setembro, a quarta e última unidade geradora vai parar de produzir energia

Voltou a operar na última semana a unidade geradora 4 (UG4) da Usina Hidrelétrica Governador Bento Munhoz da Rocha Netto (Foz do Areia), a terceira a passar pelo processo de renovação total. Ainda neste mês de setembro, a quarta e última unidade geradora da usina, a UG3, vai parar de produzir energia para também passar pela modernização.


Hidrelétrica

Instalada no rio Iguaçu, no município de Pinhão, a hidrelétrica completa este ano 40 anos de operação e tem 1.676 megawatts de potência instalada, podendo produzir energia suficiente para atender às necessidades de até 4,7 milhões de pessoas. 

Investimentos

As quatro unidades geradoras de Foz do Areia são as maiores em processo de modernização no Brasil. A primeira fase desse trabalho iniciou em 2011 com a reforma dos equipamentos de levantamento de carga e a segunda, que contempla os quatro grupos de turbinas e geradores, começou em 2017 e será concluída em 2021. O investimento total no projeto é de R$ 150 milhões.

“A modernização dessa que é a maior usina do nosso parque gerador é um dos grandes investimentos que a Copel precisa concluir até o ano que vem. Mesmo em meio à pandemia e com o desafio logístico de transporte dos grandes componentes da turbina e dos geradores, nossas equipes conseguiram cumprir mais uma etapa do projeto com segurança e responsabilidade”, destaca o diretor geral da Copel Geração e Transmissão, Moacir Carlos Bertol.

Cada unidade geradora leva em torno de um ano para ser totalmente renovada. Estão sendo substituídos o rotor da turbina, o enrolamento estatórico do gerador, o regulador de velocidade e o sistema de excitação e equipamentos auxiliares. Antes de voltar a funcionar, as máquinas passam por ensaios de comissionamento – testes que duram em média 10 dias e servem para validar o funcionamento adequado dos equipamentos após a montagem. 

Revitalização

Essa revitalização da Usina já trouxe ganhos para o desempenho da hidrelétrica. As unidades modernizadas têm melhor rendimento e conseguem gerar mais energia com menos água, garantindo melhor aproveitamento do potencial hidráulico quando o nível do reservatório está baixo. A segurança e a confiabilidade da operação de GBM também aumentou. Ensaios mostram que os níveis de vibração e pulsação da turbina diminuíram – resultado do novo design hidráulico do rotor. 

 

Fique por dentro de todas

Se inscreva e receba as melhores notícias do Correio do Povo direto no seu e-mail