Responsivo

Surto de gripe aviária pode causar prejuízo de R$ 21,7 bilhões ao Brasil

Segundo o estudo, o agronegócio seria o setor mais afetado, com prejuízo estimado em R$ 11,8 bilhões. Além disso, seriam perdidos cerca de 46 mil empregos formais em diversos setores, e a arrecadação de impostos teria uma queda de R$ 1,3 bilhão

Um estudo realizado pelo Centro de Estudos do Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas (FGV Agro), a pedido do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical), revelou que um surto de gripe aviária em larga escala resultaria em um impacto anual de R$ 21,7 bilhões na economia brasileira.

Desde o mês de maio, quando o primeiro caso de gripe aviária foi confirmado no Brasil, auditores fiscais e entidades têm trabalhado para evitar a propagação do vírus H5N1 em granjas comerciais.

Impactos

Segundo o estudo, o agronegócio seria o setor mais afetado, com prejuízo estimado em R$ 11,8 bilhões. Além disso, seriam perdidos cerca de 46 mil empregos formais em diversos setores, e a arrecadação de impostos teria uma queda de R$ 1,3 bilhão. A renda dos brasileiros também sofreria uma diminuição de R$ 3,8 bilhões. O maior impacto seria nas atividades do agronegócio, que perderia 26 mil postos de trabalho.

O presidente do Anffa Sindical, Janus Pablo Macedo, destacou a importância do diagnóstico da FGV Agro em fornecer indicadores e projeções sobre o impacto negativo da gripe aviária na economia. Ele ressaltou a importância de concentrar os esforços na contenção da disseminação do vírus, especialmente nas agroindústrias.

O diagnóstico da FGV Agro tem um importante papel de nos trazer indicadores e projeções de como a gripe aviária pode impactar negativamente a economia. “O levantamento reforça que estamos no caminho certo, que é o de focar nossos esforços na contenção da disseminação do vírus especialmente nas agroindústrias”, afirma o presidente

Impactos por setores

O estudo da FGV Agro aponta ainda a relação do impacto da grive aviária em setores da economia.

De acordo com o levantamento, para cada perda de R$ 100 no valor das exportações de carnes aviárias, o setor de comércio perderia R$ 11, ou seja, o impacto indireto negativo para varejistas e atacadistas chegaria a 11% do total em perdas para a cadeia aviária.

Nessa linha, haveria também a redução de 8% na produção de rações animais, 6% no setor elétrico, 4% no transporte terrestre de cargas, dentre outros segmentos.