O comércio e a empatia

Olho: O segredo talvez esteja no óbvio, mas não tão simples, ato de se colocar no lugar do outro. De pensar como gostaria de ser atendido e tratado

No editorial da edição passada, falamos sobre a importância de valorizar o comércio local, sobre como é significativa para a comunidade em geral a ação de comprar dos comerciantes da cidade onde você mora. E sem de forma alguma desdizer isso, vamos fazer uma reflexão.
São vistos muitos memes nas redes sociais, fazendo analogia às campanhas de apoio ao comércio local do tipo ‘expectativa e realidade’. Geralmente é usada a frase “ apoie o comércio local” e aí a imagem do meme mostra alguém de cara feia, atendendo mal e a legenda da imagem é “ o comércio local”.
Resumindo, o meme quer dizer que é difícil apoiar quem muitas vezes te atende mal. O impressionante é que este meme é muito compartilhado, ou seja, muitas pessoas tiveram experiências ruins com relação a atendimento.
É claro que o mau atendimento está também em grandes redes de lojas, mas é mais difícil de ser visto, afinal é feito um alto investimento em treinamento dos colaboradores. E isso faz diferença. O segredo talvez esteja no óbvio, mas não tão simples, ato de se colocar no lugar do outro. De pensar como gostaria de ser atendido e tratado.
Mas como nem todos os seres humanos conseguem fazer essa auto análise, a solução é treinamento. O atendente, funcionário e o próprio dono do comércio tem que entender que é necessário tratar bem os clientes, atender sempre com um sorriso nos rosto, se não puderem fazer isso pela simples empatia, que o façam por inteligência, afinal o faturamento de qualquer comércio vem dos clientes.
Quando um cliente é tratado mal, principalmente em cidades pequenas, pode ter certeza que essa experiência ruim que ele teve chegará ao ouvido de muitos. Tem um ditado que diz “você nunca sabe quantas outras pessoas, aquela pessoa conhece e nem quem ela conhece”.