A justiça tarda mas não falha!

Esta será – independente do mérito – uma quinta-feira que ficará na história do país. A presença do ex-presidente Luiz

Esta será – independente do mérito – uma quinta-feira que ficará na história do país.

A presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Curitiba, neste encontro com o Juiz Sergio Morom deve causar um frisson tanto na esquerda quanto nos demais lados da ideologia política brasileira, se é que eles existem, além, obviamente, da direita.

Numa espécie de ultima ratio regum, a defesa do ex-presidente tentou protelar a audiência com Moro, mas esbarrou na decisão do juiz federal Nivaldo Brunoni, que negou o pedido de habeas corpus impetrado pelos advogados do petista.

A defesa de Lula havia requerido a suspensão da audiência para que fosse possível analisar as cerca de 100 páginas em documentos que a Petrobras anexou ao processo. O advogado Cristiano Zanin Martins alegou cerceamento de defesa por “não haver viabilidade material de análise dessa documentação antes do interrogatório”.

Guerra Jurídica à parte, o que deve inflamar mesmo o episódio é a paixão política, que envolve o tema.

Favoráveis e contrários se digladiam na Mídia Social, com informações inverídicas, constrangedoras e midiáticas tando de um lado como de outro.

O fato é que o mérito está muito acima das paixões. As descobertas feitas pela Lava jato, afetam o país estruturalmente em todos os seus segmentos e a população vive momentos de incertezas, indefinições e descontentamento.

A classe política que nunca teve muita credibilidade perante o cidadão, por questões óbvias e que afloraram com os escândalos recentes descobertos com a Operação Lava Jato, incluindo aí, o até então adorado Lula, está a um passo do colapso.

A Ditadura Miliar ganha adeptos e a Democracia balança.

Mas o momento histórico, referência no início deste editorial, é justamente por isso! Vivemos a grande oportunidade de passar o Brasil a limpo.

E sem querer arriscar um resultado pós depoimento, evocamos a celebre frase: A justiça tarda mais não falha.

Tomara!