Responsivo

UFFS: para Martinho, ampliação dos cursos foi sua maior conquista

“Agradeço toda a equipe da universidade. Ao meu lado, eles trabalharam ativamente durante a gestão”, homenageia o diretor, ao se despedir do cargo

Hoje (09), ocorrerá no Campus da UFFS de Laranjeiras a cerimônia de posse do novo diretor. Na ocasião, o professor Martinho Machado Junior, passará a direção à Fábio Zeneratti, que venceu as eleições neste ano.

O Correio do Povo entrevistou o professor Martinho para fazer um balanço das ações e conquistas de sua gestão durante os últimos quatro anos.

Realizações

De acordo com Martinho, para sua gestão haviam várias propostas, como melhorar os espaços dos estudantes, para que eles se sentissem mais acolhidos e tivessem áreas mais adequadas para permanecer mais tempo no campus. “Conseguimos melhorar as condições, disponibilizamos mesas, cadeiras, pufes nos corredores, para estudar nos intervalos. A biblioteca foi aumentada. Além disso, criamos uma sala de convivência com sofás para que os estudantes e servidores pudessem descansar. Tudo feito dentro das condições disponíveis”, detalha.

Martinho explica que em 2019, foram destinados mais de R$ 1,5 milhão para o orçamento, visando a construção da estação de aquicultura, uma estrutura essencial para o progresso do curso na universidade. “Atualmente, a obra encontra-se em andamento e representa um marco significativo para a instituição. Além disso, também temos a construção do galpão agrícola”, afirma.

Ele também ressalta que em 2020, durante a pandemia, propôs e foi aceita a criação de um laboratório de mídias digitais. “Assim pudemos atender à crescente demanda para gravações de aulas, promoção de lives e edição de vídeos, que antes não era prevista pela instituição. Além disso, finalizamos a construção do campo de futebol e criamos uma quadra de vôlei. E também conseguimos implementar o projeto para a cobertura entre os blocos”, afirma.

Segundo o diretor, outro avanço significativo foi o início das obras para a implantação de um poço artesiano. “Além desse, conseguimos licitar mais dois. Obtivemos emendas parlamentares que apoiaram as obras, porque os recursos disponíveis na universidade eram insuficientes. Conseguimos também recursos emergenciais para realizar a cobertura dos telhados dos laboratórios, garantindo a segurança e a continuidade das atividades”, acrescenta.

Trabalho conjunto

O diretor afirma que assumir uma universidade foi um desafio em tanto. “Passar pela gestão de um campus é um momento de aprendizagem extremamente significativo na vida de um professor universitário”, reflete.

Martinho ressalta que o sucesso dentro da UFFS não pode ser atribuído somente ao diretor. “É um esforço conjunto de um grupo de pessoas que trabalham em prol do campus e colaboraram ativamente durante a minha gestão. Contamos com a coordenação administrativa, do administrador Ronaldo Seramim, o coordenador acadêmico, professor Thiago Bitencourt, e todos os chefes de setores do campus”, acrescenta.

Ele destacou que em todas as gestões há conquistas e dificuldades. “No entanto, devido a algumas questões, como o contexto político global e a pandemia, bem como a limitação orçamentária da universidade, não conseguimos abarcar tudo, todas as gestões passam por isso”, acredita.

Parcerias

Martinho destacou o acordo de cooperação público-privado com a cooperativa de crédito Sicredi e também com a Erva-Mate Laranjeiras. “Isso possibilitou a colocação de um outdoor na BR 277, marcando o território e divulgando a presença da universidade na região. Fizemos ainda parcerias e inserir a universidade junto à Associação Comercial de Laranjeiras do Sul e Quedas do Iguaçu”, completa.

O diretor ainda destaca que em 2014, a universidade possuía apenas seis cursos. “Agora temos quase o dobro, com onze opções. Sem aumento no número de professores, de servidores técnicos e de prédios”, ressalta.

Ele também disse que a implementação de um novo curso está prevista na Conferência de Ensino, Pesquisa e Extensão da universidade (COEPE).

“Destaco ainda o projeto da ‘Feira de Ciência da Cantu’, coordenado pela professora Vivian Menezes. ‘UFFS de Portas Abertas’, coordenado pela professora Silvia Romão. Ele menciona também o projeto do ‘Morangueiro’ e o de Agrofloresta’, da professora Manuela Franco”, acrescenta. “Temos ainda os programas PET e CVT do grupo de horticultura, e o curso de agronomia, coordenado pela professora Cláudia Madruga. Por fim, cito a criação de uma revista científica, a ‘Regionem’, coordenada pelo professor Jorge Parra”, enfatiza Martinho.

Novos cursos

O diretor diz que para começar o próximo ano, foi dada a liberação da câmara de graduação, com ajustes do PPC, para o início do curso de Administração. “Além disso, incentivamos e coordenamos a formação de um Grupo de Trabalho (GT), do curso de mestrado em Educação, com a liderança do professor Fábio Zeneratti, que foi eleito como o novo diretor de Campus”, afirma Martinho.

Ao falar sobre a nova direção, o diretor enfatiza que tem altas expectativas. “Uma das razões pelas quais optei por não me candidatar à reeleição foi a crença de que outras pessoas também devem ter a oportunidade de participar da gestão”, aponta.