Como fazer as escolhas alimentares saudáveis e baratas?

Ter equilíbrio não é se alimentar bem durante toda a semana e se esbaldar nos finais de semana

Quando decidimos nos alimentar bem, o primeiro passo deve ser o planejamento e a escolha dos alimentos que vão preencher nosso carrinho de compras. Muitas pessoas têm dificuldades nesse momento, mas uma regra de ouro é essencial: comprar, em sua maioria, alimentos que não possuam rótulos ou que passaram por mínimos processos de industrialização.

“É muito tranquilo você comer saudável de maneira que consiga economizar. Uma dica especial é optar pelos alimentos mais naturais, frutas, hortaliças, carboidratos complexos como batata doce, arroz integral. Carnes magras como frango e ovo, que acabam saindo mais em conta”, explica a nutricionista Gabriele Proctz.


Alimentos

Alguns exemplos são: frutas, legumes, verduras, batatas, mandioca, carnes magras, ovos, leite, iogurte natural e grãos integrais.

“É preciso consumir alimentos de acordo com o hábito alimentar dos pacientes. Por exemplo: muita gente corta o feijão e arroz quando quer emagrecer ou comer saudável. Sem saber que o feijão e arroz contém todos os aminoácidos que o nosso corpo precisa”, explica Gabriele.

Gabriele afirma que reconhecer esses alimentos é fácil, pois eles não possuem adição de sal, açúcar ou gordura na composição. Os produtos industrializados também podem fazer parte do nosso carrinho, mas em baixas proporções, para que sejam consumidos com o mínimo de frequência possível.

Equilíbrio

Ter equilíbrio não é se alimentar bem durante toda a semana e se esbaldar nos finais de semana. Isso é sinal de descontrole, necessitando de um trabalho psicológico para repensarmos um pouco mais sobre as escolhas que temos colocado em prática.

“Na maioria das vezes, esse descontrole é ocasionado por dietas malucas, elaboradas por conta própria. Não pode ser nada restritivo, e sim algo que para toda vida”, explica.

Devemos ter consciência de que obter uma boa alimentação não é tão caro como muitas pessoas imaginam. Na maioria das vezes somos influenciados pelo marketing das indústrias, que nos passam a falsa ideia de que tudo que é saudável é caro.

“Não precisamos escolher o produto ou o alimento mais caro, mas, sim, o mais saudável e acessível. Programar a ida ao supermercado também é um dos pontos-chave para o sucesso de uma boa alimentação. Quando realizamos essa programação, temos a segurança de sempre termos à nossa disposição alimentos habituados ao consumo em nosso dia a dia. Desde que a maior parte das nossas refeições semanais seja composta de alimentos frescos, associada à prática de exercícios físicos, as exceções alimentares em momentos especiais não são problemas. Só não podemos deixar que essas exceções se transformem em hábito constante. Diante disso, temos o chamado equilíbrio, o qual podemos aplicar a qualquer área da nossa vida.”, finaliza.